Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Cólica

Por

Deborah M. Consolini

, MD, Sidney Kimmel Medical College of Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa jul 2018| Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A cólica se refere a um padrão específico de choro excessivo e intenso, além de o bebê ficar agitado, o que ocorre sem qualquer razão aparente (fome, doença ou lesão, por exemplo) em bebês em geral saudáveis. A cólica normalmente começa com o primeiro mês de vida, fica pior quando o bebê tem seis semanas de idade, e desaparece, com frequência de maneira súbita, por volta dos três a quatro meses de idade.

Normalmente, os médicos consideram que o bebê chorar e ficar inquieto de maneira intensa e inexplicada representa cólica quando dura mais de três horas por dia em mais de três dias por semana por mais de três semanas. Contudo, muitos médicos também consideram ser cólica o choro súbito, intenso e inexplicado que dura menos de três horas por dia na maior parte dos dias da semana.

O choro está normalmente associado à cólica

  • É alto, penetrante e constante

  • Não tem causa identificável

  • Ocorre aproximadamente na mesma hora do dia ou da noite

  • Continua por horas sem razão aparente

  • É separado por intervalos nos quais o bebê age normalmente

Causas

Ainda que o termo cólica sugira cólicas abdominais, não há evidências de que exista um distúrbio intestinal ou abdominal de outra natureza. Talvez as pessoas tenham pensado que a cólica era causada por um distúrbio abdominal porque os bebês que choram com frequência engolem ar quando choram, o que resulta em flatulência e inchaço do abdômen. Contudo, os médicos acham que esses são resultados do choro e não sua causa. A maioria dos bebês com cólica come e ganha peso normalmente. Contudo, elas podem sugar vigorosamente suas chupetas ou brinquedos. A cólica não parece ter qualquer relação com o desenvolvimento de uma personalidade insistente ou impaciente.

Avaliação

Sinais de alerta: Os pais devem suspeitar especialmente de doenças ou dores como causa de choro e de dificuldades com o bebê se o choro for acompanhado por

  • Vômitos (especialmente se o vômito for esverdeado, contiver sangue ou ocorrer mais de cinco vezes por dia)

  • Alterações das fezes (constipação ou diarreia, especialmente com sangue ou muco)

  • Temperatura anormal (uma temperatura retal inferior a 36,1 ºC ou acima de 38 ºC)

  • Irritabilidade (choro durante todo o dia intercalados por poucos períodos de calma)

  • Letargia (excesso de sonolência, falta de sorriso ou olhar de interesse ou sucção fraca)

  • Pouco ganho de peso

  • Dificuldade em respirar

  • Hematomas ou outros sinais de possível lesão

  • Movimentos anormais ou contrações de qualquer parte do corpo

Quando consultar um médico

As crianças com qualquer sinal de alerta devem ser avaliadas por um médico imediatamente.

Caso crianças sem tais sinais parecerem de resto normais, os pais podem tentar medidas típicas como alimentar a criança, fazê-la arrotar, trocá-la e aconchegá-la. Caso o choro continue após essas medidas, os pais devem ligar para um médico. Um médico pode ajudar os pais a determinar com que rapidez a criança precisa ser avaliada.

O que o médico faz

Os médicos primeiro fazem perguntas sobre o choro para determinar se ele satisfaz os critérios de cólica. Os médicos indagam sobre outros sintomas e o histórico clínico do bebê e fazem então um exame físico. O que eles descobrem durante o histórico e o exame físico com frequência os ajuda a distinguir a cólica de um distúrbio causador de choro excessivo.

Exames

Nenhum exame será necessário a não ser que os médicos detectem anomalias específicas durante o histórico ou durante o exame.

Tratamento

Depois do bebê ter sido examinado pelos médicos e dos pais se sentirem seguros de que o bebê está saudável, que a irritabilidade não se deve a falhas suas como pais e que a cólica se resolverá sozinha sem efeitos de longo prazo, algumas medidas gerais podem ajudar:

  • Segurar, embalar ou dar palmadinhas suaves

  • Embalar a criança em um balanço infantil

  • Ouvir ruído branco, como o som da chuva ou sons produzidos eletronicamente por um ventilador, máquina de lavar, aspirador de pó ou secador de cabelo

  • Ouvir música

  • Andar de carro

  • Chupar uma chupeta

  • Provocar o arroto

  • Ser alimentado (mas os pais devem evitar superalimentar a criança em uma tentativa de parar o choro)

  • Ser envolvido em roupinhas aconchegantes

Quando a causa do choro é a fadiga, muitas das intervenções acima podem consolar os bebês somente por pouco tempo, e o choro retorna assim que a estimulação ou atividade termina, o que deixa os bebês ainda mais fatigados. Às vezes, é mais eficaz incentivar o bebê a se acalmar por si mesmo e dormir rotineiramente colocando-o acordado no berço, para que ele não dependa dos pais ou de certos movimentos, objetos ou sons para dormir.

Os pais podem trocar de fórmula láctea por um curto período para determinar se os bebês têm uma intolerância específica a uma fórmula láctea, mas a troca frequente da fórmula láctea deve ser evitada a menos que ocorra por orientação de um médico. Mães que estão amamentando podem notar que após comerem certos alimentos, como produtos lácteos, brócolis ou repolho, o bebê chora depois de mamar. A mãe deve tentar remover esses alimentos da própria dieta para ver se o choro do bebê diminui. Contudo, uma intolerância a produtos lácteos ou alimentos raramente é causa de cólica, a menos que outros sintomas, tais como vômitos, constipação, diarreia ou pouco ganho de peso estejam presentes.

Lidar com o choro excessivo pode ser difícil para os pais. Conversar com um médico pode ajudar. O médico pode fornecer estratégias, reconforto e apoio para pais que estão passando pelo estresse do choro excessivo.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Diabetes mellitus
Vídeo
Diabetes mellitus
Durante o processo digestivo, uma grande parte dos alimentos consumidos é convertida em glicose...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística pulmonar
Modelo 3D
Fibrose cística pulmonar

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS