Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Hepatite C, aguda

Por

Sonal Kumar

, MD, MPH, Weill Cornell Medical College

Última revisão/alteração completa out 2019| Última modificação do conteúdo out 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Hepatite C aguda é uma inflamação do fígado causada pelo vírus da hepatite C com duração de algumas semanas até seis meses.

  • A hepatite C se espalha pelo contato com o sangue ou outros líquidos corporais de pessoas infectadas, como quando as pessoas compartilham agulhas não esterilizadas para injetar drogas ilícitas.

  • A hepatite C aguda não costuma causar sintomas

  • Os médicos diagnosticam a hepatite C aguda com base nos exames de sangue.

  • Não existe vacina disponível.

  • Frequentemente, nenhum tratamento específico é recomendado para a hepatite C aguda.

Nos Estados Unidos, quase 3.000 casos de hepatite C aguda foram relatados em 2016. Contudo, como muitos casos não são reconhecidos ou não são relatados, o número real de novas infecções foi estimado em mais de 41.000 em 2016.

Por motivos desconhecidos, quase uma em cada cinco pessoas com doença hepática alcoólica tem hepatite C. Nestas pessoas, o álcool e a hepatite C potencializam juntos a inflamação e a fibrose hepática (cirrose).

Transmissão da hepatite C

Em geral, a hepatite C é transmitida pelo contato com o sangue de uma pessoa infectada. A hepatite C é mais comumente transmitida entre pessoas que compartilham agulhas não esterilizadas para injetar drogas ilícitas. A infecção também pode ser transmitida por agulhas não esterilizadas usadas para tatuagens e piercings corporais.

A transmissão por transfusões de sangue ou transplante de órgãos é possível, mas atualmente é rara. Essa transmissão foi comum nos Estados Unidos até 1992, quando uma triagem abrangente do suprimento de sangue para hepatite C começou.

A transmissão por contato sexual é incomum, assim como a transmissão da mãe para o bebê.

Às vezes não é possível determinar como a pessoa contraiu hepatite C.

Sintomas

Inicialmente, a hepatite C aguda é geralmente leve e, frequentemente, não causa sintomas. A maioria das pessoas com hepatite C aguda não sabe que está infectada.

Algumas pessoas com hepatite C aguda têm sintomas típicos de hepatite viral. Estes sintomas incluem

  • Perda de apetite

  • Uma sensação de mal-estar geral

  • Febre

  • Náusea e vômito

  • Icterícia (amarelamento da pele e da parte branca dos olhos)

Raramente a hepatite C aguda se torna grave (fulminante).

A hepatite C se torna crônica em cerca de 75% das pessoas. A infecção crônica é geralmente leve. Contudo, com o passar do tempo, cerca de 20% a 30% das pessoas com hepatite C crônica desenvolve cirrose. Câncer de fígado pode se desenvolver, mas geralmente apenas após o desenvolvimento de cirrose.

Diagnóstico

  • Exames de sangue

Os médicos suspeitam de hepatite C aguda quando

  • As pessoas têm sintomas de hepatite aguda.

  • Exames de sangue (testes de função hepática) detectam inflamação do fígado (hepatite).

  • As pessoas têm fatores de risco para contrair hepatite C.

Os testes geralmente começam com exames de sangue para determinar o funcionamento do fígado e se existe lesão hepática (testes de função hepática). Os testes de função hepática medem os níveis de enzimas hepáticas e de outras substâncias produzidas pelo fígado.

Se os testes detectarem anormalidades hepáticas, outros exames de sangue são feitos para verificar a presença de infecção pelo vírus da hepatite. Esses exames de sangue podem identificar partes dos vírus específicos (antígenos), anticorpos específicos produzidos pelo organismo para lutar contra o vírus e, às vezes, material genético (RNA ou DNA) do vírus.

Exames de sangue são realizados para procurar por outras causas de hepatite.

A presença de anticorpos contra a hepatite C sugere que as pessoas foram infectadas em algum momento da vida, mas não estão necessariamente ainda infectadas. Se forem encontrados anticorpos contra a hepatite C, o teste para RNA do vírus da hepatite C é feito para determinar se a infecção é atual ou se ocorreu no passado. Ter anticorpos para a hepatite C não protege as pessoas de contrair hepatite C. (Em contraste, ter anticorpos contra hepatite A e hepatite B protege contra infecções futuras com esses vírus.)

Prevenção

Comportamentos de alto risco, como o compartilhamento de agulhas para injetar drogas, devem ser evitados.

Todos os doadores de sangue são testados para hepatite C para prevenir sua disseminação através de transfusões. Além disso, embora o risco de contrair hepatite a partir de transfusões seja remoto, os médicos só usam transfusões quando não há alternativa. Essas medidas diminuíram dramaticamente o risco de contrair hepatite a partir de uma transfusão de sangue.

Não existe vacina contra hepatite C atualmente disponível.

Tratamento

  • Medidas gerais

Hepatite aguda C não é rotineiramente tratada com antivirais porque a infecção se resolve espontaneamente, sem tratamento, em quase um quarto das pessoas que contraem a doença.

Os mesmos medicamentos usados para tratar hepatite C crônica podem reduzir o risco de a hepatite C aguda se tornar crônica. Contudo, esse tratamento não foi bem estudado e é caro. Portanto, habitualmente os médicos aguardam seis meses para ver se a hepatite se resolve espontaneamente. Caso não se resolva, o tratamento é então considerado.

Pessoas com hepatite C não devem consumir bebidas alcoólicas, pois isso poderia danificar o fígado ainda mais. Não existe a necessidade de evitar certos alimentos ou de limitar a atividade.

A maioria das pessoas pode voltar tranquilamente ao trabalho depois que a icterícia se resolver.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do fígado e da vesícula biliar
Vídeo
Visão geral do fígado e da vesícula biliar
Modelos 3D
Visualizar tudo
Dentro do fígado
Modelo 3D
Dentro do fígado

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS