honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Reidratação oral

Por

Michael F. Cellucci

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A hidratação oral é eficaz, segura, conveniente e mais barata, comparada à hidratação IV. A terapia oral com líquidos é recomendada pela American Academy of Pediatrics e OMS e deve ser utilizada em crianças com desidratação leve a moderada, capazes de ingerir, a menos que apresentem vômitos ou distúrbios de base (p. ex., cirurgia abdominal, obstrução intestinal).

Soluções

As soluções de reidratação oral (SRO) devem conter

  • Carboidrato complexo ou glicose a 2%

  • 50 a 90 mEq/L (50 a 90 mmol/L) de sódio

Bebidas esportivas, refrigerantes, sucos e similares não atendem esses critérios e não devem ser utilizados. Elas geralmente contêm muito pouco sódio e muito mais carboidratos para tirar vantagem do co-transporte de sódio/glicose, e o efeito osmótico do excesso de carboidrato pode provocar perda adicional de líquidos. O co-transporte de sódio/glicose no intestino é otimizado com uma razão sódio:glicose de 1:1.

O soro para a reidratação oral é recomendado pela OMS e geralmente é vendido sem prescrição. A maioria vem sob a forma de pó, que será misturado com água. Dissolve-se um pacote de SRO em 1 L de água para produzir uma solução salina contendo o seguinte (em mmol/L):

  • SRO padrão da OMS: sódio 90, potássio 20, cloreto 80, citrato 10 e glicose 111

  • SRO com osmolaridade reduzida da OMS: sódio 75, potássio 20, cloreto 65, citrato 10 e glicose 75

Também pode ser produzida manualmente adicionando a 1 L de água, 3,5 g de sal de cozinha, 2,9 g de citrato trissódico (ou 2,5 g de bicarbonato de sódio), 1,5 g de cloreto de potássio e 20 g de glicose.

A SRO é eficiente em pacientes desidratados, independentemente de idade, causa ou tipo de distúrbio eletrolítico (hiponatremia, hipernatremia ou isonatremia), desde que os rins estejam funcionando normalmente.

Soluções comerciais pré-misturadas também estão prontamente disponíveis na maioria das farmácias e supermercados. Essas soluções são eficazes, apesar de terem uma razão sódio:glicose de cerca de 1:3 (45 mEq/L [45 mmol/L] de sódio para 140 mmol/L de glicose).

Administração

Na desidratação leve, geralmente administram-se 50 mL/kg por 4 horas e na desidratação moderada, 100 mL/kg. Para cada evacuação diarreica, adicionam-se 10 mL/kg (até 240 mL). Após 4 horas, o paciente é reavaliado. Se os sinais de desidratação persistirem, repete-se o mesmo volume. Pacientes com cólera podem necessitar de muitos litros de líquidos/dia.

Em geral, vômitos não devem deter a hidratação oral (a menos que haja obstrução intestinal ou outras contraindicações à ingestão oral de líquidos) porque vômitos normalmente diminuem com o tempo. São utilizadas doses pequenas e frequentes, começando com 5 mL a cada 5 minutos e aumentado gradualmente se bem toleradas. O volume calculado necessário ao longo de um período de 4 horas pode ser dividido em 4 quotas separadas. Essas 4 quotas podem então ser divididas em 12 quotas menores e administradas a cada 5 minutos ao longo de uma hora com uma seringa se necessário.

Em crianças com diarreia, a ingestão oral muitas vezes precipita fezes diarreicas, assim o mesmo volume deve ser dado em menos quotas.

Após o deficit ser corrigido, pode-se usar soro fisiológico oral de manutenção contendo menos sódio. Tão logo sejam reidratadas e não mais vomitem, as crianças podem se alimentar com uma dieta própria para a idade. Os lactentes retornam ao leite materno ou à mamadeira.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS