Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Câncer de vulva

Por

Pedro T. Ramirez

, MD, The University of Texas MD Anderson Cancer Center;


Gloria Salvo

, MD, MD Anderson Cancer Center

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O câncer de vulva, que geralmente é um câncer de pele, se desenvolve na área em torno da abertura da vagina.

  • O câncer pode parecer um nódulo, uma área irritada ou uma ferida que não cicatriza.

  • Uma amostra do tecido anômalo é coletada e examinada (biópsia).

  • Toda ou parte da vulva e quaisquer outras áreas afetadas são removidas cirurgicamente.

  • A cirurgia reconstrutiva pode ajudar a melhorar a aparência e a função.

Nos Estados Unidos, o câncer de vulva (carcinoma vulvar) é o quarto câncer ginecológico mais comum, sendo responsável por 5% desses tipos de câncer. O câncer de vulva ocorre geralmente após a menopausa. A idade média de diagnóstico é de 70 anos. À medida que aumenta a expectativa de vida das mulheres, esse tipo de câncer se torna mais comum. Evidências recentes sugerem que o câncer de vulva está se tornando mais comum em mulheres mais jovens.

A vulva refere-se à área em torno da abertura da vagina. É ali que se encontram os órgãos reprodutores femininos externos.

Localização da vulva

Localização da vulva

A maioria dos casos de câncer de vulva são um tipo de câncer de pele que surge perto ou na abertura da vagina. Aproximadamente 90% dos casos de câncer de vulva são um carcinoma de células escamosas, que se desenvolve nas células planas que formam a camada mais externa da pele, e 5% dos casos são um melanoma que se desenvolve nas células produtoras de pigmento da pele (melanócitos). Os 5% restantes de casos incluem adenocarcinomas (que se desenvolvem a partir de células da glândula), carcinoma de célula basal (que raramente se dissemina) e alguns tipos de câncer raros, como o câncer da glândula de Bartholin.

O câncer de vulva começa na superfície da vulva. A maioria desses tipos de câncer cresce lentamente, permanecendo na superfície por muitos anos. No entanto, alguns tipos (por exemplo, melanoma) crescem rapidamente. O câncer de vulva não tratado pode acabar invadindo a vagina, a uretra ou o ânus e se disseminar até os linfonodos na pelve e abdômen e entrar na corrente sanguínea.

Fatores de risco

Os seguintes fatores aumentam o risco de ter câncer de vulva:

Sintomas

Vermelhidão ou alteração na cor da pele da vulva pode ser pré‑cancerosa (indicando a possibilidade de haver câncer no futuro).

O câncer de vulva geralmente causa saliências incomuns ou feridas planas, vermelhas ou com a cor de pele, que podem ser vistas e sentidas e que não curam. Às vezes, as feridas planas se tornam escamosas, descoloridas, ou as duas coisas. O tecido circundante pode se contrair e franzir. O melanoma pode ter uma coloração preto-azulada ou marrom e ser saliente. Algumas feridas parecem verrugas.

Muitas mulheres tiveram coceira na região vulvar por bastante tempo.

Normalmente, o câncer de vulva causa pouco desconforto, mas a coceira é comum. O caroço ou a ferida pode sangrar ou produzir uma secreção líquida (ferida úmida). Esses sintomas devem ser avaliados imediatamente por um médico.

Diagnóstico

  • Biópsia

O médico diagnostica o câncer de vulva ao coletar uma amostra da pele anômala e examinando-a (biópsia). A biópsia permite ao médico determinar se a pele anômala é cancerosa ou se apenas está infeccionada ou irritada. O tipo de câncer, se presente, também pode ser identificado, ajudando o médico a desenvolver um plano de tratamento. Se as anomalias da pele não estiverem bem definidas, o médico aplica corantes na área anômala para ajudar a determinar o local de coleta da amostra de tecido para biópsia. Alternativamente, o médico pode utilizar um instrumento com uma lente binocular (colposcópio) para examinar a superfície da vulva.

Estadiamento do câncer de vulva

O médico determina o estágio do câncer de vulva com base no seu tamanho, sua localização e no fato de ele ter ou não se disseminado até os linfonodos adjacentes, o que é determinado durante a cirurgia para remover o câncer. Os estágios variam de I (mais inicial) a IV (avançado).

  • Estágio I: O câncer está limitado à vulva ou períneo (a área entre o orifício vaginal e o ânus).

  • Estágio II: O câncer se disseminou até os tecidos adjacentes (a parte inferior da uretra e/ou da vagina ou até o ânus), mas não chegou aos linfonodos.

  • Estágio III: O câncer se disseminou até os linfonodos adjacentes, tendo ou não se disseminado até os tecidos adjacentes.

  • Estágio IV: O câncer se disseminou mais além, por exemplo, até a bexiga, a parte superior da vagina ou a uretra, o reto, linfonodos mais distantes ou para fora da pelve.

Prognóstico

Se o câncer de vulva for detectado e tratado precocemente, aproximadamente três em cada quatro mulheres não terão sinal de câncer cinco anos após o diagnóstico. A porcentagem de mulheres que continuam vivas cinco anos após o diagnóstico e tratamento (taxa de sobrevida de cinco anos) depende de o câncer ter se disseminado ou não e qual o grau de disseminação:

  • Estágio I: Mais de 90%

  • Estágio II: 80%

  • Estágio III: 50% a 60%

  • Estágio IV: Apenas aproximadamente 15%

O melanoma é mais propenso a se disseminar que o carcinoma de células escamosas.

Tratamento

  • Remoção de toda ou de uma parte da vulva

  • Geralmente, a remoção de linfonodos adjacentes

  • No caso de câncer mais avançado, radioterapia, frequentemente acompanhada de quimioterapia

Toda ou parte da vulva é removida cirurgicamente (um procedimento denominado vulvectomia). Os linfonodos adjacentes geralmente também são removidos. Porém, às vezes, o médico realiza uma dissecção de linfonodo sentinela (remoção do primeiro linfonodo que seria afetado pelo câncer).

Para poder identificar um linfonodo sentinela, o médico injeta um corante azul ou verde e/ou uma substância radioativa na vulva ao redor do tumor. Essas substâncias mapeiam o trajeto entre a vulva até o primeiro linfonodo (ou linfonodos) na pelve. Durante a cirurgia, o médico então verifica se existem linfonodos que têm cor azul ou verde ou que emitem um sinal radioativo (detectado por um aparelho portátil). O médico remove esse linfonodo e o envia para um laboratório para que ele seja examinado quanto à presença de câncer. Se não houver câncer, nenhum outro linfonodo precisará ser removido (exceto se eles estiverem com uma aparência anômala). Esse tratamento geralmente é suficiente no caso de câncer em estágio inicial. É possível que o médico remova um linfonodo sentinela em um ou ambos os lados da vulva, dependendo do tamanho do tumor.

No caso de câncer de vulva mais avançado, radioterapia muitas vezes acompanhada de quimioterapia (com cisplatina ou fluoruracila) costuma ser utilizada antes da vulvectomia. Tal tratamento pode reduzir o tamanho de tumores muito grandes, facilitando sua remoção. Às vezes, o clitóris e outros órgãos da pelve devem ser removidos.

No caso de câncer de vulva muito avançado, o tratamento pode incluir cirurgia para remover todos os órgãos pélvicos (um procedimento denominado exenteração pélvica), radioterapia e/ou quimioterapia. Esses órgãos incluem os órgãos reprodutores (vagina, útero, trompas de Falópio e ovários), a bexiga, a uretra, o reto e o ânus. Quais órgãos são removidos e se todos são removidos depende de muitos fatores, como a localização do câncer, a anatomia da mulher e seus objetivos após a cirurgia. Aberturas permanentes para urina (urostomia) e para fezes (colostomia) são feitas no abdômen para que esses resíduos possam sair do corpo e sejam coletados em sacos.

Após a remoção do câncer, a cirurgia para reconstruir a vulva e outras áreas afetadas (por exemplo, a vagina) pode ser realizada. Tal cirurgia pode melhorar a função e a aparência.

O médico trabalha em conjunto com a mulher para desenvolver um plano de tratamento que seja mais adequado para ela e leve em conta a idade, o estilo de vida sexual e eventuais outros problemas médicos. Geralmente relações sexuais são possíveis após a vulvectomia.

Uma vez que o carcinoma basocelular da vulva geralmente não se dissemina (passa por metástase) até locais distantes, a cirurgia geralmente envolve apenas a remoção do tumor. Toda a vulva é removida somente se o câncer for extensivo.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Adesivo para controle de natalidade
Vídeo
Adesivo para controle de natalidade
O sistema reprodutor feminino inclui o útero, as trompas de Falópio e os ovários. Os ovários...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Conteúdo da pelve feminina
Modelo 3D
Conteúdo da pelve feminina

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS