Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Reações anafiláticas

(Anafilaxia)

Por

Peter J. Delves

, PhD, University College London, London, UK

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

As reações anafiláticas são reações alérgicas repentinas, generalizadas, potencialmente graves e fatais.

  • As reações anafiláticas começam, frequentemente, com uma sensação de desconforto, seguida por sensações de formigamento e tontura.

  • Em seguida, surgem rapidamente sintomas graves que incluem coceira e urticária generalizada, inchaço, sibilos, dificuldade respiratória, desmaio e/ou outros sintomas alérgicos.

  • Estas reações podem ser fatais em pouco tempo.

  • A melhor maneira de evitar um ataque é evitar o fator desencadeante.

  • As pessoas afetadas devem trazer sempre consigo uma seringa autoinjetável de epinefrina.

  • As reações anafiláticas exigem tratamento de emergência.

Tal como acontece com outras reações alérgicas, uma reação anafilática não costuma ocorrer após a primeira exposição a um alérgeno (a substância que desencadeia uma reação alérgica), mas pode ocorrer quando a pessoa for novamente exposta ao alérgeno. No entanto, muitas pessoas não se recordam da primeira exposição. É provável que qualquer alérgeno que cause uma reação anafilática em uma pessoa cause essa reação quando a pessoa for novamente exposta, a menos que sejam tomadas medidas para evitar essa exposição.

Causas

As reações anafiláticas são geralmente causadas por:

  • Fármacos (como a penicilina)

  • Picadas de insetos e venenos de animais

  • Certos alimentos (especialmente ovos, frutos do mar e nozes)

  • Látex

Porém, também podem ser causadas por qualquer alérgeno.

Reações anafilactoides

As reações anafilactoides se assemelham a reações anafiláticas. Todavia, ao contrário do que ocorre nas reações anafiláticas, podem ocorrer reações anafilactoides após a primeira exposição a uma substância.

As reações anafilactoides não são reações alérgicas porque a imunoglobulina E (IgE), a classe de anticorpos envolvida nas reações alérgicas, não as provoca. Pelo contrário, a reação é causada diretamente pela substância.

As substâncias que desencadeiam reações anafilactoides com maior frequência incluem

  • Substâncias contendo iodo, que são visíveis nas radiografias (contrastes radiopacos)

  • Aspirina e outros anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)

  • Opioides

  • Anticorpos monoclonais (anticorpos fabricados que visam e suprimem partes específicas do sistema imunológico)

  • Exercícios

Na medida do possível, o médico evita utilizar agentes de contraste radiopacos em pessoas com reações anafilactoides a estes agentes. No entanto, algumas doenças não podem ser diagnosticadas sem agentes de contraste. Nestes casos, o médico usa agentes com menor probabilidade de causar reações. Além disso, muitas vezes se administram medicamentos que bloqueiam as reações anafilactoides, como prednisona e difenidramina, antes de injetar determinado agente de contraste.

Sintomas

As reações anafiláticas começam nos primeiros 15 minutos da exposição ao alérgeno. Excepcionalmente, as reações começam após 1 hora. Os sintomas variam de leves a graves, mas a pessoa normalmente apresenta os mesmos sintomas todas as vezes.

O coração palpita rapidamente. A pessoa pode sentir-se ansiosa e agitada. A pressão arterial pode cair, causando desmaios, e pode ficar perigosamente baixa (choque). Outros sintomas incluem tontura, coceira e rubor, tosse, coriza, espirros, urticária e inchaço do tecido sob a pele (angioedema). A respiração pode tornar-se difícil e podem aparecer sibilos, porque a garganta e/ou vias aéreas se contraem ou incham. A pessoa pode ter náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarreia.

Uma reação anafilática pode progredir tão rapidamente que pode provocar colapso, parada respiratória, convulsões e perda da consciência em 1 ou 2 minutos. A reação pode ser fatal, a menos que se administre um tratamento de emergência de imediato.

Os sintomas podem recorrer 4 a 8 horas após a exposição a um alérgeno ou mais tarde. Em geral, esses sintomas são mais leves do que eram inicialmente, mas podem ser graves ou fatais.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Às vezes, exames de sangue ou urina

O diagnóstico de reações anafilactoides é geralmente óbvio com base nos seguintes sintomas:

  • Sintomas de choque (como pressão arterial baixa, confusão, pele fria, sudorese e pulso rápido e fraco)

  • Sintomas respiratórios (como dificuldade para respirar, um som ofegante ao inspirar e sibilos)

  • Outros dois ou mais sintomas de uma possível anafilaxia (como angioedema, urticária e náuseas ou outros sintomas digestivos)

Como os sintomas podem ser fatais em pouco tempo, o tratamento é iniciado de imediato, sem esperar pela realização de exames.

Se os sintomas forem leves, o diagnóstico pode ser confirmado através de exames de sangue ou urina, que medem os níveis das substâncias produzidas durante as reações alérgicas. No entanto, normalmente esses testes são desnecessários.

Prevenção

A melhor prevenção é evitar o alérgeno. As pessoas que são alérgicas a certos alérgenos inevitáveis (como as picadas de insetos) podem se beneficiar de imunoterapia com alérgenos em longo prazo.

Pessoas que apresentam essas reações alérgicas graves devem trazer sempre consigo uma seringa autoinjetável de epinefrina. Caso ocorra o desencadeamento (por exemplo, se forem picadas por um inseto), ou se começarem a apresentar sintomas, devem se autoinjetar imediatamente. Em geral, esse tratamento detém a reação, ao menos temporariamente. No entanto, depois de uma reação alérgica de caráter grave, e imediatamente após se autoinjetar, a pessoa deve se dirigir ao serviço de emergência de um hospital, onde poderá ser adequadamente monitorada e o tratamento poderá ser ajustado conforme necessário. A pessoa também deve usar um bracelete de alerta médico, com uma lista das suas alergias.

Tratamento

  • Epinefrina administrada imediatamente

  • Às vezes tubo de respiração

  • Às vezes líquidos administrados por via intravenosa

  • Anti-histamínicos e outros fármacos

Em casos de emergência, o médico administra epinefrina por injeção subcutânea, em um músculo ou, às vezes, em uma veia ou osso.

Caso a respiração seja gravemente comprometida, um tubo respiratório pode ser introduzido na traqueia pela boca ou nariz (intubação) ou por uma pequena incisão na pele que cobre a traqueia, e oxigênio (se necessário) é administrado por esse tubo respiratório. Uma segunda injeção de epinefrina pode ser necessária. Se a pressão arterial da pessoa estiver muito baixa, epinefrina pode ser administrada através do tubo de respiração.

Em geral, a pressão arterial baixa retorna ao normal logo após a administração de epinefrina. Caso não retorne, fluidos intravenosos são administrados para aumentar o volume de sangue. Algumas vezes, medicamentos que estreitam os vasos sanguíneos (vasoconstritores) também são administrados ajudando a elevar a pressão arterial.

São administrados anti-histamínicos (como a difenidramina) e bloqueadores de histamina-2 (H2) (como a cimetidina) por via intravenosa até o desaparecimento dos sintomas.

Se necessário, beta-agonistas inalatórios (como albuterol) são administrados para expandir as vias aéreas, diminuir os sibilos e auxiliar a respiração.

Às vezes, um corticosteroide é administrado para ajudar a prevenir a recorrência dos sintomas várias horas depois; contudo, não se sabe ao certo se este tratamento é necessário.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como os linfócitos T reconhecem os antígenos
Vídeo
Como os linfócitos T reconhecem os antígenos
As células T (linfócitos T), como parte do sistema de vigilância imunológica, têm de poder...
Alergias
Vídeo
Alergias
Uma alergia acontece quando o corpo reage a substâncias que ele não consegue tolerar. As substâncias...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS