Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Tinea Capitis

(Tinha da cabeça)

Por

Denise M. Aaron

, MD, Dartmouth-Hitchcock Medical Center

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É uma infecção por dermatófitos no couro cabeludo.

A tinha da cabeça é uma dermatofitose que afeta principalmente crianças, é contagiosa e pode ser epidêmica. O agente etiológico mais comum nos EUA é Trichophyton tonsurans, seguido por Microsporum canis e M. audouinii; outras Trichophyton sp (p. ex., T. schoenleinii,T. violaceum) são comuns em outras regiões.

O aspecto clínico da tinha da cabeça consiste em placas arredondadas com descamação seca e/ou alopecia. Infecção por T. tonsurans causa tinea enegrecida, em que os fios de cabelo se quebram na superfície do couro cabeludo; infecção por M. audouinii causa tinea com manha cinza, em que os fios de cabelo se quebram acima da superfície, deixando tufos curtos. A tinha da cabeça poucas vezes se manifesta como descamação difusa, tal como caspa, ou pústulas disseminadas.

Quérion

A infecção por dermatófito ocasionalmente leva à formação do quérion, que representa uma grande massa inflamatória e espessa, resultante de uma reação inflamatória intensa ao dermatófito. Um quérion pode ter pústulas e crostas e pode ser confundido com abscesso. Um quérion pode resultar na perda de cabelo com cicatriz.

Diagnóstico

  • Aparência clínica

  • Exame micológico (hidróxido de potássio)

  • Algumas vezes, exame com lâmpada de Wood e às vezes cultura

A tinha da cabeça é diagnosticada pelo aspecto clínico e exame micológico (hidróxido potássio) dos pelos arrancados ou pelos e escamas obtidos por raspagem ou escovação. O tamanho do esporo e sua aparência dentro (endotrix) ou fora (ectotrix) do pelo distingue o organismo, auxiliando na escolha do tratamento.

Fluorescência azul-esverdeada durante um exame com luz de Wood é diagnóstica para infecção por M. canis e M. audouinii, podendo também distinguir tinha de eritrasma.

Cultura fúngica dos pelos arrancados pode ser feita quando necessário. Lesão do couro cabeludo em uma criança similar a um abcesso pode ser um quérion; se necessário, culturas podem ajudar a fazer a distinção.

Dicas e conselhos

  • Antes de drenar um abcesso do couro cabeludo em uma criança, considerar o diagnóstico de quérion.

Diagnóstico diferencialda Tinea capitis:

Tratamento

  • Antifúngicos orais

  • Xampu de sulfeto de selênio

  • Prednisona ocasionalmente

O tratamento das crianças é com suspensão de griseofulvina micronizada, 10 a 20 mg/kg VO uma vez ao dia (as doses variam por diversos parâmetros, mas a dose máxima é, em geral, de 1 g/dia), ou em crianças com > 2 anos, griseofulvina micronizada na dose de 5 a 10 mg/kg (máximo 750 mg/dia), administrada uma vez ao dia ou dividida em 2 doses com as refeições ou leite, por 4 a 6 semanas ou até desaparecerem os sinais de infecção. Terbinafina pode também ser usada. Crianças < 20 kg recebem terbinafina 62,5 mg VO uma vez ao dia; aquelas com 20 a 40 kg, 125 mg VO uma vez ao dia e aquelas com > 40 kg, 250 mg VO uma vez ao dia.

Creme imidazol ou ciclopirox deve ser aplicado ao couro cabeludo para impedir a propagação, especialmente para outras crianças, até que a tinea da cabeça seja curada; shampoo de sulfeto de selênio a 2,5% também deve ser usado pelo menos 2 vezes por semana. As crianças podem ir à escola durante o tratamento.

Em adultos, trata-se com terbinafina, 250 mg VO uma vez ao dia, durante 2 a 4 semanas, sendo mais eficaz nas infecções do tipo endotrix, ou itraconazol, 200 mg, uma vez ao dia, por 2 a 4 semanas, ou 200 mg bid, alternando 1 semana de tratamento com 3 semanas sem medicação, por 2 a 3 meses.

Se a lesão estiver muito inflamada e houver quérion, adiciona-se um breve curso de corticoterapia com prednisona, iniciando com 40 mg VO, 1 vez/dia (1 mg/kg em crianças) para diminuir os sintomas e talvez evitar a possibilidade de cicatriz residual, diminuindo a dose por 2 semanas.

Pontos-chave

  • A tinha da cabeça acomete na maioria das vezes crianças e pode ser contagiosa e epidêmica.

  • Confirmar a tinea da cabeça com exame micológico (hidróxido de potássio), cultura fúngica ou, às vezes, exame com luz de Wood.

  • Tratar com griseofulvina ou terbinafina oral mais um antifúngico tópico.

  • Acrescentar um curso curto de prednisona oral para quérion ou inflamação grave.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS