Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtorno factício imposto a outro

Por

Joel E. Dimsdale

, MD, University of California, San Diego

Última revisão/alteração completa set 2019| Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para a versão para profissionais

O transtorno factício imposto a outro é a falsificação ou produção de sintomas de um transtorno físico ou psicológico em outra pessoa. Normalmente, isso é feito por cuidadores (geralmente pais) a alguém de quem cuidam.

Antigamente, esse transtorno era denominado transtorno factício por procuração ou síndrome de Münchausen por procuração.

O transtorno factício imposto a outro é semelhante ao transtorno factício imposto a si próprio, exceto que a pessoa (normalmente cuidadores, como o pai ou a mãe) intencionalmente falsifica ou produz sintomas físicos ou psicológicos na pessoa sob seus cuidados (normalmente uma criança incapaz de contradizer as alegações falsas do cuidador ou informar como o cuidador causou a lesão).

O cuidador falsifica o histórico – por exemplo, ao declarar que a criança tem tido febre ou vômito em casa quando, de fato, ela estava bem. Alguns cuidadores podem até causar prejuízo à criança ao administrar medicamentos ou outros agentes ou ao adicionar sangue ou contaminantes bacterianos a amostras de urina para simular uma doença. O cuidador busca assistência médica para a criança e parece bastante preocupado e protetor. A criança normalmente apresenta um histórico de hospitalizações frequentes, geralmente devido a uma variedade de sintomas não específicos, porém sem um diagnóstico definitivo. Essas crianças podem estar gravemente enfermas e, às vezes, morrem devido às tentativas do cuidador de simular uma doença.

Da mesma maneira que no transtorno factício imposto a si próprio, o cuidador não tem nenhum incentivo externo óbvio para o comportamento. Por exemplo, o cuidador não está tentando acobertar sinais de abuso infantil.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS