Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Espondilose cervical

Por

Michael Rubin

, MDCM, Weill Cornell Medical College

Última revisão/alteração completa dez 2018| Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A espondilose cervical é a degeneração dos ossos do pescoço (vértebras) e dos discos entre elas, exercendo pressão (compressão) sobre a medula espinhal no nível do pescoço.

  • A osteoartrite é a causa mais comum de espondilose cervical.

  • Geralmente, os primeiros sintomas são andar instável e cambaleante, bem como dor e perda da flexibilidade no pescoço.

  • A imagem por ressonância magnética ou a tomografia computadorizada pode confirmar o diagnóstico.

  • O tratamento inclui um colar ortopédico, medicamentos anti-inflamatórios não esteroides e, às vezes, cirurgia.

A espondilose cervical afeta, geralmente, as pessoas de meia-idade e os idosos. É uma causa comum de disfunção da medula espinhal entre pessoas com mais de 60 anos.

Conforme as pessoas envelhecem, a osteoartrite se torna mais comum. Faz as vértebras do pescoço se degenerarem. Quando o osso nas vértebras tenta se reparar, cresce demais, produzindo resultados anormais do osso (esporão) e estreitando o canal espinhal no pescoço. (O canal espinhal é a passagem que leva até o centro da espinha e contém a medula espinhal). Os discos entre as vértebras também degeneram, reduzindo o revestimento que antes protegia a medula espinhal. Essas alterações podem resultar em compressão da medula espinhal, causando disfunção. Uma vez que o tecido é danificado, é mais suscetível a lesão. Por exemplo, pequenos traumas no pescoço devido a queda ou contusão podem gravemente danificar a medula espinhal.

Algumas pessoas nascem com um canal espinhal estreito. Nelas, a compressão por espondilose pode ser mais grave.

Muitas vezes, as raízes dos nervos espinhais (a parte dos nervos espinhais que se localiza ao lado da medula espinhal — consulte a figura Organização da coluna vertebral) também são comprimidas.

Sintomas

Os sintomas de espondilose cervical podem ser resultantes de uma compressão da medula espinhal, das raízes nervosas espinhais ou de ambas.

Quando a medula espinhal se encontra comprimida, o primeiro sinal costuma ser a alteração da marcha. As pernas movimentam-se em sacudidelas (movimentos espásticos) e a marcha torna-se instável. A sensação abaixo do pescoço pode ficar diminuída. O pescoço pode ficar dolorido e perder um pouco a flexibilidade. Os reflexos nas pernas, geralmente, tornam-se exagerados, por vezes causando contrações involuntárias dos músculos (chamados espasmos). Tossir, espirrar e outros movimentos do pescoço podem piorar os sintomas. Às vezes, as mãos são mais afetadas que as pernas e os pés.

Se for grave, a compressão pode prejudicar a função da bexiga e do intestino. Se um trauma menor no pescoço gravemente lesionar a medula espinhal, todos os quatro membros se tornarão paralisados.

Se as raízes do nervo espinhal forem comprimidas, o pescoço geralmente é doloroso e a dor, com frequência, se irradia até a cabeça, ombros ou braços. Os músculos em um ou nos dois braços podem ficar fracos e desgastados.

Diagnóstico

  • Imagem por ressonância magnética ou tomografia computadorizada

Os médicos suspeitam de espondilose cervical com base nos sintomas, principalmente em pessoas mais velhas ou que tenham osteoartrite.

A imagem por ressonância magnética (RM) ou a tomografia computadorizada (TC) podem confirmar o diagnóstico. A RM fornece mais informações, pois exibe a medula espinhal e as raízes. TC não as mostra. Entretanto, esses procedimentos indicam o local em que o canal medular se encontra estenosado, o grau de compressão e quais as raízes dos nervos espinhais que podem estar afetadas.

Tratamento

  • Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides

  • Um colar cervical macio

  • Algumas vezes, cirurgia

  • Para espasmos, um relaxante muscular

Sem tratamento, os sintomas de disfunção da medula espinhal devido à espondilose cervical, às vezes, reduzem ou continuam igual, mas podem piorar.

Inicialmente, em especial, se somente as raízes nervosas forem comprimidas, um colar cervical macio para dar apoio ao pescoço e medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), como ibuprofeno, podem aliviar. Se não funcionar, a cirurgia pode ser necessária.

Se a medula espinhal for comprimida, geralmente, é preciso realizar a cirurgia. Uma incisão pode ser feita através da região frontal ou posterior do pescoço. Em seguida, a parte afetada da vértebra é removida para dar mais espaço para a medula espinhal, um procedimento denominado laminectomia. Se houver esporões, eles são removidos e a espinha pode ser estabilizada ao fundir as vértebras. Como regra, a cirurgia não reverte a lesão existente no nervo, mas evita futuras lesões. Quanto mais cedo se fizer a cirurgia, melhor será o resultado.

Como a espinha pode ficar instável depois da cirurgia, as pessoas podem precisar usar um suporte rígido para manter a cabeça parada durante a cura.

Se ocorrer espasmos musculares, o relaxante muscular baclofeno ajuda a aliviar.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Vídeo
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Todos os movimentos voluntários no corpo são controlados pelo cérebro. As células nervosas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso nervoso
Modelo 3D
Impulso nervoso

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS