Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Cistinúria

Por

Christopher J. LaRosa

, MD, Perelman School of Medicine at The University of Pennsylvania

Última revisão/alteração completa set 2019| Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A cistinúria é um distúrbio renal hereditário raro que resulta na eliminação do aminoácido cistina na urina, o que muitas vezes causa a formação de cálculos de cistina nas vias urinárias.

A cistinúria é o resultado de um defeito hereditário dos túbulos renais. O defeito faz com que as pessoas excretam quantidades excessivas do aminoácido cistina na urina. A cistina em excesso leva à formação de cálculos renais de cistina nos rins, na bexiga, na pelve renal (área onde a urina que sai do rim se acumula) ou nos ureteres (tubos estreitos e compridos que transportam a urina dos rins para a bexiga). Ocasionalmente, ocorre o desenvolvimento de insuficiência renal.

Existem dois anomalias genéticas que causam a maioria dos cistinúria. Os genes são recessivos, portanto as pessoas com o distúrbio precisam ter herdado dois genes anômalos, um de cada progenitor ( Distúrbios recessivos sem ligação X (autossômicos)).

Às vezes, uma pessoa que tem apenas um gene anormal (um portador), como um dos pais de uma pessoa que tem cistinúria, podem excretar maiores do que quantidades normais de cistina na urina, mas quase nunca suficiente para formar cálculos de cistina.

Em geral, meninos são mais afetados do que meninas.

Visualização do trato urinário

Visualização do trato urinário

Sintomas

Embora os sintomas da cistinúria possam aparecer em bebês, eles normalmente começam entre 10 e 30 anos de idade. Geralmente, o primeiro sintoma é uma dor intensa provocada por um espasmo do ureter, onde ficou alojado um cálculo. O cálculo também pode se tornar um local onde as bactérias se acumulam, podendo causar infecção do trato urinário ou, com menos frequência, insuficiência renal.

Diagnóstico

  • Análise de cálculos renais

  • Exames de urina

O médico realiza exames para detectar a cistinúria quando a pessoa apresenta cálculos renais recorrentes. Cálculos que foram coletados são analisados.

Os cristais de cistina podem ser detectados durante um exame microscópico da urina (urinálise) e quando uma concentração elevada de cistina é encontrada na urina.

Tratamento

  • Aumentar a ingestão de líquidos

  • Diminuir a ingestão de sal e proteína na dieta

  • Medicamentos que tornam a urina mais alcalina

  • Medicamentos para dissolver a cistina

O tratamento da cistinúria consiste na prevenção da formação de cálculos de cistina mantendo uma baixa concentração de cistina na urina. Para tal, a pessoa precisa beber líquidos suficientes para produzir, pelo menos, 3 a 4 litros de urina por dia. No entanto, durante a noite, quando a pessoa não ingere líquidos, uma quantidade menor de urina é produzida, tornando mais provável a formação de cálculos. Esse risco é reduzido ingerindo-se líquidos antes de se deitar.

Outro ponto importante do tratamento implica a ingestão de citrato de potássio ou de bicarbonato de potássio e, às vezes, de acetazolamida para tornar a urina mais alcalina (ou seja, menos ácida), já que a cistina se dissolve com maior facilidade na urina alcalina do que na ácida. Os esforços realizados para aumentar o consumo de água e conseguir uma urina mais alcalina podem levar a uma distensão abdominal, tornando o tratamento mais difícil de tolerar para algumas pessoas. Consumir menos sal e proteína pode ajudar a diminuir a concentração de cistina na urina.

Se os cálculos renais persistirem apesar dessas medidas, pode-se administrar alguns medicamentos, como a penicilamina, a tiopronina ou o captopril. Esses medicamentos reagem com a cistina, mantendo-a dissolvida. A penicilamina é eficaz em manter uma baixa concentração de cistina na urina, mas ela é tóxica, portanto, os médicos administram suplementos de vitamina B6 (piridoxina) para pessoas tomando penicilamina. A tiopronina pode ser usada no lugar da penicilamina no tratamento de algumas crianças, pois a frequência de efeitos colaterais é menor com este medicamento. O captopril é um pouco menos eficaz do que a penicilamina, mas é menos tóxico. Embora os tratamentos quase sempre sejam eficazes, existe um risco um tanto alto de continuação da formação de cálculos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como tirar a temperatura de um bebê ou de uma criança
Vídeo
Como tirar a temperatura de um bebê ou de uma criança
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística pulmonar
Modelo 3D
Fibrose cística pulmonar

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS