Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Doença renal ateroembólica

Por

Zhiwei Zhang

, MD, Loma Linda University

Última revisão/alteração completa jan 2020| Última modificação do conteúdo jan 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Na doença renal ateroembólica, inúmeros pedaços pequenos de matérias gordurosas (êmbolos ateromatosos) deslocam-se das artérias situadas acima dos rins e bloqueiam as ramificações menores das artérias renais, provocando insuficiência renal.

  • Normalmente, os êmbolos ateromatosos ocorrem como uma complicação da cirurgia ou procedimento em uma aorta aterosclerótica.

  • Os sintomas de insuficiência renal, dedos dos pés azulados ou uma descoloração rendada arroxeada da pele dos pés e das pernas pode se desenvolver.

  • A remoção e análise de um pedaço do tecido renal (biópsia) podem ser feitas para confirmar o diagnóstico.

Causas

Pedaços minúsculos de material gorduroso duro aderido a uma parede de vaso sanguíneo (aterosclerótico) endurecida, normalmente a aorta, rompe e desloca-se através da corrente sanguínea, tornando-se êmbolos (ateroembólica). Alguns êmbolos se deslocam para as artérias renais menores, bloqueando as partes do suprimento sanguíneo do rim. Geralmente, este processo afeta os dois rins de maneira igual e simultânea. Os êmbolos ateromatosos também podem ir para outros órgãos e obstruir o fluxo sanguíneo lá.

A matéria gordurosa pode romper-se espontaneamente quando existe aterosclerose grave da aorta. Pode igualmente ocorrer uma complicação devido à cirurgia ou à angioplastia ou por procedimentos de diagnóstico por imagens relacionadas com a aorta, como uma angiografia, quando os fragmentos de matéria gordurosa que aderem às paredes da aorta se rompem por acidente. A doença renal ateroembólica é mais frequente nos adultos.

Sintomas

A doença renal ateroembólica normalmente causa a incapacidade aguda ou lentamente progressiva dos rins em filtrar os produtos residuais do sangue (insuficiência renal). Caso o bloqueio das artérias resulte de uma cirurgia ou de um procedimento de imagem envolvendo a aorta, pode ocorrer insuficiência súbita dos rins. Geralmente, a produção de urina diminui.

À medida que a duração e a gravidade da insuficiência renal aumentam, diversos sintomas de lesão renal aguda podem surgir, começando por fadiga, náusea, perda de apetite, coceira e dificuldade para se concentrar. Os sintomas refletem distúrbios musculares, cerebrais, nervosos, cardíacos, digestivos e cutâneos que derivam da insuficiência renal.

Os êmbolos ateromatosos podem provocar sintomas em outros órgãos. Quando se deslocam para os braços ou para as pernas, tais sintomas, como dedos dos pés azulados ou uma descoloração rendada arroxeada da pele e mesmo gangrena podem ocorrer. Os fragmentos de êmbolos ateromatosos que se deslocam para um olho podem causar cegueira repentina.

Diagnóstico

  • Exames de sangue e urina

  • Algumas vezes biópsia renal

Os médicos suspeitam de doença renal ateroembólica em uma pessoa cujos exames de sangue mostram declínio da função renal após um procedimento envolvendo a aorta. Também são realizados exames de urina de rotina. Uma biópsia do rim é a melhor maneira de os médicos confirmarem o diagnóstico de doença renal ateroembólica, mas, em geral, não é necessária. Uma amostra de tecido examinado com um microscópio apresenta a evidência característica de material gorduroso nas artérias menores. O exame das amostras da pele ou músculo também pode ajudar a estabelecer o diagnóstico. Por vezes, é necessária uma ultrassonografia da aorta para determinar a origem dos êmbolos.

Tratamento

  • Tratamento da origem dos êmbolos

  • Tratamento da hipertensão arterial

  • Algumas vezes, diálise

No passado, as pessoas com doença renal ateroembólica tendiam a morrer dentro de semanas ou meses. Entretanto, mais recentemente, o tratamento foi melhorado. A maioria das pessoas vive pelo menos um ano. Cerca de metade vive 4 anos ou mais.

Por vezes, a origem dos êmbolos pode ser tratada para evitar a formação de novos êmbolos, mas não existe tratamento direto disponível para remover êmbolos ateromatosos renais existentes. O tratamento consiste em dar suporte à pessoa da melhor forma possível. Por exemplo, a hipertensão arterial é tratada. A diálise pode ser necessária durante a insuficiência renal, mas algumas vezes os rins finalmente voltam a funcionar.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral dos rins e do trato urinário
Vídeo
Visão geral dos rins e do trato urinário
Modelos 3D
Visualizar tudo
Doença renal policística: Cistos na superfície renal
Modelo 3D
Doença renal policística: Cistos na superfície renal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS