Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Deficiência do hormônio do crescimento

Por

Andrew Calabria

, MD, Perelman School of Medicine at The University of Pennsylvania

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

Deficiência do hormônio do crescimento ocorre quando a hipófise não produz uma quantidade suficiente de hormônio do crescimento.

  • Deficiência do hormônio do crescimento é a deficiência mais comum de hormônios hipofisários e é acompanhada por crescimento total insuficiente e baixa estatura.

  • Outros sintomas de deficiência do hormônio do crescimento dependem da idade da criança e da causa da deficiência.

  • Na maioria das vezes, os médicos não encontram uma causa para a deficiência do hormônio do crescimento, mas às vezes, ela é causada por um distúrbio congênito ou tumor cerebral.

  • O diagnóstico se baseia no exame físico, análise de tabelas de crescimento da criança e em exames que podem incluir radiografias, exames de sangue, testes genéticos, exames de estimulação e exames de imagem.

  • O tratamento normalmente inclui terapia de reposição hormonal.

Os hormônios são mensageiros químicos que afetam a atividade de outra parte do corpo. O hormônio do crescimento regula o crescimento e o desenvolvimento físico e é produzido pela hipófise, que fica localizada na base do cérebro.

Hipófise: A glândula mestra

A hipófise, uma glândula do tamanho de uma ervilha localizada na base do cérebro, produz diversos hormônios. Cada um destes hormônios afeta uma parte específica do corpo (órgão-alvo ou tecido-alvo). Visto que a hipófise controla a função da maioria das outras glândulas endócrinas, ela é frequentemente conhecida como glândula mestra.

Hipófise: A glândula mestra

Um crescimento anormalmente lento e baixa estatura com proporções normais podem resultar se a hipófise não produzir uma quantidade suficiente de hormônio do crescimento. Crianças que têm deficiência de hormônio do crescimento também podem ter deficiência de outros hormônios hipofisários, como o hormônio estimulante da tireoide, hormônio adrenocorticotrófico, hormônio folículo-estimulante e hormônio luteinizante (este distúrbio é chamado de hipopituitarismo).

A baixa estatura é definida como altura abaixo do 3º percentil para a idade da criança (de acordo com as tabelas de crescimento padrão para a idade e altura). Além da deficiência no hormônio do crescimento, baixa estatura pode ocorrer por outros motivos. Por exemplo, a maioria das crianças e adolescentes com baixa estatura são baixos porque suas famílias são baixas ou porque seu estirão de crescimento ocorreu no final do intervalo normal para esse desenvolvimento. Algumas crianças são baixas devido ao baixo ganho de peso e nutrição inadequada ou porque têm certas doenças crônicas que afetam a tireoide, o coração, os pulmões, os rins ou os intestinos. Outras crianças têm distúrbios genéticos que afetam o crescimento ósseo.

Uma deficiência na produção do hormônio do crescimento costuma ter causa desconhecida, mas aproximadamente 25% dos casos têm uma causa identificável, incluindo

  • Doenças congênitas

  • Tumores ou lesões no cérebro

  • Radiação

  • Infecções (como meningite e tuberculose)

Sintomas

Os sintomas de deficiência do hormônio do crescimento dependem de diversos fatores, como a idade da criança e a causa.

As crianças apresentam baixas taxas de crescimento em geral, normalmente abaixo de 5 centímetros (2 polegadas) por ano, e a maioria tem baixa estatura, mas uma proporção normal entre a parte superior e inferior do corpo. Algumas crianças podem ter atraso no desenvolvimento dos dentes ou atraso na puberdade.

Outras anomalias podem estar presentes dependendo da causa da deficiência do hormônio do crescimento. Os recém-nascidos com deficiência do hormônio do crescimento podem ter baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia) ou outras anomalias congênitas, como um pênis pequeno (micropênis) em homens ou defeitos faciais (como fenda palatina). As crianças também podem apresentar sintomas de outras deficiências hormonais como hipotireoidismo.

Diagnóstico

  • A avaliação de um médico dos critérios de crescimento e antecedentes médicos de distúrbios que sabidamente causam o atraso no crescimento

  • Radiografias

  • Exames de sangue e outros exames de laboratório

  • Às vezes, testagem genética

  • Tomografia computadorizada ou ressonância magnética

  • Geralmente, testes de estímulo

As concentrações do hormônio do crescimento no sangue variam amplamente e não são tão úteis quanto as outras concentrações de hormônio para determinar por que o crescimento da criança está reduzido. Assim, os médicos fazem o diagnóstico com base em um conjunto de achados.

Primeiramente, os médicos medem a altura e o peso da criança e traçam as medições em gráficos de crescimento específicos para a idade para determinar se elas estão crescendo muito lentamente. Depois disso, eles frequentemente fazem radiografias dos ossos da mão. Essas radiografias podem mostrar se os ossos estão se desenvolvendo normalmente para a idade da criança. As crianças que são simplesmente baixas têm um desenvolvimento ósseo normal para sua idade. As crianças com deficiência do hormônio do crescimento apresentam atraso no desenvolvimento ósseo. O atraso no desenvolvimento ósseo também pode ocorrer em outros quadros clínicos, como no hipotireoidismo e na puberdade tardia.

É difícil para os médicos avaliar a produção do hormônio do crescimento porque ela varia durante o dia. Assim, a medição aleatória de concentrações do hormônio do crescimento frequentemente não é útil. Em vez disso, os médicos fazem exames de sangue para medir as concentrações de outras substâncias no sangue que são estimuladas pelo hormônio do crescimento. Essas substâncias incluem o fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 e a proteína 3 de ligação ao fator de crescimento semelhante à insulina. Contudo, essas substâncias podem ser afetadas por outros problemas de saúde, como hipotireoidismo, doença celíaca e desnutrição; portanto, o médico possivelmente realizará exames para descartar esses problemas de saúde.

Outros exames de laboratório são feitos para procurar por causas de crescimento prejudicado (como distúrbios na tireoide, sangue, rim e inflamatórios, e distúrbios imunológicos). Exames genéticos podem ser realizados se os médicos suspeitarem que a criança tem uma síndrome específica (como a síndrome de Turner).

Se os exames sugerirem que a criança tem um distúrbio da hipófise, podem ser feitos exames de imagem do cérebro por tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM) para procurar por anomalias estruturais na hipófise e tumores.

Se as crianças não tiverem outra causa para seu crescimento inadequado e as concentrações do hormônio do crescimento estiverem baixas, os médicos normalmente realizam um teste de estímulo. O exame de estimulação envolve administrar medicamentos que estimulam a produção do hormônio do crescimento, e depois medir as concentrações do hormônio do crescimento durante várias horas.

Tratamento

  • Reposição do hormônio do crescimento

  • Algumas vezes a reposição de outros hormônios

As crianças recebem injeções de hormônio do crescimento sintético. Os hormônios são administrados até que as crianças tenham alcançado uma altura aceitável ou até que as crianças não cresçam mais que aproximadamente 2,5 centímetros em um ano. Durante o primeiro ano de tratamento, as crianças podem crescer 10 a 12 centímetros, mas as respostas individuais variam. As crianças normalmente não apresentam efeitos colaterais da terapia hormonal de crescimento, mas algumas crianças desenvolvem hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebral), desvio epifisário da cabeça do fêmur e inchaço leve dos membros que normalmente se resolve rapidamente (edema periférico).

O hormônio do crescimento também pode ser usado para elevar a altura de crianças com baixa estatura, mas com hipófises funcionando normalmente; esse uso, porém, é controverso. Alguns pais acham que a baixa estatura é um distúrbio, mas muitos médicos não aprovam o uso do hormônio do crescimento nessas crianças. Independentemente da causa da baixa estatura, o hormônio do crescimento é eficaz somente se administrado antes de os ossos pararem de crescer.

Caso sejam identificados, tumores cerebrais podem ser removidos cirurgicamente, mas as crianças estão sob alto risco de apresentarem hipopituitarismo porque a cirurgia pode danificar a hipófise. Crianças com hipopituitarismo recebem hormônios para repor os hormônios ausentes (consulte Tratamento da hipofunção hipofisária).

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Administração de insulina
Vídeo
Administração de insulina
O diabetes é um quadro clínico que se desenvolve devido a concentrações elevadas de glicose...
Modelos 3D
Visualizar tudo
O resfriado comum
Modelo 3D
O resfriado comum

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS