Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Introdução a doenças periodontais

Por

James T. Ubertalli

, DMD, Hingham, MA

Última revisão/alteração completa jun 2019| Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A periodontite é uma forma grave de gengivite em que a inflamação das gengivas se estende para as estruturas de suporte do dente.

  • A placa e o tártaro se acumulam entre os dentes e a gengiva e, em seguida, se espalham para o osso abaixo dos dentes.

  • As gengivas inflamam e sangram, o hálito cheira mal, e os dentes ficam frouxos.

  • Os dentistas tiram radiografias e avaliam a profundidade das bolsas nas gengivas para determinar o quão grave é a periodontite.

  • Às vezes, são necessárias limpezas profissionais repetidas e até cirurgia dentária.

A periodontite ocorre em pessoas suscetíveis a uma infecção mais séria do tecido periodontal (tecido que circunda os dentes) do que ocorre na gengivite simples (gengivite). Muitas doenças e perturbações podem predispor uma pessoa à periodontite, incluindo o diabetes (especialmente, o tipo 1), a síndrome de Down, a doença de Crohn, a leucopenia e a AIDS. A periodontite progride rapidamente nas pessoas afetadas pela AIDS. Tabagismo, deficiência de vitamina C (escorbuto) e distúrbio emocional também são fatores de risco para periodontite.

A periodontite pode afetar pessoas de qualquer idade, inclusive crianças pequenas. Algumas pessoas têm gengivite grave por anos sem que desenvolvam periodontite. Outras podem desenvolver periodontite, principalmente quando jovens (20 a 30 anos) sem ter tido gengivite significativa antes.

A periodontite é uma das principais causas de perda dos dentes nos adultos e a principal nos idosos. A infecção destrói o osso que sustenta os dentes no lugar. A erosão causa o enfraquecimento das fixações que mantêm os dentes e solta-os. Um dente afetado pode ter de ser retirado (extraído).

Causas

A maioria dos casos de periodontite resulta de inflamação das gengivas (gengivite) e de um acúmulo prolongado de placa (uma substância semelhante a uma película composta principalmente de bactérias, saliva, restos de alimentos e células mortas que são depositados continuamente nos dentes) e tártaro (placa endurecida) nos dentes e nas gengivas. Bolsas se formam entre os dentes e gengivas e estendem-se para baixo, entre a raiz do dente e o osso subjacente. Essas bolsas agrupam placas em um ambiente pobre em oxigênio, o que promove o crescimento de formas mais agressivas de bactérias em pessoas com determinadas suscetibilidades do sistema imunológico. A placa bacteriana e as bactérias causam a inflamação crônica que danifica o tecido e o osso que segura os dentes no lugar. Se a doença continuar, por fim perde-se tanto do osso que o dente pode se tornar dolorosamente frouxo e as gengivas se retraem. A perda de dente normalmente começa a partir dos 40 anos.

Você sabia que...

  • A periodontite é a causa principal de perda de dente em pessoas idosas.

Periodontite: Da placa à perda do dente

Gengivas e ossos saudáveis sustentam o dente firmemente em seu lugar.

Periodontite: Da placa à perda do dente

O acúmulo de placa irrita as gengivas, e elas se tornam inflamadas (gengivite). Com o passar do tempo, as gengivas se descolam do dente, criando uma bolsa que é preenchida com mais placa.

Periodontite: Da placa à perda do dente

A bolsa fica cada vez maior, e a placa endurece e vira tártaro. Mais placa se acumula no topo.

Periodontite: Da placa à perda do dente

A infecção bacteriana move-se até a raiz do dente e, por fim, destrói o osso que sustenta o dente. Sem essa sustentação, o dente fica frouxo e cai ou requer a extração devido a um abscesso periodontal.

Periodontite: Da placa à perda do dente

O grau de desenvolvimento da periodontite difere consideravelmente, mesmo entre pessoas com quantidades semelhantes de tártaro. Tais diferenças ocorrem porque a placa de cada pessoa contém tipos e quantidades diferentes de bactérias, e porque a periodontite resulta da resposta do sistema imunológico exclusivo de uma pessoa às bactérias na placa. A periodontite pode causar surtos de atividade destrutiva que duram meses, seguidos de períodos em que a doença, aparentemente, não é prejudicial.

Sintomas

Os sintomas iniciais da periodontite são a hemorragia, a inflamação das gengivas e o mau hálito (halitose). Quanto maior for a perda de osso, mais o dente se solta e muda de posição, e a mastigação se torna dolorosa. É frequente os dentes anteriores projetarem-se para fora. A periodontite normalmente não causa dor, a menos que uma infecção, como um acúmulo de pus (abscesso) se forme em uma bolsa, os dentes se afrouxem o suficiente para mover-se durante a mastigação, ou a pessoa tenha periodontite causada por HIV.

Diagnóstico

  • Avaliação de um dentista

  • Em alguns casos, radiografias

Para diagnosticar periodontite, os dentistas examinam os dentes e medem a profundidade das bolsas nas gengivas com uma sonda fina. São tiradas radiografias para verificar quanto osso foi perdido.

Tratamento

  • Tratamento dos fatores de risco

  • Limpezas profissionais

  • Em alguns casos, cirurgia e extração do dente

  • Às vezes antibióticos

Pessoas que têm fatores de risco, como má higiene oral, diabetes e tabagismo, devem receber tratamento para esses fatores de risco. O tratamento dos fatores de risco aumenta o sucesso do tratamento da periodontite pelo dentista.

Ao contrário da gengivite, que tende a desaparecer com uma boa higiene oral (escovação diária e uso do fio dental), a periodontite requer um tratamento profissional. As pessoas com boa higiene oral podem limpar somente 2 a 3 mm (1/12 polegada) abaixo da linha da gengiva. No entanto, os dentistas conseguem limpar as bolsas até 6 a 7 mm (1/4 de polegada) de profundidade, através da utilização de um raspador e de uma escova de raízes, que retira a fundo o tártaro e a superfície doente da raiz.

Para as bolsas de 5 mm (1/5 de polegada) ou mais, frequentemente é necessário cirurgia. Os dentistas ou periodontistas podem acessar o dente abaixo da linha da gengiva fazendo uma abertura cirúrgica ao levantar o tecido da gengiva (cirurgia de levantamento periodontal). Eles limpam a fundo os dentes e corrigem os defeitos ósseos (às vezes, por meio de enxerto ósseo) sob a abertura e, em seguida, suturam a abertura de volta em seu lugar. Do mesmo modo, os dentistas ou periodontistas podem proceder à extração da parte da gengiva infectada e solta (gengivectomia), de modo que o resto da gengiva se conecte firmemente aos dentes, permitindo assim que as pessoas façam a limpeza da placa bacteriana em casa. Em alguns casos, os dentes são retirados (extraídos). Se sentir dor na boca após a operação, pode-se substituir temporariamente a escova de dentes e o fio dental por um colutório de clorexidina, 2 vezes por dia, durante 1 minuto.

O dentista pode receitar antibióticos (como amoxicilina ou metronidazol), sobretudo em caso de acúmulo de pus (abscesso). Dentro das bolsas profundas, os dentistas também podem inserir materiais (filamentos ou géis) que contêm antibióticos para que uma concentração alta do medicamento alcance a zona doente. Os abscessos periodontais causam um surto de destruição óssea, mas o tratamento cirúrgico imediato e os antibióticos contribuem para a regeneração de grande parte do osso danificado.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Canal radicular
Vídeo
Canal radicular
Depois de comer, partículas de alimentos e líquidos contendo açúcar e amido são deixadas nos...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Ranger os dentes
Modelo 3D
Ranger os dentes

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS