Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Rejeição à escola

Por

Stephen Brian Sulkes

, MD, Golisano Children’s Hospital at Strong, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa mar 2020| Última modificação do conteúdo mar 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos

A rejeição à escola é um distúrbio que afeta crianças em cidade escolar que, devido a ansiedade, depressão ou outros fatores sociais, evitam ir à escola porque fazê-lo causa estresse.

  • Alguns fatores psicológicos e sociais podem causar a rejeição à escola.

  • As crianças podem simular doenças e inventar desculpas para evitar ir para a escola.

  • Para poder reestabelecer a frequência regular na escola, recomenda-se uma comunicação aberta entre a criança, os pais e os funcionários da escola.

  • Algumas vezes, terapia psicológica pode ser necessária.

A rejeição à escola ocorre em cerca de 5% de todas as crianças em idade escolar e afeta meninas e meninos igualmente. Ela geralmente ocorre entre os cinco e os onze anos de idade.

A causa da rejeição à escola muitas vezes é pouco clara, mas fatores psicológicos (por exemplo, estresse, ansiedade e depressão; consulte também Considerações gerais sobre distúrbios da saúde mental em crianças) e fatores sociais (por exemplo, não ter amigos, sentir-se rejeitado pelos colegas ou sofrer bullying) podem contribuir. Se a rejeição à escola se agravar ao ponto de a criança estar faltando muito à escola, isso pode ser o sinal de um problema mais grave, como transtorno de depressão ou um ou mais transtornos de ansiedade, particularmente transtorno de ansiedade social, transtorno de ansiedade de separação e/ou transtorno de pânico. Crianças sensíveis podem estar reagindo de maneira exagerada à severidade ou às recriminações de um professor. Crianças mais novas tendem a simular doenças ou inventar desculpas para evitar a escola. As crianças podem se queixar de uma dor de estômago, náusea ou outros sintomas para justificar a permanência em casa. Algumas se recusam diretamente a ir à escola. Alternativamente, as crianças podem ir à escola sem dificuldades, mas tornam-se ansiosas ou desenvolvem vários sintomas durante o dia escolar, com frequência indo regularmente à enfermaria. Esse comportamento é diferente do dos adolescentes, que podem decidir não frequentar a escola (o que se chama absenteísmo ou “cabular aula” – {blank} Problemas escolares em adolescentes). As crianças que faltam aulas com frequência geralmente têm um distúrbio comportamental.

Em crianças sem um transtorno psicológico sério, a rejeição à escola tende a resultar de

  • Desempenho acadêmico ruim

  • Dificuldades familiares

  • Dificuldades com colegas

A maioria das crianças se recupera da rejeição à escola, embora algumas a desenvolvam novamente após uma doença real ou período de férias.

O ensino em casa geralmente não é uma solução. As crianças que evitam a escola devem retornar à escola imediatamente, de modo que seu desempenho escolar não fique atrasado. Caso a rejeição à escola seja tão intensa a ponto de interferir na atividade da criança e caso ela não responda ao simples reconforto de pais e professores, a criança pode precisar ser vista por um profissional de saúde mental.

Tratamento

  • Comunicação com os funcionários da escola

  • Comparecimento diário à escola

  • Às vezes, psicoterapia

O tratamento da rejeição à escola deve incluir comunicação entre os pais e os funcionários da escola, comparecimento diário à escola e, por vezes, psicoterapia incluindo a família e a criança com um profissional de saúde mental. A terapia inclui tratamento dos distúrbios de base, adaptação do currículo escolar para crianças com problemas de aprendizagem ou outras necessidades educativas especiais e técnicas de comportamento para lidar com os estresses da escola.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS