Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Câncer da pélvis renal e do ureter

Por

J. Ryan Mark

, MD, Sidney Kimmel Cancer Center at Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto
  • Os cânceres podem causar sangue na urina ou cólicas no flanco.

  • O diagnóstico é normalmente feito por tomografia computadorizada.

  • O tratamento é a remoção do rim e do ureter.

O câncer pode ocorrer nas células que revestem a área de coleta central do rim (a pelve renal - normalmente um tipo chamado de carcinoma de célula transicional da pelve renal) e nos tubos delgados que transportam a urina do rim para a bexiga (ureteres). Os cânceres da pelve renal e ureter são muito menos comuns que os cânceres do resto do rim ou bexiga. Eles provavelmente ocorrem em menos de 6.000 pessoas nos Estados Unidos a cada ano.

Sintomas de câncer da pelve renal e do ureter

O primeiro sintoma costuma ser a presença de sangue na urina. As pessoas também podem ter dor e queimação durante a micção e a necessidade imperativa de urinar frequentemente. Cólica no flanco (o espaço entre a costela e o quadril) ou baixo-ventre pode ocorrer se o fluxo da urina estiver obstruído (por exemplo, porque um coágulo de sangue bloqueia o ureter).

Diagnóstico de câncer da pelve renal e do ureter

  • Tomografia computadorizada ou ultrassonografia

Em geral, o câncer é detectado pelo uso de tomografia computadorizada Tomografia computadorizada Existe uma variedade de exames que podem ser utilizados ao avaliar uma suspeita de distúrbio renal ou do trato urinário. (Consulte também Considerações gerais sobre o trato urinário.) A radiografia... leia mais (TC) ou ultrassonografia Ultrassonografia Existe uma variedade de exames que podem ser utilizados ao avaliar uma suspeita de distúrbio renal ou do trato urinário. (Consulte também Considerações gerais sobre o trato urinário.) A radiografia... leia mais . TC e frequentemente ultrassonografia podem ajudar os médicos distinguem outros problemas renais e ureterais não cancerosos (benigno) como cálculos ou coágulos sanguíneos. O exame microscópico de uma amostra de urina possibilita a detecção de células cancerosas. Um tubo flexível de visualização - um uretroscópio - rosqueado através da bexiga pode ser usado para visualizar os cânceres, obter amostras de tecido para a confirmação do diagnóstico e, ocasionalmente, até mesmo tratar pequenos cânceres. Para determinar a extensão dos cânceres e até onde se propagou, varreduras de TC do abdômen e pélvis e radiografias do tórax são realizadas.

Prognóstico de câncer da pelve renal e do ureter

Uma pessoa pode alcançar a cura se o câncer não tiver se propagado e se puder ser completamente removido cirurgicamente. Entretanto, se o câncer se propagou para a parede da pelve renal ou ureter ou para locais distantes, a cura é improvável.

Tratamento de câncer da pelve renal e do ureter

  • Cirurgia

Se o câncer não se propagou para além da área da pelve renal e do ureter, o tratamento normal é a remoção cirúrgica de todo o rim e ureter (nefroureterectomia) juntamente com uma pequena parte da bexiga. No entanto, em determinadas situações – quando os rins não funcionam bem ou quando a pessoa tem apenas um rim – geralmente não se remove o órgão, uma vez que isso faria com que a pessoal passasse a depender da diálise.

Para tumores de alto grau ou estadiamento elevado, às vezes se faz quimioterapia antes da cirurgia.

Alguns cânceres na pelve renal e ureter podem ser tratados com um laser para destruir as células cancerosas ou com cirurgia que remove somente o próprio câncer, ao mesmo tempo que deixa o rim, a porção não cancerosa do ureter e da bexiga permanecerem. Ocasionalmente, um medicamento, como mitomicina C ou bacilo Calmette-Guérin (BCG – uma substância que estimula o sistema imunológico do corpo) é instilado no ureter ou um medicamento quimioterápico é administrado. Não está clara a eficácia dos tratamentos a laser e instilações da droga.

A cistoscopia (inserção de um tubo flexível de visualização para examinar a parte interna da bexiga) é feita periodicamente após a cirurgia, indefinidamente, porque as pessoas que têm este tipo de câncer estão em risco de desenvolver câncer de bexiga.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Teste os seus conhecimentos
Nefrite túbulo-intersticial
Os rins contêm túbulos que são estruturas nos rins envolvidas na filtração de líquidos. A nefrite túbulo-intersticial é uma inflamação que afeta os túbulos e o tecido que os circundam, chamado “tecido intersticial.” O início da nefrite túbulo-intersticial pode ser agudo (repentino) ou crônico (gradual) e, muitas vezes, resulta em insuficiência renal. Qual das opções seguintes é a causa mais comum de nefrite túbulo‑intersticial aguda?
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS