Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Blefarite

Por

James Garrity

, MD, Mayo Clinic College of Medicine

Última revisão/alteração completa jun 2019| Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A blefarite é uma inflamação das bordas das pálpebras, possivelmente com escamas espessas, crostas, úlceras superficiais, ou vermelhidão e inchaço das bordas das pálpebras.

  • A inflamação é causada por determinadas infecções, reações alérgicas e algumas doenças cutâneas.

  • As pálpebras ficam irritadas, vermelhas, inchadas e podem coçar e queimar.

  • Geralmente o diagnóstico é baseado em sintomas e no aspecto das pálpebras.

  • Alguns distúrbios de base são tratados, e muitas vezes são administrados pomadas e comprimidos antibióticos, pílulas antivirais, pomada de corticosteroides, lágrimas artificiais ou uma combinação destes.

Causas

As doenças que podem causar blefarite incluem as infecções bacterianas (geralmente por estafilococos) das pálpebras ou dos canais das glândulas mais profundas que se abrem nas bordas das pálpebras, algumas infecções virais (em geral, herpes simples) e reações alérgicas (a pólen ou mesmo a colírios).

Doenças cutâneas como dermatite seborreica, rosácea e dermatite atópica (eczema) afetam o rosto, inclusive as pálpebras, levando à inflamação e à blefarite.

Outra causa são as glândulas sebáceas inflamadas ou obstruídas na borda das pálpebras (chamada disfunção da glândula meibomiana), que pode ser causada pela rosácea.

Colírios podem desencadear reações alérgicas que causam a blefarite (a chamada blefarite alérgica por sensibilidade de contato).

Algumas vezes a inflamação não tem causa conhecida.

Sintomas

A blefarite pode provocar a sensação de que existe alguma coisa no olho. Os olhos e as pálpebras podem coçar e queimar, e as bordas das pálpebras podem ficar vermelhas. Os olhos começam a lacrimejar e ficam sensíveis à luz intensa.

Em alguns tipos de blefarite, tais como aquelas causadas por infecções bacterianas, as pálpebras podem inchar e alguns cílios podem ficar brancos ou até mesmo cair. Este tipo de blefarite é geralmente agudo. Por vezes, podem surgir pequenos abscessos de pus (pústulas) na base dos cílios e, posteriormente, úlceras superficiais (blefarite ulcerosa). Uma crosta pode se formar e aderir firmemente às bordas das pálpebras. Quando a crosta é retirada a superfície pode sangrar. Durante o sono, as secreções secam e as pálpebras ficam grudadas.

Em alguns tipos de blefarite, como naquelas causados por glândulas oleosas (meibomianas) bloqueadas, as glândulas ficam entupidas com depósitos duros de cera. Este tipo de blefarite pode ser crônico. Frequentemente os pacientes têm dermatite seborreica ou rosácea e desenvolvem terçóis ou calázios (cistos nas pálpebras).

Alguns pacientes com blefarite desenvolvem olhos secos.

A maioria dos tipos de blefarite tende a reaparecer e se mostra muito resistente ao tratamento. A blefarite é incômoda e pouco atraente, mas no geral não danifica a córnea e não provoca perda de visão. Por vezes, a blefarite ulcerosa pode provocar a queda dos cílios e a cicatrização das bordas das pálpebras e, raramente, uma inflamação pode afetar a córnea.

Diagnóstico

  • Sintomas e exame médico

O diagnóstico de blefarite normalmente se baseia nos sintomas e no aspecto das pálpebras. Um médico pode utilizar uma lâmpada de fenda para examinar as pálpebras mais detalhadamente. Em determinadas ocasiões, é retirada uma amostra de material das bordas das pálpebras para identificar a bactéria que está causando a infecção e determinar o grau de sensibilidade para os antibióticos normalmente utilizados.

Tratamento

  • Medidas de suporte (por exemplo, compressas, limpeza das pálpebras)

  • Tratamento da causa

Alguns tratamentos ajudam a aliviar os sintomas, como a irritação. Lágrimas artificiais usadas durante o dia e pomadas lubrificantes aplicadas à noite também podem ajudar. Os sintomas também podem ser minimizados com compressas úmidas, em geral frias para blefarite alérgica ou de sensibilidade por contato e aquecida para todas as outras causas de blefarite. Ocasionalmente, se estas medidas não funcionarem, é aplicada uma pomada de corticosteroide.

O problema que causa a blefarite é tratado sempre que possível. Por exemplo, um colírio que parece ser o causador da blefarite por contato alérgico pode ser interrompido.

Para tratar a blefarite ulcerativa causada por bactéria, um médico pode receitar uma pomada ou colírio com antibiótico, como bacitracina mais polimixina B, gentamicina, eritromicina ou sulfacetamida, ou um antibiótico oral (como a doxiciclina).

Uma blefarite viral é tratada com comprimidos antivirais (como o valaciclovir) que são eficazes contra o herpes simples, que é a causa mais comum.

Para a blefarite provocada por dermatite seborreica, o tratamento consiste em manter as pálpebras limpas, esfregando suavemente as bordas duas vezes ao dia com um pano ou algodão embebidos numa solução diluída composta por xampu para bebê (2 ou 3 gotas para meia chávena de água morna). Quando a causa for uma dermatite seborreica, o rosto e o couro cabeludo também devem ser tratados. Algumas vezes, o implante de um tampão (implante que bloqueia o punctum ou canal lacrimal diminuindo a drenagem de lágrimas) ajuda.

Para disfunção da glândula meibomiana, compressas mornas podem ajudar a gordura a fluir das glândulas sebáceas meibomianas e diminuir a inflamação, aliviando a coceira e a ardência. Uma massagem na pálpebra pode ajudar a liberar o óleo das glândulas meibomianas, que ajuda a lubrificar o olho. A rosácea que causa a disfunção das glândulas meibomianas também deve ser tratada.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Degeneração macular
Vídeo
Degeneração macular
A degeneração macular, comumente referida como ARMD ou degeneração macular associada à idade...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Glaucoma
Modelo 3D
Glaucoma

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS