Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Relações íntimas e idosos

Por

Daniel B. Kaplan

, PhD, LICSW, Adelphi University School of Social Work;


Barbara J. Berkman

, DSW, PhD, Columbia University School of Social Work

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais

O desejo de relações íntimas não diminui com a idade, e não há idade na qual as relações íntimas, incluindo físicas, sejam impróprias. Entretanto, as disfunções e alterações emocionais que frequentemente ocorrem com a idade podem interferir no desenvolvimento e manutenção de um relacionamento íntimo. A idade também pode alterar o modo como a intimidade é demonstrada. Estudos mostraram que pessoas que permanecem ativas e que interagem com outras pessoas durante a idade avançada vivem mais, mais felizes e têm vida mais saudável. Trabalho voluntário, cursos, grupos sociais, novos passatempos e seguir algum tipo de prática religiosa ou espiritual são sempre formas de manter-se conectado. Mesmo as pessoas que estão confinadas em suas casas devido a doenças podem manter-se conectadas recebendo visitas ou se comunicando por telefone ou e-mail.

As relações íntimas, especialmente as físicas, podem se perder devido à:

  • Perda do cônjuge: perda ou ausência do cônjuge é provavelmente a barreira mais comum relacionada à idade no que se refere às relações íntimas.

  • Transtornos: vários distúrbios que se tornam mais comuns com a idade podem interferir com as relações íntimas. Distúrbios vasculares e diabetes podem causar disfunção erétil. A artrite pode limitar os movimentos e torná-los dolorosos. A dor, o desconforto, os medicamentos e a preocupação associados com o distúrbio diminuem o desejo de relações íntimas. Comprometimento cognitivo e demência podem complicar questões de consentimento e bem-estar no que se refere a intimidade. Para o cônjuge, o estresse e a demanda de cuidado podem interferir com a intimidade.

  • Uso de medicamentos: os idosos são mais propensos a tomar medicamentos (medicamentos para hipertensão arterial ou que afetam as funções cerebrais) que podem causar problemas que afetam as relações íntimas (por exemplo, disfunção erétil ou diminuição da libido).

  • Mudanças relacionadas com a idade: os níveis de hormônios sexuais diminuem causando mudanças que tornam as relações íntimas incômodas ou difíceis. Por exemplo, o revestimento vaginal pode se afinar (atrofiar), e a lubrificação vaginal pode reduzir-se. A libido pode diminuir.

  • Relutância em conversar sobre os efeitos da idade: os idosos que desenvolvem problemas que interferem com a intimidade física ou que se sentem constrangidos com as mudanças de seus corpos (por exemplo, rugas ou flacidez) podem relutar em conversar sobre essas mudanças com seu parceiro ou com seu médico.

  • Discrepância nas expectativas dos cônjuges: um cônjuge pode querer certas expressões físicas de intimidade, mas o outro não.

  • Falta de privacidade: os idosos que vivem com familiares ou em uma residência clínica para a terceira idade têm poucas oportunidades de privacidade, as quais são necessárias para a intimidade física.

  • Mudar para outras formas de intimidade: as paixões podem amadurecer após anos de vida em comum. As relações sexuais podem se tornar menos frequentes ou terminar. Muitos casais — a maioria sem prestar muita atenção a isso — desenvolvem outras formas de intimidade (como o toque, massagens, beijos ou expressões verbais de afeto) que expressam familiaridade, carinho ou compromisso com seu cônjuge.

No entanto, muitos idosos continuam tendo um relacionamento sexual saudável. A intimidade, particularmente a intimidade física, pode ajudar a prevenir a depressão e a melhorar a autoestima e a saúde física. Idosos que têm um novo parceiro sexual devem praticar sexo seguro. Mais idosos estão adquirindo doenças sexualmente transmissíveis, incluindo AIDS. Essas infecções são um risco, apesar da idade.

Muitos idosos, especialmente aqueles que vivem sozinhos, encontram satisfação e um sentido de parceria em interações com um animal de estimação. Cuidar de um animal de estimação confere uma sensação de propósito e conexão.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Continuidade de cuidados
Vídeo
Continuidade de cuidados

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS