Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Fatores psicológicos que contribuem para a dor

Por

James C. Watson

, MD, Mayo Clinic

Última revisão/alteração completa out 2018| Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Fatores psicológicos que comumente contribuem para a dor, particularmente dor crônica, podem incluir ansiedade, depressão e insônia.

Fatores psicológicos podem influenciar fortemente como as pessoas percebem a dor — particularmente a dor crônica e algumas vezes a incapacidade relacionada à dor. Quase todas as dores apresentam alguma base física. No entanto, fatores psicológicos, como ansiedade e depressão, podem fazer com que as pessoas sejam menos capazes de controlar seus sintomas e, portanto, menos capazes de realizar suas atividades normais. Por exemplo, indivíduos com dor crônica sabem que a dor ocorrerá novamente e eles podem ter medo e se preocupar, por prever o retorno da dor. Quando as pessoas entendem que a piora da dor pode não indicar uma lesão em seus corpos, elas podem apresentar menos ansiedade (por exemplo, sobre deterioração física ou perda de função) e, portanto, apresentam menos dor.

Raramente as pessoas têm uma dor persistente, com evidência de perturbações psicológicas, sem que se encontre uma lesão física que possa ser a causa dela ou sua gravidade. Essa dor pode ser descrita como psicogênica. Contudo, dor psicofisiológica é um termo mais exato, já que a dor resulta da interação de fatores físicos e psicológicos. Por exemplo, o medo e a ansiedade podem reduzir a produção de substâncias que reduzem a sensibilidade dos neurônios à dor. Essa alteração da sensibilidade à dor corresponde em parte à dor que persiste após a resolução da causa e à dor que se sente de forma mais intensa do que esperado. A dor psicogênica é muito menos comum do que a dor neuropática ou nociceptiva.

O fato de a dor ser agravada por fatores psicológicos não significa que ela não seja real. A maioria das pessoas que acusa uma dor sente-a de fato, mesmo que não se identifique uma causa física. Os médicos sempre investigam se um distúrbio físico está contribuindo para a dor crônica mas frequentemente não encontram uma explicação adequada para a dor.

Tratamento

  • Medicamentos para alívio da dor

  • Tratamentos não farmacológicos tais como biofeedback

  • Em muitos casos, aconselhamento psicológico

A dor que é intensamente influenciada por fatores psicológicos requer tratamento, muitas vezes por uma equipe que inclua um psicólogo ou um psiquiatra. O tratamento para esse tipo de dor varia conforme a pessoa e, por esse motivo, o médico deve adequá-lo às necessidades individuais.

Na maioria das pessoas com dor crônica psicogênica, os objetivos do tratamento são aliviar e melhorar as condições físicas e psicológicas.

O médico pode recomendar o aumento gradual das atividades físicas e sociais.

Podem ser utilizados medicamentos e tratamentos não farmacológicos, como biofeedback, treino de relaxamento, técnicas de meditação, hipnose, estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) e fisioterapia. Muitos medicamentos que ajudam no alívio da dor podem também ajudar no alívio da insônia, ansiedade e depressão.

Com frequência, o acompanhamento psicológico pode ser necessário.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Vídeo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Modelos 3D
Visualizar tudo
Coluna vertebral e medula espinhal
Modelo 3D
Coluna vertebral e medula espinhal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS