Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Caxumba

(Parotidite Epidêmica)

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Caxumba é uma doença viral sistêmica aguda e contagiosa, que costuma causar hipertrofia dolorosa das glândulas salivares, mais comumente das parótidas. Complicações podem incluir orquite, meningoencefalite e pancreatite. O diagnóstico geralmente é clínico; todos os casos devem ser imediatamente notificados às autoridades de saúde pública. O tratamento é de suporte. A vacinação é eficaz para prevenção.

A maioria dos vírus que infectam seres humanos pode afetar adultos e crianças e é discutida em outras partes deste Manual. Viroses com efeitos específicos em recém-nascidos são discutidas em Infecções em recém-nascidos. Este capítulo abrange as infecções virais que são normalmente adquiridas durante a infância (embora muitas também possam afetar adultos).

O agente etiológico do sarampo, um paramixovírus, é disseminado por gotículas ou saliva. O vírus provavelmente entra pelo nariz ou pela boca. Permanece na saliva por 7 dias antes de o edema da glândula salivar aparecer com transmissibilidade máxima um pouco antes do aparecimento da parotidite. É encontrado também no sangue, na urina e no líquor, se houver envolvimento do sistema nervoso central. Um episódio geralmente confere imunidade permanente.

A caxumba é menos contagiosa do que o sarampo. Acontece principalmente em populações não imunizadas, mas ocorreram surtos entre populações amplamente imunizadas. Uma combinação de falha primária da vacina (imunidade não obtida após a vacinação) e diminuição da imunidade pode ter desempenhado um papel nesses surtos. Em 2006, nos EUA, houve o ressurgimento da caxumba com 6.584 casos, que aconteceram principalmente entre jovens adultos com história de vacinação. Desde então, surtos esporádicos, principalmente em campus universitários e em outras comunidades coesas, contribuíram para a oscilação dos casos de um mínimo de 229 em 2012 para um máximo de 6.366 em 2016 e 6.109 em 2017 [Ver Centers for Disease Control and Prevention (CDC) Mumps Cases and Outbreaks].

Assim como no sarampo, os casos de caxumba podem ser importados, levando à transmissão nativa, especialmente em locais de aglomeração (p. ex., campus da faculdade) ou comunidades fechadas (p. ex., comunidades judias tradicionais). O pico de incidência da caxumba é durante o final do inverno e o início da primavera. A doença ocorre em qualquer idade, mas é incomum em crianças < 2 anos, particularmente aquelas < 1 anos. Aproximadamente 25 a 30% dos casos são clinicamente inaparentes.

Sinais e sintomas

Após 12 a 24 dias de período de incubação, a maioria das pessoas desenvolve cefaleia, anorexia, mal-estar e febre de grau baixo a moderado. O envolvimento de glândulas salivares ocorre 12 a 24 horas mais tarde, acompanhado por febre de até 39,5 ou 40° C. A febre persiste por 24 a 72 horas. Picos de tumefação glandular surgem aproximadamente no 2º dia e nos últimos 5 a 7 dias. As glândulas envolvidas são extremamente sensíveis durante o período febril.

A parotidite geralmente é bilateral, mas pode ser unilateral, especialmente no início. Dor ao mastigar ou engolir, em especial líquidos ácidos como vinagre ou sucos cítricos, é o sintoma inicial. Em seguida, produz edema além da parótida, na frente e abaixo da orelha. Algumas vezes, as glândulas submandibulares e sublinguais também se tornam edemaciadas e, mais raramente, são as únicas glândulas afetadas. O envolvimento da glândula submandibular produz edema no pescoço, abaixo da mandíbula e possível edema supraesternal, talvez em razão da obstrução linfática por aumento das glândulas salivares. Com o envolvimento da glândula sublingual, a língua pode se edemaciar. As aberturas dos ductos orais das glândulas afetadas ficam edemaciadas e ligeiramente inflamadas. A pele sobre as glândulas pode se tornar tensa e brilhante.

Complicações

A caxumba pode envolver órgãos diferentes das glândulas salivares, em particular em pacientes pós-púberes. As complicações incluem

  • Orquite ou ooforite

  • Meningite ou encefalite

  • Pancreatite

Cerca de 20% dos pacientes do sexo masculino pós-púberes desenvolvem orquite (inflamação testicular), geralmente unilateral, com dor, sensibilidade, edema, eritema e sensação de calor no escroto. Isso pode ser seguido por alguma atrofia testicular, mas a produção de testosterona e a fertilidade normalmente são preservadas. No sexo feminino, ooforite (envolvimento gonádico) é menos reconhecida, na maioria das vezes por ser menos dolorosa e não comprometer a fertilidade.

Meningite, tipicamente com cefaleia, vômitos, rigidez cervical e pleocitose no líquor, ocorre em 1 a 10% dos casos com parotidite. Encefalite, com sonolência, convulsões, ou coma, ocorre em cerca de 1/5000 a 1/1000 casos. Aproximadamente 50% das infecções do sistema nervoso central por caxumba acontecem sem parotidite.

Pancreatite, na maioria das vezes com náuseas, vômitos e dor epigástrica súbitos e intensos, pode ocorrer no final da primeira semana. Esses sintomas desaparecem em cerca de 1 semana, levando à completa recuperação.

Prostatite, nefrite, miocardite, mastite, poliartrite, surdez e envolvimento da glândula lacrimal ocorrem com extrema raridade. A inflamação da glândula tireoide e do timo pode provocar edema e aumento sobre o esterno, mas, de modo mais frequente, é resultante do envolvimento da glândula submandibular com obstrução da drenagem linfática.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • Detecção viral via PCR por transcrição reversa (RT-PCR)

  • Exames sorológicos

Suspeita-se de caxumba em pacientes com inflamação de glândulas salivares e sintomas sistêmicos típicos, em particular quando há parotidite ou surtos de caxumba conhecidos. O exame laboratorial não é necessário para o diagnóstico, mas é fortemente recomendado por motivos de saúde pública. Para outras condições que podem provocar envolvimento glandular semelhante, ( Outras causas do aumento das glândulas parótidas e outras glândulas salivares). Também se suspeita de caxumba em meningite asséptica inexplicada ou encefalite, durante surtos de caxumbas. Punção lombar é necessária para pacientes com sinais meníngeos.

Tabela
icon

Outras causas do aumento das glândulas parótidas e outras glândulas salivares

Parotidite supurativa bacteriana

Parotidite por HIV

Parotidite por outros vírus

Distúrbios metabólicos (p. ex., uremia, diabetes melito)

Síndrome de Mikulicz (edema crônico, geralmente indolor, das glândulas parótida e lacrimal, de etiologia desconhecida, que ocorre em tuberculose, sarcoidose, lúpus erimatoso sistêmico, leucemia e linfossarcoma)

Tumores de glândula salivar, malignos e benignos

Aumento de parótida relacionado com fármacos (p. ex., decorrente de iodetos, fenilbutazona, ou propiltiouracila)

É necessário o diagnóstico laboratorial da caxumba se a doença é

  • Unilateral

  • Recorrente

  • Ocorre em pacientes previamente imunizados

  • Causa envolvimento proeminente de outros tecidos além das glândulas salivares

Também recomenda-se teste para caxumba em todos os pacientes com parotidite com duração 2 dias sem causa identificada. RT-PCR é o método preferido de diagnóstico; entretanto, testes sorológicos de soros agudos e convalescentes por fixação do complemento ou ensaio de imunoadsorção enzimática (ELISA) e cultura de vírus da garganta, LCS e, ocasionalmente, urina podem ser feitos. Em populações previamente imunizadas, testes para IgM pode ser falsamente negativos; portanto, deve-se realizar os ensaios com RT-PCR devem ser realizados em amostras de saliva ou esfregaços da garganta o mais rápido possível no curso da doença.

Outros exames laboratoriais geralmente são desnecessários. Na meningite asséptica indiferenciada, um nível elevado de amilase sérica pode ser uma dica útil no diagnóstico da caxumba apesar da ausência de parotidite. A contagem de leucócitos não é específica; pode ser normal, mas geralmente mostra leve leucopenia e neutropenia. Em meningite, a glicose no líquor é comumente normal, mas algumas vezes permanece entre 20 e 40 mg/dL (1,1 e 2,2 mmol/L), como em meningite bacteriana. A proteína no líquor encontra-se apenas discretamente elevada.

Prognóstico

A caxumba não complicada geralmente se resolve, embora uma recaída raramente ocorra depois de cerca de 2 semanas. O prognóstico de meningite normalmente é bom, embora possa haver sequelas permanentes, como surdez de nervo unilateral (algumas vezes, bilateral) ou paralisia facial. Encefalite pós-infecciosa, ataxia cerebelar aguda, mielite transversa e polineurite raramente ocorrem.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

O tratamento da caxumba e de suas complicações é de suporte. O paciente é isolado até que o edema da glândula diminua. Uma dieta leve reduz a dor provocada pela mastigação. Devem ser evitadas substâncias ácidas (p. ex., sucos de frutas cítricas), que causam desconforto.

Vômitos repetidos decorrentes de pancreatite podem demandar hidratação por via intravenosa (IV). Para orquite, deve-se fazer repouso no leito e apoiar o escroto com uma faixa de algodão entre as coxas, minimizando a tensão, assim como aplicar compressas de gelo, que com frequência aliviam a dor. Corticoides não demonstraram acelerar a resolução da orquite.

Prevenção

A imunização com vacina de vírus vivos da caxumba (também Cronograma de imunização recomendado para idades de 0–6 anos e Cronograma de imunização recomendado para idades de 7–18 anos) fornece prevenção efetiva, não produz qualquer reação local ou sistêmica significante e requer somente uma injeção. São recomendadas para as crianças duas doses, administradas como uma combinação de vacina para sarampo, caxumba e rubéola:

  • A primeira dose aos 12 a 15 meses de idade

  • A segunda dose aos 4 anos a 6 anos de idade

Os adultos nascidos durante ou após 1957 devem tomar 1 dose, a menos que tenham tido diagnóstico de caxumba feito por um profissional de saúde. Essas vacinas de vírus vivos não devem ser administradas a gestantes e pessoas com o sistema imunitário comprometido.

A vacinação pós-exposição não protege contra a caxumba desta exposição. Imunoglobulina para caxumba não mais está disponível, e imunoglobulina sérica não é útil. Os Centers for Disease Control and Prevention recomendam isolamento dos pacientes infectados com precauções padrão contra gotículas respiratórias por 5 dias após o início da parotidite. Deve-se vacinar os contatos suscetíveis. Recomenda-se uma 3ª dose para pessoas previamente imunizadas com maior risco de caxumba durante um surto, como determinado pelas autoridades de saúde pública. Não há dados sólidos, mas uma 3ª dose e medidas adicionais podem ajudar a controlar um surto (1). Profissionais de saúde assintomáticos não imunes devem ser dispensados do trabalho depois de 11 dias da exposição inicial até 25 dias após a última exposição.

Referência sobre prevenção

  • 1. Marin M, Marlow M, Moore KL, Patel M: Recommendation of the Advisory Committee on Immunization Practices for use of a third dose of mumps virus–containing vaccine in persons at increased risk for mumps during an outbreak. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 67:33–38, 2018. doi: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm6701a7.

Pontos-chave

  • A caxumba causa hipertrofia dolorosa das glândulas salivares, mais comumente das parótidas.

  • Os casos podem ocorrer em pessoas vacinadas por causa de falha da vacinação primária ou imunidade em declínio.

  • Cerca de 20% dos homens pós-púberes infectados desenvolvem orquite, geralmente unilateral; pode ocorrer alguma atrofia testicular, mas a produção de testosterona e a fertilidade normalmente são preservadas.

  • Outras complicações incluem orquite, meningoencefalite e pancreatite.

  • Diagnóstico laboratorial é feito principalmente por questão de saúde publica e, quando as manifestações da doença são atípicas, como ausência de parotidite, unilateral ou recorrente, em pacientes previamente imunizados, ou envolvimento proeminente dos tecidos além das glândulas salivares.

  • A vacinação universal é fundamental, a menos que contraindicada (p. ex., gestação ou imunossupressão grave).

Informações adicionais

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Vídeo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto
Modelo 3D
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS