Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Doenças de cadeia pesada

Por

James R. Berenson

, MD, Institute for Myeloma and Bone Cancer Research

Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

São distúrbios neoplásicos dos plasmócitos caracterizados pela superprodução de cadeias pesadas de imunoglobulinas monoclonais. Sintomas, diagnósticos e tratamentos variam de acordo com o distúrbio específico.

As doenças de cadeia pesada são distúrbios tipicamente malignos dos plasmócitos. Na maioria das doenças plasmocitárias, as proteínas M (proteína imunoglobulina monoclonal) são estruturalmente similares às moléculas dos anticorpos normais. Por outro lado, nas doenças de cadeia pesada, as imunoglobulinas monoclonais incompletas (paraproteínas verdadeiras) são produzidas. Elas consistem apenas em componentes das cadeias pesadas (alfa [α], gama [γ], mu [μ] ou delta [δ]) sem cadeias leves (doença da cadeia pesada épsilon [ε] não foi descrita). A maior parte das proteínas de cadeias pesadas é de fragmentos dos seus correspondentes normais com deleções internas de extensão variável; essas deleções parecem resultar de mutações estruturais. O quadro clínico se parece mais com linfoma do que com mieloma múltiplo. As doenças de cadeia pesada são consideradas em pacientes com manifestações clínicas que sugiram distúrbios linfoproliferativos.

Doença de cadeia pesada da imunoglobulina A (doença da cadeia alfa)

É a doença da cadeia pesada mais comum e é semelhante ao linfoma do Mediterrâneo (doença imunoproliferativa do intestino delgado).

A doença da cadeia pesada IgA normalmente aparece entre as idades de 10 e 30 anos e sua concentração geográfica é no Oriente Médio. A causa pode ser a resposta imunitária aberrante a um parasita ou outro microrganismo. Atrofia dos vilos e infiltração plasmocitária da mucosa jejunal quase sempre ocorre e, algumas vezes, em linfonodos mesentéricos. Linfonodos periféricos, medula óssea, fígado e baço normalmente não estão envolvidos. A forma da doença no trato respiratório raramente é relatada.

Manifestações comuns incluem febre, anemia leve, dificuldade de deglutição (disfagia), infecções recorrentes nas infecções do trato respiratório superior e aumento do fígado e do baço. Lesões osteolíticas não ocorrem.

Quase todos os pacientes apresentam linfoma abdominal difuso e má absorção. O hemograma completo (HC) pode mostrar anemia, leucopenia, trombocitopenia, eosinofilia, linfócitos ou plasmócitos circulantes atípicos. A eletroforese da proteína sérica é normal em metade dos casos; com frequência, há aumento das frações alfa-2 e beta ou decréscimo da fração gama. O diagnóstico requer a detecção da cadeia alfa monoclonal na eletroforese de imunofixação. Essa cadeia é encontrada algumas vezes na urina concentrada. Se não for encontrada no soro ou na urina, biópsia intestinal é necessária. A proteína anormal pode, às vezes, ser detectada em secreções intestinais. A infiltração celular intestinal pode ser pleomórfica e não necessariamente maligna. A proteinúria de Bence Jones está ausente.

O curso é altamente variável: alguns pacientes morrem em 1 a 2 anos, ao passo que outros manifestam remissões que podem durar anos, em particular após tratamento com corticoides, fármacos citotóxicos e antibióticos de amplo espectro.

Doença de cadeia pesada da IgG (doença da cadeia gama)

É geralmente similar ao linfoma maligno agressivo, mas é ocasionalmente assintomática e benigna.

A doença de cadeia pesada da IgG ocorre primariamente em homens idosos, mas pode se manifestar em crianças. Associados aos distúrbios crônicos, estão artrite reumatoide, síndrome de Sjögren, lúpus eritematoso sistêmico, tuberculose, miastenia grave, síndrome hipereosinofílica, anemia hemolítica autoimune e tireoidite. Ocorrem reduções em níveis normais de imunoglobulina. Lesões ósseas líticas são incomuns. A amiloidose se desenvolve algumas vezes.

Manifestações comuns incluem linfadenopatia e hepatosplenomegalia, febre e infecções recorrentes. Edema palatal ocorre em um quarto dos pacientes.

O hemograma pode mostrar anemia, leucopenia, trombocitopenia, eosinofilia, linfócitos ou plasmócitos circulantes atípicos. O diagnóstico requer demonstração pela imunofixação dos fragmentos livres da cadeia pesada monoclonal de IgG no soro e na urina. Em pacientes afetados, metade apresenta componentes do soro monoclonal > 1 g/dL (10 g/L) (com frequência largos e heterogêneos) e metade tem proteinúria > 1 g/24 horas. Embora as proteínas de cadeias pesadas possam envolver qualquer subclasse de IgG, a subclasse G3 é especialmente comum. As biópsias dos linfonodos e da medula óssea, realizadas quando outros testes não fornecem o diagnóstico, revelam histopatologia variável.

A sobrevida média com doença agressiva é cerca de um ano. Morte costuma resultar de infecção bacteriana ou neoplasia progressiva. Agentes alquilantes, vincristina ou corticoides e radioterapia podem causar remissões transitórias.

Doença de cadeia pesada da IgM (doença da cadeia mu)

Esta doença, que é rara, produz quadro clínico similar ao da leucemia linfocítica crônica ou outros distúrbios linfoproliferativos.

A doença da cadeia pesada IgM afeta, com mais frequência, adultos > 50 anos de idade. O envolvimento de órgãos viscerais (baço, fígado, linfonodos abdominais) é comum, mas a linfadenopatia periférica extensa não é. As fraturas patológicas e a amiloidose podem ocorrer. Em geral, a eletroforese da proteína sérica é normal e mostra hipogamaglobulinemia. A proteinúria de Bence Jones (tipo capa) se evidencia em 10 a 15% dos pacientes. O hemograma pode mostrar anemia, leucopenia, trombocitopenia, eosinofilia, linfócitos ou plasmócitos circulantes atípicos.

O diagnóstico, em geral, requer exame da medula óssea; há plasmócitos vacuolados em dois terços dos pacientes e são praticamente patognomônicos. A morte pode se dar em poucos meses ou alguns anos. Quase sempre a causa da morte é a proliferação incontrolável das células da leucemia linfocítica crônica.

O tratamento depende das condições do paciente, mas pode consistir em agentes alquilantes mais corticoides ou pode ser similar ao tratamento do distúrbio linfoproliferativo que for mais parecido.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS