Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Hábitos de higiene

Por

Deborah M. Consolini

, MD,

  • Assistant Professor of Pediatrics
  • Sidney Kimmel Medical College of Thomas Jefferson University
  • Chief, Division of Diagnostic Referral
  • Nemours/Alfred I. duPont Hospital for Children
  • Staff Pediatrician in Pediatric Liver Transplantation Program
  • Nemours/Alfred I. duPont Hospital for Children

Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Hábitos de higiene envolvem o reconhecimento da prontidão para a implementação de etapas separadas de higiene: argumentação, tirar a roupa, excretar, vestir-se novamente, limpar-se e lavar as mãos.

Pode-se treinar a maioria das crianças para controle intestinal entre 2 e 3 anos e, para controle vesical, entre 3 e 4 anos. Aos 5 anos, a maioria das crianças é capaz de ir ao banheiro sozinha. Para crianças 4 anos, ver Incontinência urinária em crianças e ver Incontinência fecal em crianças.

A chave do sucesso do treinamento de higiene está no reconhecimento de sinais de prontidão para o treinamento (em geral, nas idades de 18 a 24 meses):

  • As crianças devem permanecer secas por várias horas.

  • Elas devem mostrar interesse em sentar-se no vaso sanitário e expressar sinais visíveis de estar preparadas para urinar ou defecar.

  • Elas também desejam ser trocadas.

  • Elas demonstram habilidades para colocar as coisas no lugar, de poder entender e executar simples comandos verbais.

Abordagens para o treinamento de higiene devem ser consistentes para todos os que cuidam da criança.

O método do momento oportuno é a abordagem mais comum. No momento em que a criança demostra prontidão, os pais dialogam com ela sobre o que vai acontecer, selecionando palavras que a criança possa entender facilmente e falar. A criança vestida vai, aos poucos, se familiarizando com o penico, onde se senta brevemente; a criança então pratica tirar as calças, sentar no penico por um tempo 5 ou 10 minutos e se veste novamente. O propósito do exercício é explicar repetidamente e enfatizar, colocando-se a fralda molhada ou suja no vaso. Quando essa conexão entre o vaso e a evacuação estiver estabelecida, os pais podem tentar antecipar a necessidade da criança de excretar e fornecer um reforço positivo para uma excreção bem-sucedida. A criança também é encorajada a praticar usando o vaso toda vez que sinta necessidade de evacuar. A criança também deve aprender a se limpar e lavar as mãos após cada excreção. Para a criança com esquema imprevisível, esse tipo de plano é difícil e o treinamento deve ser adiado para quando a criança puder antecipar a excreção sozinha. Repreensão ou castigo por acidentes ou falta de sucesso é contraproducente.

Uma criança que resiste a se sentar no vaso poderia tentar novamente, após a refeição. Se a resistência persiste por dias, a melhor estratégia é adiar o treinamento durante pelo menos várias semanas. Mudança de comportamento com recompensa por cuidado de higiene bem-sucedido é uma opção; uma vez estabelecido esse padrão, as recompensas devem ser suspensas gradualmente.

O poder da força deve ser evitado porque pode provocar regressão de qualquer progresso eventualmente conseguido e estragar o relacionamento pais-criança. Uma criança já treinada pode regredir durante uma doença, problema emocional ou quando ela sente a necessidade de chamar a atenção, por exemplo, com a chegada de um novo irmão. A recusa para usar o vaso sanitário também pode representar uma tentativa de manipulação. Nessas situações, os pais são advertidos a evitar pressionar a criança, oferecer incentivos e, se possível, dispensar à criança mais cuidados e atenção em outras ocasiões nas quais a higiene está envolvida.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS