honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Proptose

(Exoftalmia)

Por

Christopher J. Brady

, MD, Wilmer Eye Institute, Retina Division, Johns Hopkins University School of Medicine

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Proptose é a protrusão do globo ocular. Exoftalmia significa a mesma coisa, e este termo é geralmente usado para descrever proptose decorrente de doença de Graves. Os distúrbios que podem provocar mudanças na aparência da face e dos olhos que se assemelham à proptose incluem hipertiroidismo sem doença ocular infiltrativa, doença de Cushing e obesidade grave.

Etiologia

A causa mais comum em adultos é a doença de Graves (ver tabela Algumas causas de proptose), que causa edema e infiltrado linfoide nos tecidos da órbita.

A causa mais comum nas crianças é a celulite orbital.

Tabela
icon

Algumas causas de proptose

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica

Sintomas oculares: dor ocular, lacrimejamento, olhos secos, irritação, fotofobia, fraqueza muscular ocular causando diplopia, perda de visão causada pela compressão do nervo óptico

Sinais e sintomas sistêmicos: palpitação, ansiedade, aumento do apetite, perda ponderal, insônia, gota, mixedema pré-tibial (ver Hipertireoidismo)

Testes de função da tireoide

Às vezes TC ou RM

Fístula do seio cavernoso carotídeo ou dural

Proptose pulsante com um sopro orbitário

Angiografia por ressonância magnética

Cefaleia, oftalmoplegia, ptose, diminuição da acuidade visual, febre

TC ou RM

Lacrimejamento, blefarospasmo, vermelhidão

Medição da pressão intraocular e fundoscopia pelo oftalmologista

Vermelhidão, febre, dor, acuidade visual prejudicada, movimentos extraoculares deficientes ou dolorosos

Geralmente unilateral

TC ou RM

Tumores orbitários (p. ex., linfoma, hemangioma, malformações vasculares)

Diminuição da acuidade visual, diplopia, dor

RM ou TC

Hemorragia retrobulbar, síndrome do compartimento orbital

Diminuição da acuidade visual, diplopia, dor, oftalmoplegia, fatores de risco

TC imediata ou tratamento com base em achados clínicos

Meningioma esfeno-orbitário

Dor, cefaleia, alterações de campo visual, oftalmoplegia

RM ou TC

Avaliação

A velocidade do início pode fornecer uma dica para o diagnóstico. Início unilateral súbito sugere hemorragia intraorbital (que pode ocorrer após cirurgia, hiperemia retrobulbar ou trauma) ou inflamação da órbita ou dos seios paranasais. Início de 2 a 3 semanas sugere inflamação crônica ou pseudotumor orbitário (infiltração e proliferação celular não neoplásica); início mais lento sugere um tumor orbitário.

Os achados de exames oculares típicos de hipertireoidismo, mas sem relação com a doença infiltrativa do olho, incluem retração palpebral, atraso no fechamento da pálpebra, alargamento temporal da pálpebra superior e olhar fixo. Outros sinais incluem eritema nas pálpebras e hiperemia conjuntival. A exposição prolongada maior que o usual de zonas do globo ocular para o ar provoca a secagem da córnea e pode levar a infecções e ulceração.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Dor ou rubor nos olhos

  • Cefaleia

  • Perda de visão

  • Diplopia

  • Febre

  • Proptose pulsante

  • Proptose neonatal

Exames

Proptose pode ser confirmada com exoftalmometria, que mede a distância entre os ângulos laterais do osso da órbita e córnea; valores normais são < 20 mm em brancos e < 22 mm em negros. TC ou RM é muitas vezes útil para confirmar o diagnóstico e para identificar as causas estruturais da proptose unilateral. Teste de função da tireoide é indicado quando se suspeita de doença de Graves.

Tratamento

Lubrificação para proteger a córnea é necessária em casos graves. Quando a lubrificação não é suficiente, uma cirurgia para fornecer uma melhor cobertura da superfície do olho ou para reduzir a proptose pode ser necessária. Corticoides sistêmicos (p. ex., prednisona 1 mg/kg VO uma vez ao dia durante 1 semana, reduzida ao longo de 1 mês) são frequentemente úteis no controle do edema e congestão orbitária devido à doença da tireoide no olho ou pseudotumor inflamatório orbitário. Outras intervenções variam de acordo com a etiologia. Exoftalmo de Graves não é afetado pelo tratamento da tireoide, mas pode diminuir ao longo do tempo. Tumores devem ser removidos cirurgicamente. Embolização seletiva pode ser eficaz em casos de fístulas arteriovenosas envolvendo o seio cavernoso.

Pontos-chave

  • A causa mais comum da proptose bilateral em adultos é a doença de Graves.

  • A proptose unilateral aguda sugere infecção ou doença vascular (p. ex., hemorragia, fistula, trombose do seio cavernoso).

  • A proptose unilateral crônica sugere tumor.

  • Fazer TC ou RM e teste de função da tireoide quando há suspeita de doença de Graves.

  • Aplicar lubrificação à córnea exposta.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS