Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Uveíte causada por doença do tecido conjuntivo

Por

Kara C. LaMattina

, MD, Boston University School of Medicine

Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Algumas doenças do tecido conjuntivo causam inflamação do trato uveal. (Ver também Visão geral da uveíte.)

Espondiloartropatias

As espondiloartropatias soronegativas são uma causa comum de uveíte anterior.

Entre as espondiloartropatias soronegativas, a inflamação ocular é mais comum com espondilite anquilosante, mas também ocorre com artrite reativa, doença intestinal inflamatória (colite ulcerativa e doença de Crohn) e artrite psoriática. A uveíte é classicamente unilateral, mas recorrências são comuns e inflamação ativa pode alternar entre os olhos. Homens são mais comumente afetados do que mulheres. A maioria dos pacientes, independentemente do sexo, é positiva para HLA-B27.

O tratamento requer corticosteroide tópico e um fármaco cicloplégico-midriático. Ocasionalmente, corticoides perioculares são necessários. Casos crônicos graves podem exigir fármacos imunossupressores não corticoides (p. ex., metotrexato, mofetil de micofenolato).

Artrite idiopática juvenil (AIJ, anteriormente conhecida como artrite reumatoide juvenil)

AIJ tipicamente causa iridociclite bilateral crônica em crianças, particularmente entre aquelas com a variedade pauciarticular. Mas diferentemente da maioria das formas de uveíte anterior, a AIJ tende a não causar dor, fotofobia e hiperemia conjuntival, somente borramento visual e miose, sendo, portanto, frequentemente chamada de irite branca. Pode ser assintomática. Uveíte associada AIJ é mais comum entre meninas. Como os sintomas podem ser negligenciados ou ausentes, deve-se monitorar os pacientes com AIJ regularmente.

A artrite reumatoide, em comparação, não está associada a uveíte isolada, mas pode causar esclerite, que pode provocar inflamação secundária do trato uveal.

Episódios recorrentes de inflamação são mais bem tratados com um corticosteroide tópico e um fármaco cicloplégico-midriático. Dada a natureza crônica da doença e o risco de glaucoma e catarata relacionado com o tratamento, o controle em longo prazo muitas vezes requer a utilização de um imunossupressor não esteroide (p. ex., metotrexato, micofenolato de mofetila).

Sarcoidose

A sarcoidose responde por 10 a 20% dos casos de uveíte, e cerca de 25% dos pacientes com sarcoidose têm uveíte. A uveíte sarcoide é mais comum entre negros e idosos.

Praticamente todos os sinais e sintomas de uveíte anterior, intermediária ou posterior podem ocorrer. Resultados sugestivos incluem granulomas conjuntivais, precipitados endoteliais extensos no endotélio corneano (a chamada granulomatosa ou precipitados de gordura de carne de carneiro), granulomas na íris e vasculite retiniana. A biópsia das lesões sugestivas, que fornece o diagnóstico mais seguro, é geralmente feita na conjuntiva; ela é raramente feita nos tecidos intraoculares por causa do risco associado com o procedimento.

O tratamento normalmente envolve corticoides tópicos, perioculares, intraoculares ou sistêmicos, junto com um fármaco cicloplégico-midriático tópica. Pacientes com inflamação moderada a grave podem exigir imunossupressores não esteroides (p. ex., metotrexato, micofenolato de mofetila).

Doença de Behçet

A doença de Behçet é rara na América do Norte, mas é uma causa bastante comum de uveíte no Oriente Médio e Extremo Oriente.

Os resultados típicos incluem uveíte anterior grave com hipópio, retinitis, vasculite retiniana e inflamação do disco óptico. O curso clínico é geralmente grave com múltiplas recorrências.

O diagnóstico requer a presença de manifestações sistêmicas associadas, como úlceras aftosa orais ou genitais; dermatite, incluindo eritema nodoso; tromboflebite; ou epididimite. Pode-se fazer a biopsia de aftas orais para mostrar uma vasculite oclusiva. Não existem exames laboratoriais para a doença de Behçet, mas está associada a HLA-B51.

O tratamento com corticoides locais e sistêmicos e um fármaco cicloplégico-midriático pode aliviar as exacerbações agudas, mas a maioria dos pacientes com o tempo requer corticoides sistêmicos e um fármaco imunossupressor não corticosteroide para controlar a inflamação e evitar as complicações graves de longo prazo do tratamento com corticoides. Agentes biológicos como interferons e inibidores do fator de necrose de tumor foram eficazes em pacientes selecionados que não respondem a outras terapias. Os alquilantes (como a ciclosporina e a clorambucila) induziram remissão nos pacientes.

Doença de Vogt-Koyanagi-Harada (VKH)

A doença de Vogt-Koyanagi-Harada é uma doença sistêmica pouco comum caracterizada por uveíte acompanhada de alterações cutâneas e neurológicas. A doença de VKH é particularmente comum em pessoas de ascendência indiana, asiática, indiana asiática e norte-americana. Mulheres em seus 20 e 30 anos são mais afetadas do que homens. A etiologia é desconhecida, embora uma reação autoimune direcionada contra células contendo melanina no trato uveal, pele, orelha interna e meninges seja fortemente suspeita.

Sintomas neurológicos tendem a ocorrer mais cedo e incluem zumbido, disacusia (agnosia auditiva), vertigem, cefaleia e meningismo. Frequentemente há achados cutâneos tardio, como vitiligo irregular (especialmente comum nas pálpebras, região lombar e glútea), poliose (um tufo localizado de cabelos brancos que pode comprometer os cílios) e alopecia, muitas vezes atingindo a cabeça e o pescoço. Resultados comuns incluem descolamento seroso da retina, edema de disco óptico e coroidite. Complicações a longo prazo incluem catarata, glaucoma, fibrose sub-retiniana e neovascularização de coroide.

O tratamento precoce é feito com corticoides tópicos e sistêmicos e um cicloplégico-midriático. Muitos pacientes também exigem imunossupressores não esteroides (p. ex., metotrexato, micofenolato de mofetila).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como irrigar o olho
Vídeo
Como irrigar o olho
Glaucoma
Vídeo
Glaucoma
Dentro do olho há duas câmaras cheias de líquido. Líquido intraocular, ou líquido ocular,...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS