Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Eritema multiforme

Por

Mercedes E. Gonzalez

, MD,

  • Clinical Assistant Professor of Dermatology
  • University of Miami Miller School of Medicine
  • Clinical Assistant Professor of Dermatology
  • Florida International University Herbert Wertheim College of Medicine
  • Medical Director
  • Pediatric Dermatology of Miami

Última modificação do conteúdo jul 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

O eritema multiforme (EM) é uma reação inflamatória, caracterizada por lesões de pele em “íris” ou em “alvo”. A mucosa oral pode estar envolvida. O diagnóstico é clínico. As lesões regridem de forma espontânea, mas com frequência recidivam. O EM geralmente pode ser decorrente de reação a um agente infeccioso por HVS ou micoplasma, mas pode ser uma reação a um fármaco. Terapia antiviral supressiva é indicada em pacientes com recorrência frequente e/ou assintomática por HVS.

Acreditou-se por muitos anos que eritema multiforme representasse uma forma mais leve de um quadro de hipersensibilidade a fármacos, que incluiria a síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica. Recentes evidências sugerem que o EM seja diferente dessas doenças.

Etiologia

A maioria dos casos é provocada por

HSV-1 tem relação causal mais forte do que HSV-2, embora não esteja claro se lesões por EP representem uma reação específica ou inespecífica ao vírus. Acredita-se atualmente que o EM seja causado por uma reação citolítica mediada por células T aos fragmentos de DNA do HSV, presentes nos queratinócitos. Presume-se disposição genética dado que EM é uma manifestação clínica muito rara da infecção por HSV, e vários subtipos de HLA foram associados à predisposição a desenvolver lesões.

Menos comumente, os casos são provocados por fármacos, vacinas, outras doenças bacterianas ou virais (especialmente hepatite C) ou, possivelmente, lúpus eritematoso sistêmico. O EM que ocorre em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico é às vezes chamado síndrome de Rowell.

Sinais e sintomas

Eritema multiforme se manifesta por início súbito de máculas eritematosas, pápulas, urticas, vesículas e/ou bolhas assintomáticas, ou combinadas nas extremidades distais (frequentemente incluindo palmas e plantas) e face. A lesão clássica é anular, com centro violáceo e um halo róseo separado por um anel pálido (lesão alvo ou da íris). A distribuição é simétrica e centrípeta; a disseminação para o tronco é comum. Alguns pacientes têm coceira.

Lesões orais incluem lesões em alvo nos lábios e vesículas e erosões no palato e na gengiva.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico do eritema multiforme é pelo aspecto clínico; biópsia é raramente necessária.

O diagnóstico diferencial compreende urticária, vasculite, penfigoide bolhoso, pênfigo, dermatose IgA linear, dermatose neutrofílica febril aguda e dermatite herpetiforme.

Lesões orais devem ser diferenciadas de estomatite aftosa, pênfigo, estomatite herpética e doença mão-pé-e-boca.

Em pacientes com máculas purpúreas disseminadas, bolhas e acentuado acometimento do tronco e face é provável já se tratar de síndrome de Stevens-Johnson em vez de eritema multiforme.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

  • Algumas vezes, antivirais profiláticos

Eritema multiforme regride espontaneamente, assim, em geral, tratamento não é necessário. Corticoides tópicos e anestésicos melhoram os sintomas e tranquilizam os pacientes. A recidiva é comum, podendo-se tentar empiricamente a terapia de manutenção oral com aciclovir, 400 mg VO a cada 12 h; fanciclovir, 250 mg VO a cada 12 h, ou valaciclovir, 1000 mg VO a cada 24 h, se os sintomas recidivarem mais de 5 vezes ao ano ou há suspeita de associação com HVS e as recorrências do EM forem precedidas por surtos héticos.

Pontos-chave

  • Em geral, eritema multiforme costuma ser desencadeado por HSV, embora possa ser causado por fármacos.

  • Lesões alvo e lesões nas palmas das mãos e plantas dos pés podem ser achados relativamente específicos.

  • Biópsia raramente é necessária.

  • Tratar o EM fornecendo suporte e considerar fármacos antivirais profiláticos se HSV é a causa suspeita e as recidivas são frequentes.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS