Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Gamopatia monoclonal de significância indeterminada (Monoclonal Gammopathies of Undetermined Significance, MGUS)

Por

James R. Berenson

, MD, Institute for Myeloma and Bone Cancer Research

Última revisão/alteração completa set 2019| Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Uma gamopatia monoclonal de significância indeterminada é um acúmulo de anticorpos monoclonais produzido por plasmócitos anormais, mas não cancerosos.

Os plasmócitos se desenvolvem a partir de células B (linfócitos B), um tipo de glóbulo branco que normalmente produz anticorpos (imunoglobulinas). Os anticorpos são proteínas que ajudam o corpo a combater infecções. Se um único plasmócito se multiplicar excessivamente, o grupo resultante de células geneticamente idênticas (chamadas de clone) produz uma grande quantidade de um único tipo de anticorpo. Como esse anticorpo é formado por um único clone, ele é chamado de anticorpo monoclonal e também é conhecido como proteína M. As pessoas com uma grande quantidade de proteína M frequentemente têm níveis baixos de outros anticorpos, tornando-as mais suscetíveis a infecções. Imunoglobulinas são às vezes designadas gamaglobulinas, portanto, um distúrbio pode ser chamado de gamopatia. (Consulte também Considerações gerais sobre distúrbios dos plasmócitos).

Em geral, a gamopatia monoclonal de significância indeterminada (MGUS) ocorre em mais de 5% das pessoas com mais de 70 anos de idade, mas não causa problemas de saúde significativos, a menos que evolua para mieloma ou um distúrbio de células B sério relacionado.

Esse distúrbio não costuma causar sintomas. Assim, quase sempre é descoberto por acaso, quando são feitos exames laboratoriais por outros motivos, tais como medição de proteínas no sangue. No entanto, o anticorpo monoclonal pode se unir aos nervos e causar dormência, formigamento e fraqueza. Pessoas com esse distúrbio também são mais propensas a sofrer perda óssea e fraturas.

Os níveis de proteína M em pessoas com MGUS frequentemente permanecem estáveis por anos (25 anos em algumas pessoas) e não exigem tratamento. Contudo, se a avaliação mostrar evidências de significativa perda de densidade óssea (osteopenia ou osteoporose), os médicos podem recomendar tratamento com bifosfonatos.

Por razões desconhecidas, em cerca de um quarto das pessoas com este distúrbio ocorre uma progressão para um câncer, tal como mieloma múltiplo, macroglobulinemia ou linfoma de células B, frequentemente anos mais tarde. Essa progressão não pode ser evitada. Aproximadamente duas vezes por ano, pessoas que sofrem de uma gamopatia monoclonal de significância indeterminada são normalmente monitoradas mediante exame físico e de sangue e, às vezes, exames de urina, para determinar se a progressão para um câncer está começando. Se essa progressão for detectada precocemente, os sintomas e as complicações do câncer podem ser prevenidos ou tratados mais cedo.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre o sangue
Vídeo
Considerações gerais sobre o sangue
Linfoma não Hodgkin
Vídeo
Linfoma não Hodgkin
O sistema linfático é parte do sistema imunológico do corpo, responsável por manter o corpo...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS