Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Incontinência fecal

Por

Norton J. Greenberger

, MD, Brigham and Women's Hospital

Última revisão/alteração completa mai 2018| Última modificação do conteúdo mai 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A incontinência fecal consiste na perda do controle da defecação.

Causas

A incontinência fecal pode ocorrer de forma breve, durante episódios de diarreia ou quando fezes endurecidas ficam alojadas no reto (compactação fecal). A pessoa com lesões no ânus ou na medula espinhal, prolapso retal (protrusão do revestimento retal através do ânus), demência, lesão neurológica por diabetes, tumores do ânus ou lesões pélvicas durante o parto podem desenvolver incontinência fecal persistente.

Avaliação

O médico examina a pessoa procurando alguma anomalia estrutural ou neurológica. Isso implica exame do ânus e do reto, verificação da extensão da sensibilidade ao redor do ânus e, geralmente, uma sigmoidoscopia. Outros exames, como ultrassom do esfíncter anal, imagem por ressonância magnética (RM) e exame de função dos nervos e dos músculos que revestem a pelve, podem ser necessários.

Tratamento

O primeiro passo para corrigir a incontinência fecal é tratar de estabelecer um padrão regular de defecação para produção de fezes bem formadas. Muitas vezes, é útil alterar a dieta, como a adição de uma pequena quantidade de fibra. Se tais alterações não ajudarem, podem ser úteis medicamentos que retardam a defecação, como a loperamida.

Exercitar os músculos anais (esfíncteres) apertando-os e relaxando-os aumenta o seu tônus e a sua força. Utilizando uma técnica chamada biofeedback, é possível aprender a contrair os esfíncteres e aumentar a sensibilidade do reto à presença de fezes. Cerca de 70% das pessoas bem motivadas são beneficiadas com essa técnica.

Se a incontinência fecal persistir, uma cirurgia pode ajudar em alguns casos — por exemplo, quando a causa é uma lesão ou um defeito anatômico no ânus. Como último recurso, pode-se realizar uma colostomia (criação cirúrgica de uma abertura entre o intestino grosso e a parede abdominal – Entendendo a colostomia). Fecha-se a abertura anal e as fezes são desviadas para uma bolsa plástica removível, fixada a uma abertura feita na parede abdominal.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre a doença celíaca
Vídeo
Considerações gerais sobre a doença celíaca
Modelos 3D
Visualizar tudo
Hemorroidas
Modelo 3D
Hemorroidas

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS