Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Herpes-zóster ótico

(Herpes geniculado; síndrome de Ramsay-Hunt)

Por

Lawrence R. Lustig

, MD,

  • Columbia University Medical Center and New York Presbyterian Hospital

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Herpes-zóster ótico é uma manifestação incomum do vírus herpes zoster que afeta os gânglios do VIII par craniano e o gânglio geniculado do VII par craniano (facial).

O herpes-zóster ("cobreira") é uma reativação da infecção pelo vírus da varicela zóster. Fatores de risco da reativação incluem imunodeficiência secundária a câncer, quimioterapia, radioterapia e infecção pelo HIV. Normalmente, o vírus permanece latente em um gânglio da raiz dorsal, e a reativação se manifesta como lesões cutâneas dolorosas que acompanham uma distribuição dermatômica. Mas raramente o vírus permanece latente no gânglio geniculado e na reativação provoca sintomas que envolvem o VII e VIII pares cranianos.

Sinais e sintomas

Os sintomas do herpes-zóster óptico incluem

  • Otalgia grave com vesículas na orelha

  • Paralisia facial transitória ou permanente (semelhante à paralisia de Bell)

  • Vertigem que dura dias ou semanas

  • Perda auditiva (que pode ser permanente ou que pode desaparecer completa ou parcialmente)

Vesículas surgem no pavilhão auricular e no meato auditivo externo, ao longo da distribuição do ramo sensorial do nervo facial. Os sintomas de meningoencefalite (p. ex., cefaleia, confusão, rigidez de nuca) são incomuns. Às vezes, outros pares cranianos estão envolvidos.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico do herpes-zoster óptico quase sempre é clínico. Se houver qualquer dúvida sobre a etiologia viral, pode-se coletar esfregaços vesiculares por imunofluorescência direta ou culturas virais e realiza-se RM para excluir outros diagnósticos.

Tratamento

  • Antivirais e corticosteroides

  • Descompressão cirúrgica do canal falopiano para paralisia facial completa

Embora não haja nenhuma evidência confiável de que corticoides, fármacos antivirais ou descompressão cirúrgica façam a diferença, eles são os únicos tratamentos possivelmente úteis. Quando utilizados, corticoides são iniciados com prednisona 60 mg VO uma vez ao dia durante 4 dias, seguido por diminuição gradual da dose para as próximas 2 semanas. Aciclovir 800 mg VO 5 vezes ao dia ou valaciclovir 1 g VO bid por 10 dias pode encurtar o curso clínico e é rotineiramente prescrito para pacientes imunocomprometidos.

A vertigem é efetivamente suprimida com diazepam 2 a 5 mg VO a cada 4 ou 6 h. A dor pode exigir o uso de opioides orais. A neuralgia pós-herpética pode ser tratada com amitriptilina.

Pode-se indicar descompressão cirúrgica do canal falopiano se a paralisia facial estiver completa (sem movimento facial visível), mas deve-se realizá-la 2 semanas depois do início da paralisia facial para que seja eficaz. Antes da cirurgia, porém, eletroneurografia é feita e deve mostrar decréscimo > 90%.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS