honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Tomografia por emissão de pósitrons (PET)

Por

Mehmet Kocak

, MD, Rush University Medical Center

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A positron emission tomography (PET) utiliza compostos contendo radioisótopos que apresentam decaimento, liberando um pósitron (o equivalente positivo de um elétron). Os pósitrons liberados se associam a um elétron e produzem 2 fótons cujas vias estão separados a 180°. Sistemas detectores em anel, ao redor da fonte emissora de pósitrons, detectam 2 fótons simultaneamente para localizar a fonte e produzir imagens coloridas da área. Por meio da incorporação de radioisótopos emissores de pósitrons em compostos ativos metabolicamente, a PET fornece informações sobre a função do tecido. O valor convencional de absorção (SUV, do inglês Standard Uptake Value) indica a atividade metabólica de uma lesão; a intensidade da cor aumenta tipicamente diante de SUVs mais elevados.

O composto mais comumente utilizado na PET clínica

  • Desoxiglicose marcada com flúor-18 (18F) (FDG)

FDG é um análogo da glicose e sua captação é proporcional às taxas metabólicas de glicose. As taxas metabólicas relativas de glicose são expressas como valor de captação padronizado (SUV) e calculadas pela divisão da captação pela dose injetada dividida pelo peso corporal do paciente.

Usos da PET

A PET tem diversas indicações clínicas, como

  • Câncer (p. ex., estadiamento e avaliação de tipos de cânceres específicos e avaliação da resposta ao tratamento), que o corresponde a 80% da utilização da PET

  • Função cardíaca (p. ex., para avaliar a viabilidade miocárdica e detectar miocárdio hibernante)

  • Função neurológica (p. ex., avaliação de demência e convulsões)

As aplicações da PET continuam a ser investigadas. Nem todas as aplicações são reembolsáveis nos Estados Unidos.

Variações

PET-TC

As informações funcionais fornecidas por PET são sobrepostas às informações anatômicas obtidas pela TC.

Desvantagens da PET

A dose de radiação efetiva típica durante PET é de cerca de 7 mSv. A dose de radiação efetiva em PET-TC é de 5 a 18 mSv.

A produção de FDG requer uso de um ciclotron. FDG tem uma meia-vida curta (110 minutos); assim, a expedição a partir do fabricante e a conclusão do mapeamento devem ocorrer muito rapidamente. As despesas resultantes, inconveniência e pequena praticidade limitam muito a disponibilidade do PET.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS