Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Perda de apetite

Por

Jonathan Gotfried

, MD, Lewis Katz School of Medicine at Temple University

Última revisão/alteração completa mar 2020| Última modificação do conteúdo mar 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

A perda de apetite (anorexia) implica na ausência de fome — a pessoa com anorexia não tem vontade de comer. Por outro lado, uma pessoa com transtorno alimentar como, por exemplo, anorexia nervosa ou bulimia nervosa tem fome, mas restringe a ingestão de alimentos ou vomita após comer por estar excessivamente preocupada com o ganho de peso.

Um breve período de anorexia geralmente acompanha todas as doenças súbitas (agudas). A anorexia de longa duração (crônica) geralmente ocorre apenas em pessoas com uma grave doença de base como, por exemplo, câncer, AIDS, doença pulmonar crônica e insuficiência cardíaca, renal ou hepática graves. Os distúrbios que afetam a parte do cérebro que regula o apetite também podem provocar anorexia. A anorexia é comum entre pessoas em estado terminal. Alguns medicamentos causam anorexia, como digoxina, fluoxetina, quinidina e hidralazina.

Muito frequentemente, a anorexia ocorre em uma pessoa com um distúrbio de base conhecido. A anorexia crônica sem explicação é um sinal ao médico de que algo está errado. Uma completa avaliação dos sintomas da pessoa e um exame físico completo geralmente sugerem uma causa e ajudam o médico a decidir quais exames são necessários.

As causas de base são tratadas na medida do possível. As etapas que ajudam a elevar o desejo de uma pessoa se alimentar incluem oferecer os pratos preferidos, um cronograma flexível de alimentação e, se a pessoa quiser, uma pequena quantidade de bebida alcoólica servida meia hora antes das refeições. Em certas situações, os médicos podem usar medicamentos para ajudar a estimular o apetite, como ciproeptadina, baixas doses de corticosteroides, megestrol e dronabinol.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS