Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Como tratar o recém-nascido consciente asfixiando

Por

Vanessa Moll

, MD, DESA, Emory University School of Medicine, Department of Anesthesiology, Division of Critical Care Medicine

Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Sufocamento em um recém-nascido é geralmente causado pela inalação de um pequeno objeto que o lactente colocou na boca, como alimento, brinquedo ou outro objeto pequeno (p. ex., botão, moeda ou balão). Se a obstrução das vias respiratórias for grave, então administram-se taponamento dorsal, seguidas de trações torácicas para desalojar o objeto.

Indicações

  • Asfixia devido à obstrução grave das vias respiratórias superiores decorrente de um objeto estranho.

Lactente asfixiando com obstrução grave das vias respiratórias como indicado por:

  • Cianose

  • Retrações

  • Incapacidade de chorar ou produzir muito som

  • Tosse fraca e ineficaz

  • Estridor

Não interferir se o lactente conseguir chorar e produzir sons audíveis, tossir ou respirar adequadamente, posto que isso indica que o lactente não tem obstrução grave das vias respiratórias. Além disso, tosse e choro fortes podem ajudar a remover o objeto da via respiratória.

Contraindicações

Contraindicações absolutas:

  • Não aplicar tapas no dorso ou trações no peito se o recém-nascido parar de respirar por outras razões além de via respiratória obstruída, como asma, infecção, edema ou golpe na cabeça.

Contraindicações relativas:

  • Nenhuma

Complicações

  • Lesão ou fratura de arco costal

  • Lesão de órgão interno

Equipamento

  • Nenhuma

Considerações adicionais

  • Realiza-se esse procedimento rápido de primeiros socorros imediatamente sempre que o bebê está sufocando.

Posicionamento

  • Para tapas no dorso, segurar a criança em decúbito ventral ao longo do antebraço usando a coxa ou o colo como apoio. Segurar o tórax do lactente com a mão e a mandíbula com os dedos. Colocar a cabeça do lactente direcionada para baixo e abaixo do nível do corpo (ver figura Tapotamento dorsal — lactentes).

  • Para trações no peito, segurar a criança virada para cima e com a cabeça para baixo, ao longo do antebraço, usando a coxa ou o colo como apoio. Segurar a cabeça do lactentes na sua mão (ver figura Trações torácicas — lactente).

Pancadas nas costas — bebês

Pancadas no dorso são aplicadas com o lactente em posição de cabeça para baixo, para desalojar os corpos estranhos da árvore traqueobrônquica. (Adaptado de Standards and Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation [CPR] and Emergency Cardiac Care [ECC], no Journal of the American Medical Association 25:2956 e 2959, 6 de junho de 1986. Copyright 1986, American Medical Association.)

Pancadas nas costas — bebês

Trações torácicas — lactentes

Trações torácicas são aplicadas na metade inferior do esterno, logo abaixo do nível do mamilo.

Trações torácicas — lactentes

Anatomia relevante

  • As pregas vocais da laringe protegem as vias respiratórias. Alimentos e objetos estranhos que são aspirados e causam obstrução das vias respiratórias superiores geralmente se alojam nesse nível.

  • Em lactentes e crianças, a cartilagem cricoide é a parte mais estreita da via respiratória superior. Os objetos podem ficar presos entre as pregas vocais e o anel cricoide, resultando em obstrução particularmente difícil de resolver.

Descrição passo a passo dos procedimentos e principais pontos de ensino

  • Determinar se há obstrução grave das vias respiratórias, que pode colocar em risco a vida do lactente. Procurar sinais de obstrução grave das vias respiratórias como incapacidade de chorar de forma audível, tossir de forma eficaz ou respirar adequadamente (p. ex., estridor, retrações, cianose).

  • Se o bebê apresentar choro forte ou estiver tossindo com força, não executar esses procedimentos. Se foi determinado que o lactente tem obstrução grave das vias respiratórias, usar os procedimentos a seguir.

  • Pedir que alguém ligue para o 190 e começar os primeiros socorros. Se estiver sozinho, gritar por ajuda e começar os primeiros socorros.

  • Segurar o lactente em decúbito ventral ao longo do antebraço usando a coxa ou o colo como apoio. Segurar o tórax do lactente com a mão e abrir a mandíbula puxando-a com os dedos. Apontar a cabeça do lactente para baixo e em um nível mais baixo do que o corpo.

  • Aplicar até 5 tapas rápidos e fortes no dorso entre as escápulas do lactente usando a palma da mão livre.

  • Verificar na boca se o corpo estranho aspirado está visível; se puder ser removido facilmente, removê-lo.

  • Se o objeto não sair da via respiratória após 5 tapas no dorso, virar a criança para cima.

  • Segurar o lactente virado para cima ao longo do antebraço usando a coxa ou o colo como apoio. Segurar a cabeça na mão com a cabeça mais baixa que o tronco.

  • Colocar 2 dedos no meio do esterno do lactente logo abaixo dos mamilos. Evitar os arcos costais inferiores ou a ponta do esterno.

  • Aplicar até 5 trações rápidas, comprimindo o tórax em cerca de 1/3 a ½ da profundidade do tórax — geralmente cerca de 1,5 a 4 cm (0,5 a 1,5 polegadas) para cada compressão.

  • Continuar a aplicar 5 tapas no dorso seguidos de 5 trações no peito até o objeto ser desalojado ou o recém-nascido ficar inconsciente.

  • Não tentar agarrar e remover o objeto se o lactente estiver consciente.

  • Se o lactente não responder (estiver inconsciente), pedir ajuda e começar RCP no lactente. Se estiver sozinho, após 1 minuto de RCP, ligar para o 190.

  • Se o lactente estiver inconsciente e se for possível ver o objeto bloqueando a via respiratória, tentar removê-lo com um dedo. Tentar remover o objeto somente se for possível vê-lo.

Cuidados posteriores

  • Um médico deve examinar o lactente o mais rápido possível, mesmo após reversão bem-sucedida da obstrução das vias respiratórias e da retomada da respiração normal.

Alertas e erros comuns

  • Não aplicar tapas no dorso ou trações no peito se o lactente asfixiando conseguir chorar de forma audível, tossir com força ou respirar adequadamente.

  • Não aplicar tapas no dorso ou trações no peito se o recém-nascido parar de respirar por outras razões além de uma via respiratória obstruída (p. ex., asma, infecção, angioedema, traumatismo craniano). Aplicar RCP nesses casos.

  • Não fazer varreduras cegas com os dedos em bebês.

  • Não realizar trações abdominais (manobra de Heimlich) em lactentes.

Dicas e truques

  • É importante usar a gravidade como um aliado. Manter a cabeça do recém-nascido em uma posição mais baixa do que o tronco durante o procedimento.

Referência geral

  • American Heart Association: Basic Life Support (BLS) Provider Manual. Dallas, American Heart Association, 2016.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS