Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Eosinofilia

Por

Jane Liesveld

, MD, James P. Wilmot Cancer Institute, University of Rochester Medical Center;


Patrick Reagan

, MD, University of Rochester Medical

Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É definida como contagem de eosinófilos no sangue periférico > 500/mcL. Causas e doenças associadas são várias, mas representam, com frequência, reação alérgica ou uma infecção parasitária. O diagnóstico envolve testes seletivos direcionados à suspeita clínica de causas de base. O tratamento é direcionado para a causa.

A eosinofilia tem características de resposta imunitária: um agente como Trichinella spiralis evoca resposta primária com níveis relativamente baixos de eosinófilos, enquanto exposições repetidas resultam em resposta eosinofílica aumentada ou secundária. Muitos compostos liberados por mastócitos e basófilos induzem produção de eosinófilos mediada por imunoglobulina E (IgE). Tais substâncias incluem fator quimiotático eosinofílico da anafilaxia, leucotrieno B4, complexo complemento (C5-C6-C7) e histamina (acima de uma pequena faixa de concentração).

A eosinofilia periférica é caracterizada como

  • Leve: 500 a 1.500 células/mcL

  • Moderada: 1.500 a 5.000 células/mcL

  • Grave: > 5000/mcL

A eosinofilia leve por si só não causa sintomas, mas níveis ≥ 1500/mcL podem provocar lesões nos órgãos. Lesões nos órgãos tipicamente ocorrem devido à inflamação do tecido e reação às citocinas e quimiocinas liberadas pelos eosinófilos, bem como às células imunitárias que são recrutadas para os tecidos. Embora qualquer órgão possa ser comprometido, coração, pulmão, baço, pele e sistema nervoso são tipicamente afetados (para manifestações, ver tabela Anormalidades em pacientes com a síndrome hipereosinofílica).

Ocasionalmente, ospacientes com eosinofilia muito grave (p. ex., contagem de eosinófilos > 100.000 células/mcL), geralmente com leucemia eosinofílica, evoluem com complicações quando os eosinófilos formam agregados que ocluem os capilares sanguíneos, causando isquemia tecidual e microinfartos. As manifestações são tipicamente de hipóxia cerebral ou pulmonar (p. ex., encefalopatia, dispneia ou insuficiência respiratória).

A síndrome hipereosinofílica é uma doença caracterizada por eosinofilia no sangue periférico com manifestações de comrpometimento de órgãos e sistemas ou disfunção diretamente relacionada com a eosinofilia em pacientes cuja eosinofilia não é parasitária, alérgica ou de outras etiologias.

Etiologia

A eosinofilia pode ser

Nos EUA, a causa mais comum da eosinofilia é

  • Doenças alérgicas ou atópicas (tipicamente respiratórias ou dermatológicas)

Outras causas comuns da eosinofilia incluem

  • Infecções (tipicamente parasíticas)

  • Certos tumores (hematológicos ou sólidos, benignos ou malignos)

Quase toda invasão parasitária dos tecidos pode deflagrar eosinofilia, mas protozoários e metazoários não invasivos normalmente não o fazem.

Entre os tumores hematológicos, o linfoma de Hodgkin pode promover eosinofilia acentuada, enquanto a eosinofilia é menos frequente no linfoma não Hodgkin, na leucemia mieloide crônica e na leucemia linfocítica aguda.

Infiltrados pulmonares com síndrome eosinofílica são um espectro de manifestações clínicas caracterizadas por eosinofilia periférica e infiltrados pulmonares eosinofílicos, mas normalmente são de origem desconhecida.

Os pacientes com reações eosinofílicas farmacológicas podem ser assintomáticos ou apresentar vários tipos de síndrome, como nefrite intersticial, doença do soro, icterícia colestática, vasculite de hipersensibilidade e linfadenopatia imunoblástica.

A síndrome da eosinofilia-mialgia é rara; sua etiologia é desconhecida. Mas, em 1989, foi descrito que centenas de pacientes apresentaram essa síndrome após tomarem l-triptofano para sedação ou suporte psicotrópico. Provavelmente essa síndrome foi provocada por algum contaminante, em vez de pelo l-triptofano. Os sintomas, como dor muscular de forte intensidade, tenossinovite, edema muscular e exantema, duraram semanas a meses, com muitos óbitos.

Reação farmacológica com eosinofilia e sintomas sistêmicos (DRESS, do inglês drug reaction with eosinophilia and systemic symptoms) é uma síndrome rara caracterizada por febre, exantema, eosinofilia, linfocitose atípica, linfadenopatia e sinais e sintomas relacionados com comprometimento de órgãos-alvo (tipicamente, coração, pulmões, baço, pele e sistema nervoso).

Tabela
icon

Distúrbios importantes e tratamentos associados à eosinofilia

Causa ou distúrbio associado

Exemplos

Doenças alérgicas ou atópicas

Doença pulmonar ocupacional

Angioedema episódico com eosinofilia

Reações aos fármacos (p. ex., antibióticos ou AINE)

Rinite alérgica

Distúrbios do tecido conjuntivo, vasculíticos ou granulomatosos (especialmente aqueles que envolvem os pulmões)

Fasciite eosinofílica

Sinovite eosinofílica idiopática

Síndrome pós-infarto do miocárdio (síndrome de Dressler)

Esclerose sistêmica progressiva (escleroderma)

Distúrbios endócrinos

Hipofunção adrenal

Distúrbios imunes (com frequência com eczemas)

Síndrome da imunodeficiência congênita (p. ex., deficiência de IgA, síndrome de hiper-IgE, síndrome de Wiskott-Aldrich)

Distúrbios mieloproliferativos

Leucemia eosinofílica aguda ou crônica

Infecções não parasitárias

Pneumonia por clamídia da infância

Linfocitose infecciosa

Doença micobacteriana

Infecções parasitárias (especialmente metazoários invasivos no tecido)

Cisticercose (causada por Taenia solium)

Infecção por Pneumocystis jirovecii

Doenças cutâneas

Pênfigo

Síndromes de infiltração pulmonar com eosinofilia

Eosinofilia pulmonar tropical

Tumores

Linfoma de células T angioimunoblásticas (anteriormente conhecido como linfadenopatia angioimunoblástica com disproteinemia ou AILD) em associação a sinais e sintomas sistêmicos e anemia hemolítica autoimune

Carcinomas e sarcomas de pulmão, pâncreas, cólon, cérvice ou ovário

Miscelânea

Eosinofilia familiar

Diálise peritoneal

Radioterapia

Avaliação

O número de causas possíveis e distúrbios associados é muito grande. Causas comuns (p. ex., distúrbios alérgicos, infecciosos ou neoplásicos) devem ser consideradas primeiro, mas mesmo elas são difíceis de identificar; assim, história completa e exames físicos são sempre necessários.

História

As questões com a maior probabilidade de serem úteis são:

  • Viagens (sugerindo possível exposição aos parasitas)

  • Alergias

  • Uso de fármacos

  • Utilização de ervas e suplementos dietéticos, incluindo l-triptofano

  • Sintomas sistêmicos (p. ex., febre, perda ponderal, mialgias, artralgias, exantema, linfadenopatia)

Os sintomas sistêmicos sugerem que é pouco provável que seja leve alergia ou fármaco, porém avaliação detalhada sobre tecido conjuntivo infeccioso ou neoplásico ou outro distúrbio sistêmico deve ser feita. Outras partes importantes da anamnese são a história familiar de discrasias sanguíneas e a revisão completa dos sistemas, englobando sinais e sintomas de alergia e disfunção pulmonar, cardíaca, gastrointestinal e neurológica.

Exame físico

O exame físico geral deve focalizar o coração, pele, sistemas neurológico e pulmonar. Certos achados físicos podem sugerir causas ou doenças associadas. Exemplos incluem exantema (distúrbios alérgicos, dermatológicos ou vasculíticos), resultados pulmonares anormais (asma, infecções pulmonares ou síndromes de infiltração pulmonar com eosinofilia) e linfadenopatia generalizada ou esplenomegalia (distúrbios mieloproliferativos ou câncer).

Exames

Eosinofilia é tipicamente reconhecida quando é feito hemograma por outras razões. Exames adicionais frequentemente incluem:

  • Exame protoparasitológico

  • Outros exames para detectar lesão de órgãos ou para causas específicas com base em achados clínicos

Em geral, se não houver suspeita clínica de que algum fármaco ou alergia sejam os agentes etiológicos, 3 amostras de fezes devem ser examinadas em busca de ovos e parasitas; no entanto, os resultados negativos não excluem a etiologia parasitária (p. ex., a triquinose requer biópsia do músculo; a toxocariase e as infecções por filária exigem biópsia de outros tecidos; pode ser necessário fazer aspirado duodenal para excluir parasitas específicos, p. ex., Strongyloides sp).

Outros exames diagnósticos específicos são determinados pelos achados clínicos (particularmente história de viagem) e podem incluir radiografias do tórax e exame de urina, testes de funções hepática e renal, bem como testes sorológicos para doenças parasitárias e dos tecidos conjuntivos. Se os pacientes tiverem linfadenopatia generalizada, esplenomegalia ou sintomas sistêmicos, exames de sangue são feitos. Nível sérico elevado de vitamina B12 ou anormalidades no esfregaço do sangue periférico sugerem distúrbio mieloproliferativo subjacente, caso em que a punção e a biópsia da medula óssea com estudos citogenéticos podem ser úteis.

Se a avaliação de rotina não revelar a causa, testes são feitos para detectar lesões nos órgãos. Os testes podem incluir alguns já mencionados anteriormente, assim como DHL e função hepática (considerando lesão no fígado ou possivelmente um distúrbio mieloproliferativo), ecocardiografia e testes de função pulmonar. Quando há suspeita de síndrome hipereosinofílica, avaliação diagnóstica pode ser necessária. Depois que uma causa específica foi determinada, também podem ser necessários outros exames.

Tratamento

  • Algumas vezes, corticoides

Fármacos conhecidos por estarem associados à eosinofilia são suspensos. Outras causas identificadas são tratadas. Às vezes, pode-se tratar a asma mediada por eosinófilos com anticorpos contra a IL-5 (p. ex., mepolizumabe, reslizumabe) ou com anticorpos contra o receptor da IL-5, como o benralizumabe (1).

Se a causa de base não for detectada, o paciente terá complicações. Breve tratamento com baixas doses de corticoides pode diminuir a contagem de eosinófilos, se a eosinofilia for secundária (p. ex., alergia, distúrbios no tecido conjuntivo, infecção parasitária) e não primária. Esse tipo de tratamento é indicado se a eosinofilia for persistente e progressiva na ausência de causa tratável.

Referência sobre o tratamento

  • 1. Pelaia C, Calabrese C, Vatrell A, et al: Benralizumab: from the basic mechanism of action to the potential use in the biological therapy of severe eosinophilic asthma. Biomed Res Int 2018. doi: doi.org/10.1155/2018/4839230.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS