Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Mania de arrancar cabelos (tricotilomania)

Por

Katharine A. Phillips

, MD, Weill Cornell Medical College;


Dan J. Stein

, MD, PhD, University of Cape Town

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Na mania de arrancar cabelos, a pessoa repetidamente arranca os cabelos/pelos, o que resulta em perda de cabelo/pelos.

  • É possível que a pessoa com mania de arrancar cabelo/pelos se sinta tensa ou ansiosa logo antes de arrancar o cabelo/pelos, e o ato de arrancá-lo pode aliviar essa sensação.

  • Os sintomas normalmente variam de intensidade e podem continuar por toda a vida.

  • O médico diagnostica o transtorno se a pessoa arranca compulsivamente cabelo/pelos a ponto de causar perda de cabelo/pelos, tenta parar de arrancá‑los e não consegue, e seu comportamento lhe causa angústia significativa ou diminui sua capacidade funcional.

  • A terapia cognitivo-comportamental com foco específico na mania de arrancar cabelos/pelos e determinados antidepressivos ou outros medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas.

A mania de arrancar cabelos/pelos é um tipo de transtorno obsessivo-compulsivo. A pessoa com esse transtorno puxa ou arranca compulsivamente cabelos/pelos por motivos não estéticos. Ou seja, ela não arranca cabelos/pelos para melhorar a aparência. Geralmente, a pessoa arranca o cabelo do couro cabeludo, sobrancelhas e/ou cílios, mas o pelo de qualquer parte do corpo pode ser arrancado.

Geralmente, a mania de arrancar cabelos/pelos começa logo antes ou após a puberdade. Entre 1% a 2% das pessoas sofrem de mania de arrancar cabelos/pelos. Aproximadamente 90% dos adultos com mania de arrancar cabelos/pelos são do sexo feminino.

Sintomas

A quantidade de cabelos/pelos e o local de onde são arrancados variam de uma pessoa para outra. Algumas pessoas com mania de arrancar cabelos/pelos têm áreas de calvície completa. É possível que ela não tenha cílios ou sobrancelhas. Outras pessoas só possuem cabelo ralo. É possível que a pessoa mude o local de onde arranca o cabelo com o passar do tempo.

Algumas pessoas arrancam o cabelo praticamente de forma automática, sem pensar. Outras têm mais consciência da atividade.

A pessoa com mania de arrancar cabelos/pelos não arranca os cabelos/pelos, porque está preocupada com a aparência física e está tentando arrumá-la (como é o caso de pessoas com transtorno dismórfico corporal). No entanto, é possível que ela se sinta tensa ou ansiosa logo antes de fazê-lo e o ato de arrancar o cabelo pode aliviar essa sensação. Depois disso, é possível que ela se sinta gratificada.

Muitas atividades (rituais) podem acompanhar a mania de arrancar cabelos. É possível que a pessoa procure meticulosamente por um tipo específico de cabelo para puxar. Ela pode enrolar o cabelo entre os dedos, puxar os fios entre os dentes ou morder o cabelo depois de ter sido puxado. Muitas engolem o cabelo. O cabelo engolido pode formar uma massa que fica presa no estômago ou em outras partes do trato digestivo. Essas massas, denominadas tricobezoares, podem fazer com que a pessoa se sinta prematuramente satisfeita ou cause náuseas, vômitos, dor e outros sintomas digestivos.

Muitas pessoas com mania de arrancar cabelos/pelos também cutucam a própria pele, roem as unhas ou mastigam a bochecha repetidamente ou realizam outras atividades repetitivas focadas no corpo. Elas também podem ter depressão.

A pessoa afetada pode sentir‑se constrangida ou envergonhada de sua aparência ou pelo fato de que não consegue controlar o próprio comportamento. É possível que ela tente camuflar a perda de cabelo com perucas ou cachecóis. Algumas pessoas arrancam cabelo de áreas bastante dispersas para disfarçar a perda. É possível que a pessoa evite situações em que outros possam ver a perda de cabelo. Normalmente, a pessoa não arranca os cabelos/pelos na frente de outros, exceto membros da família. É também possível que a pessoa sinta angústia pela perda do próprio controle e, geralmente, ela tenta repetidamente parar de arrancar os cabelos/pelos.

Algumas pessoas arrancam cabelo/pelos de outras pessoas ou de animais ou arrancam fios de tecidos, lençóis ou outros produtos têxteis.

A pessoa com mania de arrancar cabelos/pelos geralmente tenta parar de arrancá-los ou fazê-lo com menos frequência, mas não consegue.

Os sintomas normalmente variam de intensidade e podem continuar por toda a vida.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico com base em critérios diagnósticos específicos

O médico diagnostica a mania de arrancar cabelos/pelos tomando por base os sintomas:

  • Arrancar quantidade suficiente de cabelo/pelos, causando perda

  • Tentar repetidamente diminuir a frequência ou parar de arrancar cabelos/pelos

  • Sentir angústia significativa ou sofrer uma diminuição da capacidade funcional devido à atividade

Tratamento

  • Às vezes medicamentos

  • Terapia cognitivo-comportamental

Às vezes, o médico receita medicamentos para ajudar a controlar os sintomas. Os inibidores seletivos de recaptação da serotonina ou clomipramina (que são tipos de antidepressivos) podem ajudar, sobretudo se a pessoa também apresentar sintomas de depressão ou ansiedade. A N-acetilcisteína ou a olanzapina também podem ajudar.

A terapia cognitivo-comportamental com foco específico na mania de arrancar cabelos/pelos também pode diminuir os sintomas. A forma de terapia cognitivo-comportamental mais frequentemente usada é a terapia reversa de hábitos. Nessa terapia, a pessoa aprende a:

  • Ficar mais consciente do que está fazendo

  • Identificar situações que desencadeiam a atividade

  • Usar estratégias para ajudá-la a parar de arrancar os cabelos/pelos, por exemplo, substituindo a atividade de arrancá-los por outra (por exemplo, cerrar os punhos, tricotar ou sentar-se sobre as mãos)

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS