Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Visão geral dos distúrbios adrenais

Por

Ashley B. Grossman

, MD, University of Oxford; Fellow, Green-Templeton College

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

As glândulas suprarrenais, localizadas no polo cefálico de cada um dos rins (ver figura: glândulas suprarrenais), são formadas por

  • Córtex

  • Medula

Córtex suprarrenal e a medula suprarrenal, cujas funções endócrinas são distintas.

Glândulas adrenais

Glândulas adrenais

Córtex adrenal

O córtex adrenal produz

  • Glicocorticoides (principalmente cortisol)

  • Mineralocorticoides (principalmente aldosterona)

  • Androgênios (principalmente desidroepiandrosterona e a androstenediona)

Glicocorticoides que promovem e inibem a transcrição gênica em várias células, órgãos e sistemas. Os efeitos proeminentes incluem ações anti-inflamatórias e aumento da gliconeogênese hepática.

Mineralocorticoides que regulam o transporte de eletrólitos nos epitélios, particularmente a conservação renal de sódio em troca do potássio.

A principal ação fisiológica dos androgênios suprarrenais ocorre após a conversão em testosterona e diidrotestosterona.

A fisiologia do sistema hipotálamo-hipófise-adrenal é descrita em mais detalhes em outras partes.

Medula adrenal

A medula adrenal é constituída de células cromafins, as quais sintetizam e secretam catecolaminas (principalmente adrenalina e menores quantidades de noradrenalina). As células cromafins também produzem aminas bioativas e peptídios (p. ex., histamina, serotonina, cromograninas, hormônios neuropeptídios). Adrenalina e noradrenalina, as principais aminas efetoras do sistema nervoso simpático, são responsáveis pela resposta de “ataque ou fuga” (efeitos cronotrópicos e inotrópicos sobre o coração; broncodilatação; vasoconstrição periférica e esplâncnica com vasodilatação muscular; efeitos metabólicos incluindo glicogenólise, lipólise e liberação de renina).

Síndromes clínicas

A maioria das síndromes de deficiência adrenal afeta a liberação de todos os hormônios adrenocorticais. A hipofunção pode ser primária (disfunção da própria glândula adrenal, como na doença de Addison) ou secundária (decorrente da falta de estímulo adrenal pela hipófise ou pelo hipotálamo, embora alguns especialistas se refiram à disfunção hipotalâmica como terciária).

A hiperfunção adrenal causa síndromes clínicas distintas, dependendo do hormônio envolvido:

Essas síndromes, com frequência, têm características que se sobrepõem.

A hiperfunção pode ser compensatória, como na hiperplasia adrenal congênita, ou decorrente de hiperplasia adquirida, adenomas ou adenocarcinomas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS