Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Varíola símia

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Avaliado clinicamente ago 2022
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Recursos do assunto

A varíola dos macacos é causada pelo vírus da varíola dos macacos, que está relacionado ao vírus da varíola e causa uma doença semelhante, mas geralmente mais leve.

  • A varíola dos macacos é causada pelo vírus da varíola dos macacos, que está relacionado ao vírus da varíola.

  • Erupção cutânea é o sintoma que mais se destaca.

  • O diagnóstico de varíola dos macacos é geralmente realizado por meio da coleta de uma amostra da lesão na pele e de testes para identificação de material genético (DNA) do vírus.

  • A vacina para a prevenção da varíola dos macacos está disponível.

  • O tratamento da varíola dos macacos é direcionado principalmente ao alívio dos sintomas, e medicamentos antivirais podem ajudar.

A varíola dos macacos e a varíola fazem parte de um grupo de vírus denominados ortopoxvírus. Eles não estão relacionados à catapora, que é causada pelo vírus da varicela‑zóster que faz parte de outro grupo de vírus.

Apesar do nome, o vírus da varíola dos macacos não vem dos macacos. Embora o reservatório (o animal que é a fonte da infecção) seja desconhecido, as fontes animais mais prováveis são pequenos roedores (por exemplo, esquilos) nas florestas tropicais da África, principalmente na África ocidental e central.

Em 2022, casos de varíola dos macacos foram relatados em aproximadamente 70 países que geralmente não têm infecções por varíola dos macacos, incluindo vários países europeus e os Estados Unidos. Essa é uma situação nova, pois transmissões anteriores de varíola dos macacos de pessoa para pessoa ocorreram principalmente na África. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de varíola dos macacos de 2022 uma emergência de saúde pública de preocupação internacional (consulte OMS: surto de varíola dos macacos de 2022).

Organizações médicas estão investigando como as pessoas foram expostas e como a infecção está se espalhando durante o surto de 2022. Muitos casos ocorreram em homens que mantêm relações sexuais com homens, mas ainda não se sabe se esse padrão continuará e se a infecção é sexualmente transmissível.

Historicamente, a infecção por varíola dos macacos em pessoas foi observada principalmente em casos esporádicos na África e em epidemias ocasionais. A maioria dos casos ocorreu em crianças na República Democrática do Congo.

A partir da década de 2000, o número de casos vem aumentando de maneira gradativa na África. Os motivos podem incluir:

Antes de 2022, casos fora da África estavam diretamente ligados a viagens para a África ocidental e central ou animais importados dessa região. Nos Estados Unidos, houve um surto de varíola símia em 2003, quando roedores infectados foram importados da África como animais de estimação. Os roedores disseminaram os vírus para cães-da-pradaria domésticos que, por sua vez, infectaram pessoas na região centro-oeste.

A varíola dos macacos se dissemina de poucas maneiras (consulte também Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA [CDC]: surto de varíola dos macacos de 2022 nos EUA). Ela pode ser transmitida de pessoa para pessoa por meio de

  • Contato direto com a erupção cutânea infecciosa, crostas ou fluidos corporais

  • Secreções respiratórias durante contato cara a cara prolongado ou durante contato físico íntimo, como beijos, abraços ou sexo

  • Tocar em itens (como roupas ou roupas de cama) que anteriormente tocaram uma erupção cutânea infecciosa ou fluidos corporais

  • A placenta, de gestantes para os fetos

A varíola dos macacos pode se disseminar quando as pessoas entram em contato com animais infectados, provavelmente por meio de mordidas ou arranhões de um animal, ou por meio da preparação e ingestão da carne de um animal infectado.

Sintomas de varíola dos macacos

A varíola símia causa sintomas assemelhados aos da varíola Varíola A varíola é uma doença altamente contagiosa e muito mortal causada pelo vírus da varíola. Hoje a doença é considerada eliminada. Não houve casos de varíola desde 1977. As pessoas podem contrair... leia mais Varíola . Assim como na varíola, a erupção cutânea da varíola símia começa como manchas vermelhas e planas. As manchas convertem-se então em bolhas que se enchem de pus (formando pústulas). Depois de vários dias, as pústulas formam crostas. Antes do surto de 2022, a erupção cutânea muitas vezes começava no rosto e se espalhava para outras partes do corpo, incluindo as palmas das mãos e plantas dos pés. No entanto, durante o surto global de 2022, a erupção cutânea muitas vezes começa na genitália, na boca ou em regiões próximas a elas, é frequentemente dolorosa e pode não se espalhar ou progredir conforme os estágios comuns.

Os sintomas também podem incluir febre, calafrios, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, fadiga extrema e linfonodos salientes e inchados. Esses sintomas podem ocorrer antes, durante ou depois do surgimento da erupção cutânea.

A varíola símia pode tornar as pessoas mais propensas a desenvolver outras infecções. Algumas pessoas com varíola símia desenvolvem infecções bacterianas na pele e nos pulmões.

A doença é geralmente mais leve do que a varíola, mas pode levar à morte. Não houve mortes durante o surto de 2003 nos Estados Unidos. No surto de 2022, houve algumas mortes entre milhares de casos.

Os sintomas podem começar 1 a 2 semanas após a pessoa ser infectada, mas pode levar até 3 semanas para os sintomas aparecerem. As pessoas estão infecciosas (o que significa que podem transmitir o vírus para outra pessoa) desde o início dos sintomas até que todas as lesões tenham formado uma casca e que essa casca tenha caído e revele pele saudável. Isso normalmente leva de 2 a 4 semanas.

Varíola símia

Diagnóstico de varíola dos macacos

Os médicos consideram a varíola dos macacos uma possível causa de sintomas em qualquer pessoa que apresente uma erupção cutânea parecida com lesões cutâneas típicas da varíola dos macacos.

O diagnóstico de varíola dos macacos é geralmente realizado por meio da coleta de uma amostra da lesão na pele e de testes para identificação de material genético (DNA) do vírus.

Outros exames que as pessoas podem fazer para detectar a varíola dos macacos podem envolver o envio de amostras de tecido infectado para um laboratório para que o vírus seja cultivado (cultura) e analisado; exames de sangue para detectar anticorpos contra o vírus da varíola dos macacos; e o exame de uma amostra de tecido infectado ao microscópio.

Prevenção da varíola dos macacos

As vacinas usadas para a prevenção da varíola Varíola A varíola é uma doença altamente contagiosa e muito mortal causada pelo vírus da varíola. Hoje a doença é considerada eliminada. Não houve casos de varíola desde 1977. As pessoas podem contrair... leia mais Varíola também são usadas contra a varíola dos macacos. Dados prévios da África sugerem que a vacina contra a varíola Vacina contra a varíola Nos Estados Unidos, a vacinação rotineira com a vacina contra varíola foi interrompida em 1972 porque a varíola foi erradicada naquele país. O último caso conhecido no mundo ocorreu em 1977... leia mais é, pelo menos, 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos, porque o vírus da varíola dos macacos está estreitamente relacionado ao vírus que causa a varíola. Uma vacina contra a varíola pode ser oferecida a pessoas com alto risco de exposição à varíola dos macacos em áreas onde há surtos locais e a profissionais de saúde em contato com pessoas infectadas (consulte CDC: orientações sobre a vacina contra a varíola dos macacos e a varíola).

Pessoas com varíola dos macacos que não estão no hospital devem

  • Isolar-se em casa até que as lesões tenham se resolvido, as cascas tenham caído e uma nova camada de pele intacta tenha se formado

  • Evitar contato físico direto com outras pessoas e animais

  • Não compartilhar itens potencialmente contaminados, como roupas de cama, toalhas, roupas, copos ou talheres, e limpar e desinfetar superfícies e itens comumente tocados

  • Usar uma máscara em caso de necessidade de contato próximo com outras pessoas em casa

Para obter orientações mais detalhadas sobre como se isolar com segurança em casa após ser diagnosticado com varíola dos macacos, consulte CDC: Varíola dos macacos: Isolamento e controle de infecções: Em casa.

Tratamento da varíola dos macacos

O tratamento de varíola símia está voltado principalmente ao alívio dos sintomas. Não há tratamento seguro e comprovado para a infecção pelo vírus da varíola símia. Os medicamentos antivirais tecovirimat, cidofovir ou brincidofovir podem ajudar, mas eles ainda não foram estudados como tratamento da varíola símia.

Mais informações

Os seguintes recursos em inglês podem ser úteis. Vale ressaltar que O MANUAL não é responsável pelo conteúdo desses recursos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS