Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Osteoporose

Por

Marcy B. Bolster

, MD, Harvard Medical School

Última revisão/alteração completa mai 2020| Última modificação do conteúdo mai 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas).

  • O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o baixo nível de vitamina D ou de ingestão de cálcio e alguns distúrbios podem diminuir os valores dos componentes que mantêm a densidade óssea e a força.

  • Osteoporose pode não causar sintomas até que ocorra uma fratura óssea.

  • Fraturas podem ocorrer com pouca ou nenhuma força e podem ocorrer após uma queda pequena.

  • Embora as fraturas sejam normalmente dolorosas, algumas fraturas vertebrais não causam dor, mas ainda podem causar deformidades.

  • Os médicos diagnosticam as pessoas em risco examinando sua densidade óssea.

  • A osteoporose pode geralmente ser prevenida e tratada gerenciando os fatores de risco, garantindo a adequada ingestão de cálcio e de vitamina D, bem como através da prática de exercícios de suporte de peso e da ingestão de bifosfonatos ou outros medicamentos.

Os ossos contêm minerais Considerações gerais sobre minerais Os minerais são necessários para o funcionamento normal das células do organismo. O organismo precisa de quantidades relativamente grandes de Cálcio Cloro Magnésio Fosfato leia mais , incluindo cálcio Considerações gerais sobre a função do cálcio no organismo O cálcio é um dos eletrólitos do organismo, que são minerais que carregam uma carga elétrica quando dissolvidos em líquidos corporais, como o sangue; porém, a maioria do cálcio do organismo... leia mais e fósforo Considerações gerais sobre a função do fosfato no organismo O fósforo é um elemento que desempenha uma importante função no corpo. No corpo, quase todo o fósforo é combinado com oxigênio e forma o fosfato. O fosfato é um dos eletrólitos do corpo, que... leia mais , que os tornam duros e densos. Para manter a densidade óssea (ou massa óssea), o corpo precisa de um fornecimento adequado de cálcio e outros minerais e deve produzir as quantidades adequadas de vários hormônios, como o hormônio da paratireoide Considerações gerais sobre a função do cálcio no organismo O cálcio é um dos eletrólitos do organismo, que são minerais que carregam uma carga elétrica quando dissolvidos em líquidos corporais, como o sangue; porém, a maioria do cálcio do organismo... leia mais , hormônio do crescimento, calcitonina, estrogênio e testosterona. Um suprimento adequado de vitamina D Deficiência de vitamina D A deficiência de vitamina D é mais comumente causada pela falta de exposição solar. Alguns distúrbios também podem causar a deficiência. A causa mais comum é a falta de exposição solar, geralmente... leia mais é necessário para absorção do cálcio dos alimentos e sua incorporação aos ossos. A vitamina D é absorvida a partir da dieta e também fabricada na pele através da luz solar.

Para que os ossos possam se ajustar às novas exigências, eles são degradados e remodelados, continuamente. Este processo é conhecido como remodelação Ossos Os ossos, embora resistentes, são formados por um tecido em constante mudança que tem várias funções. Os ossos servem como estruturas rígidas para o corpo e como escudos para proteger órgãos... leia mais Ossos . Nesse processo, pequenas áreas do tecido ósseo são removidas continuamente e um novo tecido ósseo é depositado. A remodelação afeta a forma e a densidade dos ossos. Na juventude, os ossos crescem em largura e comprimento à medida que o corpo cresce. Mais tarde na vida, os ossos podem, às vezes, aumentar sua largura, mas não ficam mais longos.

Perda de densidade óssea em mulheres

Nas mulheres, a densidade (ou massa) óssea aumenta progressivamente até cerca dos 30 anos, quando os ossos são mais fortes. Depois desse período, a densidade óssea diminui gradualmente. A perda óssea se acelera após a menopausa, que ocorre em média em torno dos 51 anos.

Perda de densidade óssea em mulheres

Visto que mais osso é formado do que degradado na idade adulta, os ossos aumentam em densidade progressivamente até cerca de 30 anos, quando são mais fortes. Depois desse período, visto que a degradação excede a formação, os ossos diminuem lentamente em densidade. Se o corpo for incapaz de manter uma quantidade adequada de formação óssea, os ossos continuam perdendo densidade e podem se tornar cada vez mais frágeis, o que resulta em osteoporose.

Tipos de osteoporose

Cerca de oito milhões de mulheres e dois milhões de homens nos Estados Unidos têm osteoporose. Existem dois tipos principais de osteoporose:

A osteoporose primária ocorre espontaneamente. A osteoporose secundária é causada por outro distúrbio ou por um medicamento.

Osteoporose primária

Mais de 95% da osteoporose em mulheres e, provavelmente, cerca de 80% em homens, é primária. A maioria dos casos ocorre em mulheres na pós-menopausa e em homens mais velhos.

Uma das principais causas da osteoporose é a falta de estrogênio, particularmente a redução rápida que ocorre na menopausa Menopausa A menopausa é o fim permanente das menstruações e, consequentemente, da fertilidade. Por vários anos antes e logo após a menopausa, os níveis de estrogênio variam muito, as menstruações tornam-se... leia mais Menopausa . A maioria dos homens com mais de 50 anos têm níveis mais altos de estrogênio do que as mulheres na pós-menopausa, mas esses níveis também diminuem com o envelhecimento, e baixos níveis de estrogênio estão associados com a osteoporose em homens e mulheres. A deficiência de estrogênio aumenta a degradação óssea e resulta em rápida perda óssea. Nos homens, baixos níveis de hormônios sexuais masculinos também contribuem para a osteoporose. A perda óssea é ainda maior se os níveis de ingestão de cálcio ou de vitamina D forem baixos. Baixos níveis de vitamina D resultam em deficiência de cálcio, e o aumento da atividade das glândulas paratireoides faz com que secretem hormônio da paratireoide em excesso (consulte hiperparatireoidismo Hiperparatireoidismo Na hipercalcemia, os níveis de cálcio no sangue estão excessivamente altos. A presença de níveis elevados de cálcio pode ser causada por um problema nas glândulas paratireoides ou na dieta,... leia mais Hiperparatireoidismo ), que também pode estimular a decomposição dos ossos. Por razões desconhecidas, a produção de osso também diminui.

Vários outros fatores, como determinados medicamentos, uso de tabaco, consumo excessivo de álcool, histórico familiar de osteoporose (por exemplo, se o pai ou a mãe da pessoa sofreu fraturas de quadril) e estatura corporal pequena, aumentam o risco de perda óssea e o desenvolvimento de osteoporose em mulheres. Esses fatores de risco também são importantes em homens.

Osteoporose secundária

Menos de 5% dos casos de osteoporose em mulheres e cerca de 20% em homens são secundários.

Exemplos de doenças que podem causar osteoporose secundária são a doença renal crônica e distúrbios hormonais (especialmente doença de Cushing Síndrome de Cushing Na síndrome de Cushing, a concentração dos corticosteroides está excessiva, geralmente devido ao uso de medicamentos corticosteroides ou a uma superprodução pelas glândulas adrenais. A síndrome... leia mais Síndrome de Cushing , hiperparatireoidismo Hiperparatireoidismo Na hipercalcemia, os níveis de cálcio no sangue estão excessivamente altos. A presença de níveis elevados de cálcio pode ser causada por um problema nas glândulas paratireoides ou na dieta,... leia mais Hiperparatireoidismo , hipertireoidismo Hipertireoidismo O hipertireoidismo é a hiperatividade da tireoide que resulta em níveis elevados de hormônios tireoidianos e aceleração das funções vitais do corpo. A doença de Graves é a causa mais comum do... leia mais Hipertireoidismo , hipogonadismo Efeitos do envelhecimento no sistema reprodutor masculino Não se sabe ao certo se é o envelhecimento em si ou se são as doenças associadas ao envelhecimento que causam as alterações graduais que afetam a função sexual masculina. A frequência, a duração... leia mais , níveis elevados de prolactina e diabetes mellitus Diabetes mellitus (DM) e distúrbios do metabolismo da glicose no sangue leia mais ). Certos tipos de câncer, como mieloma múltiplo Mieloma múltiplo O mieloma múltiplo é um câncer de plasmócitos no qual plasmócitos anormais se multiplicam sem controle na medula óssea e, ocasionalmente, em outras partes do corpo. As pessoas com frequência... leia mais Mieloma múltiplo , podem causar osteoporose secundária e outras doenças, como a artrite reumatoide Artrite reumatoide (AR) A artrite reumatoide é uma artrite inflamatória em que as articulações, geralmente incluindo as das mãos e pés, ficam inflamadas, resultando em inchaço, dor e, geralmente, destruição das articulações... leia mais Artrite reumatoide (AR) , podem também causá‑lo. Exemplos de medicamentos que podem causar osteoporose secundária são progesterona, corticosteroides, hormônios da tireoide, certos quimioterápicos e anticonvulsivantes. O consumo excessivo de álcool ou de cafeína e o tabagismo podem contribuir para a osteoporose.

Fatores de risco para osteoporose primária

  • Membros da família com osteoporose

  • Dieta pobre em cálcio e vitamina D

  • Estilo de vida sedentário

  • Raça branca ou asiática

  • Magreza

  • Menopausa precoce

  • Tabagismo

  • Consumo excessivo de álcool ou cafeína

Osteoporose idiopática

A osteoporose idiopática é um tipo raro de osteoporose. A palavra idiopática significa simplesmente que a causa é desconhecida. Esse tipo de osteoporose ocorre em mulheres na pré-menopausa, em homens com menos de 50 anos e em crianças e adolescentes que têm níveis normais de hormônios, níveis normais de vitamina D e nenhuma razão óbvia para terem ossos fracos.

Sintomas da osteoporose

No início, a osteoporose não causa sintomas, pois a perda da densidade óssea ocorre muito gradualmente. Algumas pessoas nunca desenvolvem sintomas. Contudo, quando a osteoporose causa a quebra de ossos (fraturas), as pessoas podem sentir dor dependendo do tipo de fratura. As fraturas tendem a consolidar lentamente em pessoas com osteoporose e podem resultar em deformidades, como uma coluna encurvada.

Nos ossos longos, como os ossos dos braços e das pernas, a fratura ocorre normalmente nas extremidades dos ossos, não no meio. Os ossos da coluna vertebral (vértebras) estão particularmente em risco de fratura devido à osteoporose. Essas fraturas ocorrem geralmente no meio ou na parte inferior das costas.

Fraturas por compressão vertebral Fraturas de compressão da coluna Em uma fratura de compressão da coluna, a parte em forma de barril (corpo) de um ou mais ossos das costas (vértebras) sofre colapso e é esmagada (comprimida) adquirindo uma forma de cunha. A... leia mais Fraturas de compressão da coluna (fraturas de vértebras da coluna) podem ocorrer em pessoas com qualquer tipo de osteoporose. Estas fraturas são as fraturas mais comuns relacionadas à osteoporose. As vértebras enfraquecidas podem quebrar espontaneamente ou após uma pequena lesão. A maioria dessas fraturas por compressão vertebral não causam dor. No entanto, pode se desenvolver dor, que, geralmente, começa repentinamente, permanece em uma determinada área das costas e piora quando a pessoa se levanta ou anda. A área pode ficar sensível. Normalmente, a dor e a sensibilidade começam a desaparecer gradualmente após uma semana. No entanto, a dor persistente pode durar meses ou ser constante. Se várias vértebras quebrarem, uma curvatura anormal da coluna vertebral (corcunda de viúva) pode se desenvolver, causando tensão muscular e dor, bem como deformidade.

Fraturas por fragilidade são fraturas que resultam de uma queda ou de um esforço relativamente pequeno, como uma queda da altura em pé ou menos, incluindo cair da cama, que normalmente não causaria a fratura de um osso saudável. Fraturas por fragilidade geralmente ocorrem na parte superior do osso do antebraço (rádio), parte superior do osso da coxa (fêmur) Fraturas da perna As fraturas da perna ocorrem em um ou mais dos três ossos longos nas pernas: o osso da coxa (fêmur), o osso da canela (tíbia) e o osso menor na parte inferior da perna (fíbula). (Consulte também... leia mais , coluna vertebral (fraturas por compressão vertebral Fraturas de compressão da coluna Em uma fratura de compressão da coluna, a parte em forma de barril (corpo) de um ou mais ossos das costas (vértebras) sofre colapso e é esmagada (comprimida) adquirindo uma forma de cunha. A... leia mais Fraturas de compressão da coluna ) e proeminência óssea (trocânter) na extremidade superior do osso da coxa. Outros ossos incluem a extremidade superior do osso do braço (úmero) Fraturas do braço As fraturas do braço ocorrem na extremidade superior do osso do braço (úmero), afetando a articulação do ombro. As fraturas do braço geralmente resultam de uma queda com o braço estendido. Geralmente... leia mais Fraturas do braço e a pelve Fraturas pélvicas Um ou mais ossos da pélvis podem sofrer fratura. Essas fraturas variam de fratura de uma pequena lasca de osso a fraturas decorrentes de força discreta (como pode ocorrer em pessoas idosas com... leia mais .

Pessoas que tiveram uma fratura em que a osteoporose havia sido um fator correm um risco muito maior de terem mais dessas fraturas.

Você sabia que...

  • Pessoas que tiveram uma fratura relacionada à osteoporose correm um risco muito maior de terem mais dessas fraturas.

Diagnóstico de osteoporose

  • Exame de densidade óssea

  • Nível de vitamina D

  • Exames para causas de osteoporose secundária

O médico pode suspeitar de osteoporose nas seguintes pessoas:

Exame de densidade óssea

Exames de densidade óssea podem ser utilizados para detectar ou confirmar a suspeita de osteoporose, mesmo antes de ocorrer uma fratura. Várias técnicas de triagem rápida estão disponíveis para medir a densidade óssea no dedo da mão ou no calcanhar por absorciometria de raios X de dupla energia Absorciometria de raios X de dupla energia (densitometria óssea, DXA) Muitas vezes, o médico pode diagnosticar uma doença musculoesquelética a partir do histórico e dos resultados de um exame físico. Exames laboratoriais, exames por imagem ou outros procedimentos... leia mais Absorciometria de raios X de dupla energia (densitometria óssea, DXA) (DXA), que podem ser utilizados para medir a densidade óssea nestes locais. No entanto, resultados de testes de triagem rápida devem ser confirmados com DXA convencional. DXA convencional, o exame mais útil, mede a densidade óssea na coluna e no quadril, que são os locais com maior probabilidade de ocorrerem fraturas importantes. Esse teste é indolor, envolve muito pouca radiação e pode ser realizado em cerca de 10 a 15 minutos. Ele pode ser útil para monitorar a resposta ao tratamento, bem como para se fazer o diagnóstico. A DXA também pode revelar osteopenia, um quadro clínico no qual a densidade óssea está diminuída, mas não tão intensamente como na osteoporose. As pessoas que têm osteopenia também têm risco aumentado de fraturas.

Outros exames

Podem ser feitos exames de sangue para medir os níveis de cálcio, vitamina D e hormônios.

Exames que determinam como o fígado e os rins estão funcionando também são realizados.

Podem ser necessários mais testes para descartar quadros clínicos tratáveis ​​que podem levar à osteoporose. Se um quadro clínico desses for identificado, o diagnóstico é chamado osteoporose secundária Osteoporose secundária A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas). O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o... leia mais Osteoporose secundária .

Prevenção da osteoporose

A prevenção da osteoporose tem geralmente mais sucesso do que o tratamento, pois é mais fácil prevenir a perda de densidade óssea do que restaurá-la depois que ela tiver sido perdida. Medidas preventivas são recomendadas para qualquer pessoa com perda óssea ou que tenha fatores de risco para a perda óssea, independentemente de terem tido ou não uma fratura por osteoporose. A prevenção da osteoporose envolve

Tratamento da osteoporose

  • Cálcio e vitamina D

  • Exercícios com suporte de peso

  • Medicamentos

  • Tratamento de fraturas

O tratamento da osteoporose também envolve garantir a ingestão adequada de cálcio e vitamina D e fazer exercícios com suporte de peso Exercícios com suporte de peso A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas). O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o... leia mais Exercícios com suporte de peso (como caminhar, subir escadas ou treinamento com pesos). O tratamento medicamentoso é geralmente recomendado. Ao tratar pessoas com osteoporose, os médicos também gerenciam outros quadros clínicos e fatores de risco capazes de piorar a osteoporose.

Cálcio e vitamina D

Consumir uma quantidade adequada de nutrientes, especialmente cálcio e vitamina D, é útil, especialmente antes de a densidade óssea máxima ser atingida (cerca de 30 anos de idade), mas também após esse período. A vitamina D ajuda o corpo a absorver cálcio.

Todos os homens e mulheres devem consumir, pelo menos, 1.000 miligramas de cálcio a cada dia. Mulheres na pós-menopausa, homens idosos, crianças passando pela puberdade e mulheres gestantes ou amamentando podem precisar consumir 1.200 a 1.500 miligramas a cada dia. Alimentos ricos em cálcio incluem laticínios (como leite e iogurte), determinados legumes e verduras (como brócolis) e nozes (como amêndoas).

É preferível usar fontes alimentares de cálcio do que suplementos (consulte a tabela Quantidade de cálcio em alguns alimentos Quantidade de cálcio em alguns alimentos A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas). O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o... leia mais Quantidade de cálcio em alguns alimentos ). Contudo, se a pessoa não conseguir consumir a quantidade recomendada apenas com a dieta, ela precisa tomar suplementos. Existem muitos preparados de cálcio disponíveis e alguns incluem vitamina D. Os suplementos mais comuns são carbonato de cálcio ou citrato de cálcio. Suplementos com citrato de cálcio devem ser tomados por pessoas que tomam um inibidor da bomba de prótons, como o omeprazol (que é usado para diminuir a produção de ácido no estômago), ou que fizeram uma cirurgia de bypass gástrico.

Tabela
icon

As pessoas devem consumir 800 a 1.000 unidades internacionais (UIs) de suplemento de vitamina D a cada dia. Pessoas com deficiência de vitamina D Deficiência de vitamina D A deficiência de vitamina D é mais comumente causada pela falta de exposição solar. Alguns distúrbios também podem causar a deficiência. A causa mais comum é a falta de exposição solar, geralmente... leia mais podem precisar de doses ainda mais elevadas. Às vezes, os médicos verificam o nível de vitamina D no sangue para determinar a quantidade de suplementos de vitamina D que deve ser tomada. As fontes alimentares mais comuns são os alimentos enriquecidos, como os cereais e os produtos lácteos. A vitamina D também está presente no óleo de fígado e de gordura de peixe. O suplemento de vitamina D costuma ser administrado como colecalciferol, a forma natural da vitamina D, ou como ergocalciferol, a forma sintética derivada de plantas.

Exercícios com suporte de peso

A prática de exercícios com suporte de peso, como caminhar Caminhada Existem muitas formas de exercício e cada tipo tem vantagens e desvantagens. Diferentes formas de exercício (por exemplo, Tai chi, Pilates e spinning) também estão em desenvolvimento contínuo... leia mais e subir escadas, aumenta a densidade óssea. Exercícios que não envolvem suporte de peso, como natação Nadar Existem muitas formas de exercício e cada tipo tem vantagens e desvantagens. Diferentes formas de exercício (por exemplo, Tai chi, Pilates e spinning) também estão em desenvolvimento contínuo... leia mais , não aumentam a densidade óssea, mas aumentam a força do tronco (“core”) e o equilíbrio, e reduzem o risco de quedas. A maioria dos especialistas recomenda cerca de 30 minutos de exercícios de sustentação de peso por dia. Um fisioterapeuta Fisioterapia (FT) A fisioterapia, um foco típico de reabilitação, consiste em exercitar e em manipular o corpo. Pode melhorar a função articular e muscular, ajudar as pessoas a ficarem em pé, equilibrar-se, andar... leia mais pode desenvolver um programa de exercícios que seja seguro para as pessoas e demonstrar como realizar as atividades diárias com segurança para minimizar o risco de quedas e de fraturas vertebrais.

Curiosamente, em mulheres na pré-menopausa, altos níveis de exercícios, como fazem os atletas, podem, na verdade, causar uma pequena redução na densidade óssea, pois esse nível de exercícios suprime a produção de estrogênio pelos ovários.

Medicamentos

A maioria dos medicamentos é utilizada tanto para prevenção como para tratamento.

Os bifosfonatos (alendronato, risedronato, ibandronato e ácido zoledrônico) são úteis na prevenção e tratamento de todos os tipos de osteoporose e geralmente são os primeiros medicamentos utilizados. Já foi demonstrado que bifosfonatos reduzem o turnover ósseo e, assim, reduzem a perda óssea e o risco de fraturas. O alendronato e o risedronato podem ser administrados pela boca (por via oral). O ácido zoledrônico pode ser administrado pela veia (por via intravenosa). O ibandronato pode ser tomado por via oral ou por via intravenosa.

O bifosfonato oral deve ser tomado em jejum com um copo cheio de água (240 ml) logo após a pessoa despertar pela manhã. Nenhum outro alimento, bebida ou medicamento deve ser consumido por 30 a 60 minutos após o bifosfonato ser tomado, pois os alimentos no estômago podem diminuir a absorção do medicamento. Visto que os bifosfonatos orais podem irritar a mucosa do esôfago, a pessoa não deve se deitar por, pelo menos, 30 minutos (60 minutos para o ibandronato) depois de tomar uma dose. Certas pessoas, incluindo as que têm dificuldade em engolir Dificuldade em engolir Algumas pessoas têm dificuldade para engolir (disfagia). Na disfagia, alimentos e/ou líquidos não se movem normalmente da garganta (faringe) para o estômago. As pessoas sentem que os alimentos... leia mais , sintomas gastrointestinais (por exemplo, azia ou náuseas) e certos distúrbios do esôfago ou estômago, não devem tomar bifosfonatos por via oral. Essas pessoas podem receber ibandronato ou ácido zoledrônico por via intravenosa. Além disso, as seguintes pessoas não devem tomar bifosfonatos:

  • Mulheres grávidas ou que estejam amamentando

  • Pessoas que têm baixos níveis de cálcio no sangue

  • Pessoas que têm doença renal grave

Até o momento, os médicos não sabem por quanto tempo as pessoas devem tomar bifosfonatos. A maioria das pessoas precisa tomar esses medicamentos por três a seis anos e algumas pessoas podem precisar tomá-los por até dez anos. O tempo durante o qual a pessoa precisa tomar bifosfonato é determinado pelo médico e se baseia no quadro clínico da pessoa e nos fatores de risco para fratura. Durante e após o tratamento com um bifosfonato, os médicos costumam fazer exames periódicos para determinar se a massa óssea está diminuindo. Se a massa óssea estiver diminuindo após a interrupção do bifosfonato, o tratamento com um bifosfonato ou outro medicamento pode ser reiniciado.

A osteonecrose da mandíbula Osteonecrose da mandíbula A osteonecrose da mandíbula é um distúrbio oral que envolve a exposição do osso da mandíbula. A osteonecrose da mandíbula pode ocorrer após uma extração dentária, lesão, radioterapia ou por... leia mais é um quadro clínico raro observado em algumas pessoas que tomam bifosfonatos. Nessa doença, o osso da mandíbula tem uma consolidação ruim, particularmente em pessoas que se submeteram a procedimentos odontológicos extensivos no osso da mandíbula. As pessoas que tomam bifosfonatos por via intravenosa, que receberam radioterapia da cabeça e do pescoço para tratar câncer ou uma combinação, estão em maior risco. No entanto, não está claro se os bifosfonatos causam osteonecrose da mandíbula e, em caso afirmativo, não se sabe quais os medicamentos particularmente que têm mais chances de provocar essa reação. Não há evidências de que parar de tomar bifosfonatos antes de procedimentos odontológicos previnam a osteonecrose. O risco de desenvolver osteonecrose da mandíbula é excepcionalmente baixo em pessoas tomando bifosfonatos e, em geral, os prováveis benefícios do tratamento da osteoporose para prevenir fraturas ósseas superam em muito os possíveis riscos. Quando usados como prescritos, os bifosfonatos previnem um número muito superior de fraturas em comparação aos casos de osteonecrose da mandíbula que podem causar.

O uso de bifosfonatos em longo prazo pode aumentar o risco de desenvolvimento de fraturas incomuns do osso da coxa (fêmur). Para reduzir o risco dessas fraturas, os médicos podem instruir as pessoas a parar de tomar bifosfonatos por 1 a 2 anos ou mais. Esses períodos planejados são chamados férias do bifosfonato ou “férias terapêuticas”. A duração das férias do bifosfonato é cuidadosamente considerada pelos médicos. Os médicos baseiam sua decisão em certos fatores, como a idade da pessoa, resultados da DXA, se ouve a ocorrência de fraturas e qual a probabilidade de a pessoa cair. As pessoas que estão em férias do bifosfonato devem ser monitoradas rotineiramente quanto à diminuição da densidade óssea. Como o risco de fratura aumenta enquanto as pessoas estão em férias terapêuticas, os médicos tentam equilibrar os benefícios dos bifosfonatos com os possíveis efeitos colaterais.

Em geral, quando usados como prescritos, os benefícios dos bifosfonatos na prevenção de fraturas ósseas muito superam os potenciais riscos.

A calcitonina, que inibe a decomposição óssea, é outro medicamento que pode ser usado no tratamento, mas não é prescrito com frequência. Não foi provado que a calcitonina diminua o risco de fraturas, mas pode ajudar a aliviar a dor causada pelas fraturas vertebrais. A calcitonina geralmente é administrada através de um spray nasal. Seu uso pode diminuir os níveis sanguíneos de cálcio, assim, esses níveis devem ser monitorados.

A terapia hormonal (por exemplo, com estrogênio) ajuda a manter a densidade óssea em mulheres e pode ser usada para prevenção ou tratamento. Essa terapia é mais eficaz quando iniciada em até quatro a seis anos após a menopausa, mas iniciá-la posteriormente ainda pode desacelerar a perda óssea e reduzir o risco de fraturas. No entanto, como os riscos da terapia hormonal podem exceder seus benefícios para muitas mulheres, em geral, a terapia hormonal não é a opção de tratamento utilizada. As decisões sobre o uso de terapia de reposição de estrogênio após a menopausa são complexas (consulte Terapia hormonal na menopausa Terapia hormonal para a menopausa A menopausa é o fim permanente das menstruações e, consequentemente, da fertilidade. Por vários anos antes e logo após a menopausa, os níveis de estrogênio variam muito, as menstruações tornam-se... leia mais Terapia hormonal para a menopausa ).

O raloxifeno é um medicamento semelhante ao estrogênio, que pode ser útil na prevenção e tratamento da perda óssea, mas não tem alguns dos efeitos colaterais negativos do estrogênio. O raloxifeno é utilizado em pessoas que não podem ou preferem não tomar bifosfonatos. O raloxifeno pode reduzir o risco de fraturas vertebrais e pode reduzir o risco de câncer de mama invasivo Extensão da disseminação O câncer de mama ocorre quando algumas células na mama se tornam anormais e se dividem de maneira descontrolada. O câncer de mama geralmente começa nas glândulas que produzem leite (lóbulos)... leia mais Extensão da disseminação .

Os homens não se beneficiam de estrogênio, mas podem se beneficiar da terapia de reposição de testosterona se o seu nível de testosterona for baixo.

O denosumabe é semelhante aos bifosfonatos Medicamentos A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas). O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o... leia mais Medicamentos , pois ele previne a perda óssea. O denosumabe é administrado como uma injeção sob a pele em um consultório médico duas vezes ao ano. Tal como os bifosfonatos, o denosumabe muito raramente causa osteonecrose da mandíbula e pode aumentar o risco de desenvolver fraturas incomuns no osso da coxa. O denosumabe tem sido estudado em pacientes com doença renal crônica e, com monitoramento apropriado, verificou-se que é seguro para uso. As pessoas que tomam denosumabe não devem esquecer de tomar ou tirar “férias terapêuticas”, pois doses atrasadas ou parar esse medicamento pode causar perda da densidade óssea e pode aumentar o risco de fraturas vertebrais.

O romosozumabe aumenta a densidade óssea no quadril e coluna lombar e reduz o risco de fratura em mulheres na pós-menopausa. O romosozumabe é administrado como uma injeção uma vez ao mês, durante um ano. As pessoas não devem tomar romosozumabe no período de 12 meses após terem tido um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

Agentes anabólicos (teriparatida e abaloparatida) aumentam a formação de osso novo, aumentam a densidade óssea e diminuem a probabilidade de fraturas. Teriparatida (uma forma sintética do hormônio da paratireoide) e abaloparatida (um medicamento semelhante ao hormônio da paratireoide) podem ser injetadas diariamente em pequenas quantidades. Essa terapia é usada em algumas pessoas que

  • Desenvolvem perda óssea significativa ou novas fraturas durante o tratamento com um bifosfonato

  • Não podem tomar bifosfonatos

  • Têm osteoporose excepcionalmente grave ou muitas fraturas (especialmente fraturas vertebrais)

  • Têm osteoporose causada devido ao uso de corticosteroides

O romosozumabe também atua como agente anabolizante.

Tratamento de dor e fraturas

Dor nas costas resultante de uma fratura por compressão vertebral Fraturas de compressão da coluna Em uma fratura de compressão da coluna, a parte em forma de barril (corpo) de um ou mais ossos das costas (vértebras) sofre colapso e é esmagada (comprimida) adquirindo uma forma de cunha. A... leia mais Fraturas de compressão da coluna deve ser tratada com analgésicos e, às vezes, com calor úmido Terapia quente Terapeutas profissionais de reabilitação tratam a dor e a inflamação. Esse tratamento facilita o movimento e permite que as pessoas participem mais integralmente da reabilitação. As técnicas... leia mais e massagem Massagem Terapeutas profissionais de reabilitação tratam a dor e a inflamação. Esse tratamento facilita o movimento e permite que as pessoas participem mais integralmente da reabilitação. As técnicas... leia mais e/ou dispositivos de apoio (como coletes ortopédicos). Pessoas podem tomar calcitonina para diminuir a dor causada por fraturas vertebrais. Exercícios para fortalecer os músculos das costas podem ajudar a aliviar a dor crônica nas costas. Após uma fratura, em geral, as pessoas devem evitar repouso no leito e levantar objetos pesados. Assim que forem capazes, as pessoas devem fazer exercícios de sustentação de peso Exercícios com suporte de peso A osteoporose é um quadro clínico em que uma redução da densidade dos ossos enfraquece os ossos, tornando-os suscetíveis a quebra (fraturas). O envelhecimento, a deficiência de estrogênio, o... leia mais Exercícios com suporte de peso .

A vértebra colapsada pode ser reparada por um procedimento chamado vertebroplastia. Nesse procedimento, que leva cerca de uma hora para cada vértebra, um material chamado metacrilato de metila (MMA) — um cimento de osso acrílico — é injetado na vértebra colapsada, ajudando a aliviar a dor e a reduzir a deformidade. A cifoplastia é um procedimento semelhante, no qual um balão ortopédico é usado para expandir a vértebra de volta a sua forma normal, antes da injeção de MMA. Com a vertebroplastia e a cifoplastia, a deformidade pode ser reduzida no osso que recebeu MMA, mas o risco de fraturas em ossos adjacentes na coluna ou nas costelas não diminui e pode até aumentar. Outros riscos podem incluir fraturas de costela, vazamento de cimento e, possivelmente, problemas cardíacos ou pulmonares. Não ficou claramente determinado quando esses procedimentos devem ser feitos.

Mais informações sobre osteoporose

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Teste os seus conhecimentos
Artrite reativa
A artrite reativa causa inflamação das articulações e dos ligamentos das articulações. Ela é chamada “reativa” porque frequentemente ocorre em reação a uma infecção. Em qual dos órgãos seguintes é mais provável que ocorra tal infecção?
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS