Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Fasciose plantar

(Fasciite plantar)

Por

Kendrick Alan Whitney

, DPM, Temple University School of Podiatric Medicine

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A fasciose plantar consiste em dor no local do anexo da fáscia plantar e do calcâneo (entesopatia calcânea), com ou sem dor ao longo da borda medial da fáscia plantar. O diagnóstico é principalmente clínico. O tratamento envolve músculos da panturrilha e exercícios de alongamento dos tecidos moles da sola do pé, ataduras noturnas, órteses e calçados com elevação apropriada do calcanhar.

As síndromes de dor na fáscia plantar têm recebido o nome de fasciite plantar; no entanto, devido ao fato de não ser geralmente inflamação, o termo “fasciose plantar” é mais correto. Outros termos utilizados são “dor da entesopatia calcânea” ou “síndrome do estímulo calcânea”; no entanto, talvez não tenha esporão ósseos no calcâneo. O distúrbio pode envolver alongamento agudo ou crônico, rompimento e degeneração da fáscia e dos anexos locais.

Etiologia

As causas reconhecidas da fasciose plantar incluem encurtamento ou contratura dos músculos da panturrilha e da fáscia plantar. Os fatores de risco de esse encurtamento incluem estilo de vida sedentário, ocupações que requeiram a posição sentada, arcos dos pés muito baixos ou muito altos e uso crônico de sapatos de salto alto. O distúrbio também é comum entre corredores e dançarinos e podem ocorrer em pessoas cujas ocupações envolvam ficar em pé ou andar em superfícies duras por períodos prolongados.

Distúrbios que podem estar associados a fasciose plantar são obesidade, artrite reumatoide, artrite reativa e artrite psoriática. Múltiplas infiltrações de corticoides podem contribuir quando causam mudança degenerativa da fáscia e possível perda do coxim adiposo de amortecimento da região subcalcânea.

Sinais e sintomas

A fasciose plantar é caracterizada por dor com suporte de peso na parte de baixo do calcanhar, particularmente ao se levantar pela manhã, o que normalmente cede em 5 a 10 minutos, retornando somente no final do dia. Ela frequentemente é pior quando se levanta o calcanhar (a fase propulsora da marcha) e depois de períodos de repouso. A dor aguda forte no calcanhar, especialmente com edema local leve, pode indicar rompimento fascial agudo. Alguns pacientes apresentam queimação ou dor forte ao longo da borda plantar medial do pé ao andar.

Diagnóstico

  • Dor reproduzida por pressão calcânea durante dorsiflexão

Outros distúrbios que causam dor no calcanhar podem parecer fasciose plantar:

  • A dor latejante no calcanhar, particularmente ao se tirar os sapatos, com calor ou edema, é mais sugestiva de bursite calcânea.

  • Dor aguda, forte no calcanhar com rubor e calor podem indicar gota.

  • A dor que irradia da região lombar até o calcanhar pode ser uma radiculopatia de S1 decorrente de herniação do disco L5.

A fasciose plantar é confirmada se a pressão do dedo aplicada ao calcâneo quando o pé está dorsiflexionado evocar dor. A dor fascial ao longo da borda plantar medial da fáscia também pode estar presente. Se os achados forem equivocados, uma demonstração do esporão calcaneo à radiografia pode dar suporte ao diagnóstico; no entanto, a ausência não descarta o diagnóstico, e estímulos visíveis podem não ser a causa dos sintomas da fasciose plantar. Também, com menos frequência, os esporões calcaneos aparecem definidos na radiografia, exibindo formação óssea macia e sugerindo espondiloartropatia (p. ex., espondilite anquilosante, artrite reativa). Na suspeita de rompimento fascial agudo, uma ressonância nuclear magnética deve ser feita.

Tratamento

  • Splint, alongamento e amortecimento ou órteses

Para aliviar o estresse e dor da fáscia, a pessoa pode dar passos menores e evitar andar descalço. Atividades que envolvem impacto nos pés, como correr, devem ser evitadas. Os tratamentos mais eficazes para fasciose plantar incluem o uso de amortecimento para o calcanhar e arco dentro do sapato e exercícios de alongamento e ataduras noturnas que alonguem a panturrilha e a fáscia plantar enquanto o paciente dorme. Órteses para os pés, pré-fabricadas ou feitas sob medida, também podem aliviar tensão e sintomas da fáscia. Outros tratamentos podem incluir modificações das atividades, AINEs, perda ponderal, no caso de pacientes obesos, massagem com aplicação de frio e gelo e infiltrações de corticoides ocasionais. Entretanto, como as infiltrações de corticoides podem predispor à fasciose plantar, muitos médicos limitam essa prática.

Para casos recalcitrantes, fisioterapia, corticoides orais e imobilização devem ser usados antes de se considerar a intervenção cirúrgica. Uma nova forma de tratamento para os tipos recalcitrantes da fasciose plantar é a terapia de ativação de pulso extracorpóreo (TAPE), na qual ondas de pulso de baixa frequência locais são aplicadas por meio de um aplicador manual. A onda de pressão pulsada é uma técnica segura e não invasiva que estimula o metabolismo e aumenta a circulação sanguínea, o que ajuda a regenerar o tecido danificado e acelerar a cicatrização. TAPE é usada nos principais centros médicos (1).

Referência sobre o tratamento

1. Gerdesmeyer L, Frey C, Vester J, et al: Radial extracorporeal shock wave therapy is safe and effective in the treatment of chronic recalcitrant plantar fasciitis: Results of a confirmatory randomized placebo-controlled multicenter study. Am J Sports Med 36:2100–2109, 2008. doi: 10.1177/0363546508324176.

Pontos-chave

  • A fasciose plantar envolve várias síndromes que causam dor na fáscia plantar.

  • Vários fatores de estilo de vida e distúrbios aumentam o risco, resultando em encurtamento dos músculos da panturrilha e da fáscia plantar.

  • Dor na parte inferior do calcanhar piora com descarga de peso, particularmente ao levantar o calcanhar e ao longo do dia.

  • Confirmar o diagnóstico reproduzindo a dor com pressão do calcâneo exercida pelo polegar durante a flexão dorsal.

  • Tratar primeiro com amortecimento para o calcanhar e arco dentro do sapato, exercícios de alongamento da panturrilha e ataduras à noite.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS