Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Ressonância magnética

Por

Mehmet Kocak

, MD, Rush University Medical Center

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

A ressonância magnética (RMI) produz imagens de cortes finos de tecidos (imagens tomográficas) utilizando um campo magnético e ondas de rádio. Normalmente os prótons no interior dos tecidos giram para produzir pequenos campos magnéticos que são randomicamente alinhados. Quando circundados por um forte campo magnético, como na máquina de RMI, os eixos magnéticos se alinham ao longo do campo. A aplicação de um pulso de radiofrequência causa alinhamento momentâneo dos eixos de muitos prótons contra o campo em um estado de alta energia. Após o pulso, os prótons relaxam de volta ao seu estado inicial dentro do campo magnético do aparelho de RM. A magnitude e a taxa de liberação de energia que ocorre na volta ao alinhamento inicial (relaxamento T1) e a oscilação (precessão) dos prótons durante o processo (relaxamento T2) são registrados como intensidades de sinais espacialmente localizados por uma bobina (antena) instalada dentro do dispositivo de RM. Algoritmos de computadores analisam estes sinais e produzem imagens anatômicas detalhadas.

A intensidade relativa dos sinais (brilho) dos tecidos em uma imagem de RM é determinada por múltiplos fatores

  • Formas de onda de impulso de radiofrequência e gradiente utilizadas para obter a imagem

  • Características intrínsecas em T1 e T2 de diferentes tecidos

  • Densidade de prótons dos diferentes tecidos

Através do controle das radiofrequências de pulso e das ondas de gradientes, progra- mas de computador determinam como uma imagem é obtida (ponderada) e como os vários tecidos aparecem. As imagens podem ser

  • ponderada em T1

  • ponderada em T2

  • Densidade ponderada por prótons

Por exemplo, gordura aparece brilhante (alta intensidade de sinal) nas imagens ponderadas em T1 e relativamente escura (baixa intensidade de sinal) nas imagens ponderadas em T2, água e líquidos aparecem relativamente escuros em imagens ponderadas em T1 e brilhantes nas imagens ponderadas em T2. As imagens ponderadas em T1 mostram de forma ideal a anatomia de tecidos moles e gordura (p. ex., para confirmar uma massa que contém gordura). Imagens ponderadas em T2 mostram, idealmente, líquidos e patologias (p. ex., tumores, inflamação, trauma). Na prática, as imagens ponderadas em T1 e T2 fornecem informações complementares, de forma que ambas são importantes para caracterizar a patologia.

Os aparelhos de RM de alta resolução introduzidos recentemente aumentam a qualidade da imagem e a precisão do diagnóstico.

Usos da RM

A RM é preferível à TC quando a resolução de tecidos moles precisa ser alta e detalhada (p. ex., para avaliar alterações da medula espinal ou intracranianas ou para avaliar suspeita de tumores musculoesqueléticos, inflamação, trauma ou alterações articulares). A RM também ajuda a avaliar:

  • Imagem vascular: a angiorressonância (MRA) é usada para examinar as artérias com boa precisão diagnóstica e esse método é menos invasivo do que angiografia convencional. O agente de contraste gadolínio é utilizado algumas vezes. A AMR pode ser utilizada para obter imagens da aorta torácica e abdominal e de artérias cerebrais, cervicais, de órgãos abdominais, rins e membros inferiores. A imagem venosa (venografia por ressonância magnética, ou VRM) oferece as melhores imagens das alterações venosas, como trombose e anomalias.

  • Anormalidades hepáticas e do trato biliar: A colangiopancreatografia por ressonância magnética (MRCP) é particularmente útil como um método de imagem não invasivo, altamente preciso de imagem dos sistemas biliares e ductos pancreáticos.

  • Massas nos órgãos reprodutivos femininos: a RM complementa a ultrassonografia para caracterizar massas anexiais e estadiar os tumores uterinos.

  • Certas fraturas: por exemplo, a MRI pode fornecer imagens precisas de fraturas de quadril em pacientes com osteopenia.

  • Infiltrado na medula óssea e metástases ósseas

A RM também pode substituir a TC com contraste em pacientes com alto risco de reação a meios de contraste iodados.

Contraste

Na RM, os meios de contraste podem ser utilizados para destacar as estruturas vasculares e para ajudar a caracterizar inflamações e tumores.

Os agentes mais comumente utilizados são os derivados do gadolínio, que tem propriedades magnéticas que afetam o tempo de relaxamento dos prótons. A RM de uma articulação pode exigir a aplicação intra-articular de um derivado de gadolínio diluído.

Variações da RM

MRI de difusão (imagem ponderada em difusão)

A intensidade do sinal é relacionada com a difusão das moléculas de água no tecido. Esse tipo de RM pode ser utilizado para

  • Detecção precoce de infarto e isquemia cerebral

  • Detectar doença da substância branca do cérebro

  • Estadiar vários tumores, como câncer de pulmão de células não pequenas

Imagem ecoplanar

Esta técnica ultrarrápida (imagens obtidas em < 1 segundo) é utilizada para difusão, perfusão e imagens funcionais do cérebro e do coração. Suas vantagens potenciais incluem mostrar atividade cerebral e cardíaca e reduzir os artefatos de movimento. Entretanto, sua utilização é limitada devido à necessidade de equipamento especial, sendo mais sensível a vários artefatos que a RM convencional.

RM funcional

A MRI funcional é utilizada para avaliar atividade cerebral por localização.

No tipo mais comum, o cérebro é mapeado em baixa resolução com muita frequência (p. ex., 2 a 3 segundos). A alteração da hemoglobina oxigenada pode ser diferenciada e utilizada para estimar a atividade metabólica de diferentes partes do cérebro.

Algumas vezes os pesquisadores fazem RM funcional enquanto as pessoas executam diferentes tarefas cognitivas (p. ex., resolver uma equação matemática); presume-se que as partes metabolicamente ativas do cérebro sejam as estruturas mais envolvidas nesta tarefa específica. A correlação da função e da anatomia cerebrais dessa maneira é denominada de mapeamento cerebral.

A RM funcional é usada principalmente em pesquisas, mas é cada vez mais utilizada na prática clínica.

Imagem ecogradiente

O gradiente eco é a sequência de pulso que pode ser utilizada para imagem rápida do sangue em movimento e do líquor (p. ex., em MRA). Pela sua rapidez, esta técnica pode minimizar os artefatos de movimentação (p. ex., embaçamento) durante a captura das imagens que exigem que o paciente prenda a respiração (p. ex., durante a realização de imagem de estruturas cardíacas, pulmonares e abdominais).

Espectroscopia por ressonância magnética (MRS)

A MRS associa a informação obtida pela imagem por RM (principalmente baseada no conteúdo de água e gordura dos tecidos) com as imagens da ressonância nuclear magnética. A MRS fornece informações sobre metabólitos nos tecidos e alterações bioquímicas; essas informações podem ajudar a diferenciar certos tipos de tumores e outras alterações.

Enterografia por ressonância magnética

A enterografia por ressonância tornou-se popular, especialmente para os exames de imagem de acompanhamento de crianças com diagnóstico de doença inflamatória do intestino delgado.

Como a enterografia por ressonância magnética não usa radiação ionizante, tem uma vantagem em relação à enterografia por TC.

RM por perfusão

MRI por perfusão é um método para avaliar o fluxo cerebral relativo. Pode ser usada para detectar

  • Áreas de isquemia durante realização de imagens de um acidente vascular encefálico

  • Áreas de aumento da vascularização que podem indicar tumores

Essas informações podem auxiliar a biópsia direta.

RM PET

A RM PET associa a PET funcional à RM de corpo inteiro. As sequências de inversão da recuperação ponderada em T1 e T1 curta (STIR) são utilizadas com frequência. Este método é novo e está disponível apenas em alguns grandes centros médicos.

Desvantagens da RM

A RM é relativamente cara, exige mais tempo para obter as imagens do que TC e pode não estar imediatamente disponível em todos os lugares.

Outras desvantagens são os problemas relacionados com

  • O campo magnético

  • A claustrofobia do paciente

  • Reações a contraste

Campo magnético

MRI é relativamente contraindicada em pacientes com implante de material que possa ser afetado pelo potente campo magnético. Esses materiais são

  • Metal ferromagnético (ou seja, contendo ferro)

  • Dispositivos médicos magnéticos ou eletrônicos (p. ex., marca-passo, cardioversor desfibrilador implantável e implantes cocleares)

  • Cabos ou materiais elétricos não ferromagnéticos (p. ex., cabos de marca-passo ou alguns cateteres de artéria pulmonar)

O material ferromagnético pode ser deslocado pelo forte campo magnético, lesando algum órgão próximo; p. ex., o deslocamento dos grampos vasculares pode resultar em hemorragia. O deslocamento é mais provável se o material tiver sido colocado há < 6 semanas (antes da formação de tecido cicatricial). Os materiais ferromagnéticos também podem causar artefatos nas imagens.

Instrumentos médicos ativados magneticamente podem apresentar disfunções.

Os campos magnéticos podem induzir correntes em qualquer material suficientemente forte condutor para produzir calor capaz de queimar os tecidos.

A compatibilidade da MRI com um instrumento ou objeto pode ser específico para um tipo de instrumento, componentes ou fabricante (ver o MRI safety web site). Os pacientes com dispositivo implantável só devem ser colocados no campo magnético da RM depois que os profissionais tiverem certeza de que a RM seja segura com esse dispositivo no local. Além disso, as máquinas de MRI de diferentes forças de campos magnéticos têm efeitos diferentes sobre materiais, de forma que a segurança em uma máquina não assegura a segurança em outra.

O campo magnético da RM é muito forte e pode estar sempre ligado. Assim, um objeto ferro-magnético (p. ex., tanque de oxigênio, alguns suportes intravenosos) na entrada da sala de exame, pode ser atraído para o tubo magnético em alta velocidade e causar lesão a qualquer um que esteja no caminho. A única maneira de separar o objeto do aparelho pode ser desligar (inibir) o campo magnético.

Claustrofobia

O tubo de imagem de uma máquina de MRI é um espaço apertado e fechado e pode desencadear claustrofobia, mesmo em pacientes sem fobias ou ansiedade prévias. Alguns pacientes obesos não cabem na máquina. A pré-medicação com ansiolítico (p. ex., alprazolam ou lorazepam, 1 a 2 mg por via oral), 15 a 30 minutos antes do exame, é eficaz para a maioria dos pacientes ansiosos.

Os aparelhos de RM com um lado aberto podem ser usados para os pacientes com claustrofobia (ou aqueles com obesidade mórbida). As imagens obtidas durante a RM aberta podem ser inferiores às dos aparelhos fechados, dependendo da força do campo magnético, mas geralmente são suficientes para fazer um diagnóstico.

O paciente deve ser avisado que a máquina de RM faz ruídos altos de batidas durante o exame.

Reações a contraste

Os meios de contraste venoso com gadolínio podem causar cefaleia, náuseas, dor e disgeusia, assim como sensação de frio no local da aplicação.

As reações graves ao contraste são raras e muito menos comuns do que com os meios de contraste iodados.

Contudo, a fibrose sistêmica nefrogênica é um risco para os pacientes com comprometimento da função renal. A fibrose sistêmica é uma doença rara, porém com risco de vida, com fibrose de pele, vasos sanguíneos e órgãos internos, resultando em incapacidade grave ou morte. Para os pacientes com comprometimento da função renal, os riscos e benefícios da RM com contraste devem ser ponderados, além das seguintes recomendações:

  • Usar gadolínio apenas quando necessário e na menor dose possível.

  • Verificar a função renal se houver suspeita clínica de diabetes, desidratação ou insuficiência cardíaca, se os pacientes estiverem tomando certos fármacos que podem causar insuficiência renal, ou se os pacientes forem idosos. (Pacientes com uma taxa de filtração glomerular < 30 mL/minuto/1,73 m2 não devem receber meios de contraste com gadolínio. Se TFG estiver entre 30 e 60 mL/minuto/1,73m2, os pacientes podem receber hidratação venosa antes da administração do contraste.)

  • Considerar métodos de imagem alternativos.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como ajustar e usar muletas
Vídeo
Como ajustar e usar muletas

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS