Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Diabetes melito na gestação

(Diabetes gestacional; diabetes pré-gestacional)

Por

Lara A. Friel

, MD, PhD, University of Texas Health Medical School at Houston, McGovern Medical School

Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A gestação agrava o diabetes tipo 1 (dependente de insulina) e tipo 2 (não dependente de insulina) preexistentes, mas parece não exacerbar a retinopatia, nefropatia ou neuropatia diabéticas (1).

O diabetes gestacional [diabetes que começa durante a gestação (2)] pode se desenvolver em mulheres com sobrepeso, hiperinsulinêmicas e com resistência à insulina, bem como em mulheres magras com deficiência insulínica relativa. O diabetes gestacional ocorre em pelo menos 5% de todas as gestações, mas essa taxa pode ser muito maior em alguns grupos étnicos (p. ex., mulheres de ascendência mexicana, índias americanas, indianas, asiáticas e das ilhas do Pacífico). Mulheres com diabetes gestacional têm maior risco futuro de diabetes tipo 2.

As diretrizes para o tratamento do diabetes melito durante a gestação estão disponíveis a partir do American College of Obstetricians and Gynecologists [ACOG (1, 2)].

Tratamento do diabetes gestacional durante a gestação

O diabetes na gestação aumenta a morbidade e a mortalidade materna e fetal. Os neonatos estão em risco de desconforto respiratório, hipoglicemia, hipocalcemia, hiperbilirrubinemia, policitemia e hiperviscosidade.

O descontrole do diabetes preexistente (pré-gestacional) ou gestacional durante a organogênese (até aproximadamente 10 semanas da gestação) aumenta o risco de:

Controle deficiente do diabetes mais tarde na gestação aumenta o risco de:

Entretanto, o diabetes gestacional pode resultar em macrossomia até mesmo se a glicemia plasmática for mantida próxima aos valores normais.

Referências gerais

Diagnóstico

  • Teste de tolerância à glicose oral (TTGO) ou uma única medição de glicose no plasma (em jejum ou aleatória)

Muitos especialistas recomendam que todas as gestantes sejam testadas para diabetes gestacional. Um TTGO geralmente é recomendado, mas o diagnóstico provavelmente pode ser feito com base em glicose plasmática em jejum de > 126 mg/dL (> 6.9 mmol/L) ou glicose plasmática aleatória de > 200 mg/dL (> 11 mmol/L).

O método de triagem recomendado tem 2 etapas. A primeira é um teste de triagem com uma carga de 50 g de glicose oral e uma única medição do nível de glucose em 1 hora. Se o nível de glucose de 1 h é > 130 a 140 mg/dL (> 7.2 a 7.8 mmol/L), um segundo teste de confirmação de 3 h é feito utilizando uma carga de glucose de 100 g (ver tabela Limiares de glicose para diabetes gestacional usando teste de tolerância à glicose de 3 horas ).

A maioria das organizações de fora dos EUA recomenda um teste de 2 horas com uma única fase.

Tabela
icon

Limiares de glicose para diabetes gestacional usando teste de tolerância à glicose de 3 horas*

Organização

Em jejum mg/dL (mmol/L)

1 hora, mg/dL (mmol/L)

2 horas, mg/dL (mmol/L)

3 horas, mg/dL (mmol/L)

Carpenter e Coustan

95 (5,3)

180 (10)

155 (8,6)

140 (7,8)

National Diabetes Data Group

105 (5,8)

190 (10,5)

165 (9,1)

145 (8)

*Utiliza-se uma carga de glicose de 100 g.

Tratamento

  • Acompanhamento intenso

  • Controle rigoroso do nível de glicose

  • Tratamento das complicações

O aconselhamento pré-concepcional e o ótimo controle do diabetes, antes, durante e após a gestação, minimizam os riscos maternos e fetais, incluindo as malformações congênitas. Visto que malformações podem se desenvolver antes do diagnóstico da gestação, a necessidade de controle constante e estrito dos níveis glicêmicos é enfatizada às portadoras de diabetes que estejam planejando engravidar (ou não estejam usando anticoncepcionais).

Para diminuir os riscos, os médicos devem observar o seguinte:

  • Envolver uma equipe de especialistas em diabetes (p. ex., médicos, enfermeiras, nutricionistas, assistentes sociais) e um pediatra

  • Diagnosticar e tratar prontamente possíveis problemas com a gestação, não importa se triviais

  • Planejar o parto e ter um pediatra experiente presente

  • Assegurar que os cuidados neonatais estejam disponíveis

Os especialistas em tratamento de diabéticos podem ser encontrados em centros perinatais regionais.

Durante a gestação

O tratamento pode variar, mas algumas diretrizes gerais de tratamento são úteis (ver tabelas Tratamento do diabetes tipo 1 durante a gestação, Tratamento do diabetes tipo 2 durante a gestação, e Tratamento do diabetes gestacional durante a gestação).

Mulheres com diabetes tipo 1 ou 2 devem monitorar seus níveis glicêmicos em casa. Durante a gestação, níveis normais de glucose no sangue em jejum são cerca de 76 mg/dL (4,2 mmol/L).

Os objetivos do tratamento são

  • Níveis de glicose em jejum no sangue em < 95 mg/dL (< 5,3 mmol/L)

  • Níveis pós-prandiais em 2 horas em ≤ 120 mg/dL (≤ 6,6 mmol/L)

  • Nenhuma flutuação ampla de glicose no sangue

  • Níveis de Hb glicosilada (HbA1c) em < 6,5%

Tabela
icon

Tratamento do diabetes melito tipo 1* durante a gestação

Prazo

Medidas

Antes da concepção

O diabetes está controlado.

O risco é menor se os níveis de Hb A1c forem 6,5% na concepção.

A avaliação é feita por

  • Coleta de urina de 24 horas (proteinúria e clearance de creatinina) ou relação proteína/creatinina em uma amostra isolada de urina para verificar complicações renais

  • Exame oftalmológico à procura de complicações retinianas

  • ECG em busca de complicações cardíacas

Pré-natal

As consultas pré-natais iniciam quando há reconhecimento da gestação.

A frequência das visitas é determinada pelo nível de controle glicêmico.

A dieta deve ser individualizada, de acordo com a ADA, e coordenada com a administração de insulina.

Recomendam-se 3 refeições e 3 lanches/dia com ênfase no tempo, que deve ser consistente.

As pacientes devem ser instruídas a realizar monitoramento glicêmico em casa.

As pacientes devem ser advertidas sobre os perigos da hipoglicemia durante exercícios e à noite.

As pacientes e seus familiares devem ser instruídos sobre a administração de glucagon.

Deve-se verificar os níveis de HbA1c a cada trimestre.

Exame pré-natal feito semanalmente a partir da 32ª semana até o parto (ou mais cedo, se indicado) com:

  • Cardiotocografia (semanal)

  • Perfis biofísicos (semanais)

  • Contagem de movimentos fetais (diária)

A quantidade e o tipo de insulina devem ser individualizados. Pela manhã, dois terços da dose total (60% NPH e 40% regular) são administrados; à tarde, é ministrado um terço da dose (50% NPH e 50% regular). Ou, as mulheres podem tomar insulina de longa ação 1 ou 2 vezes por dia e insulina aspártica imediatamente antes do café da manhã, almoço e jantar.

Durante o trabalho de parto e o parto

O parto vaginal a termo é possível, caso a paciente tenha confirmação da idade gestacional e bom controle glicêmico.

A amniocentese não é feita, a menos que seja indicada em razão de outro problema ou solicitada pelo casal.

A cesariana deve ser reservada para indicações obstétricas ou macrossomia fetal (> 4.500 g), o que aumenta o risco de distocia de ombros

O parto deve ocorrer na 39ª semana.

Durante o parto, prefere-se infusão constante de insulina em baixa dose, interrompendo-se a administração usual subcutânea. Se o parto for induzido, no dia anterior à indução pode ser ministrada a dose habitual noturna de insulina NPH.

Cuidados pós-parto e contínuos para diabetes devem ser combinados.

A dose de insulina necessária pós-parto pode diminuir em até 50%.

*As diretrizes são apenas sugeridas; as variações individuais precisam de ajustes apropriados.

Os valores normais podem variar de acordo com os métodos laboratoriais utilizados.

Alguns programas hospitalares recomendam até 4 doses de insulina diária. A infusão contínua de insulina subcutânea, que é muito trabalhosa, pode ser administrada em alguns centros clínicos especializados em diabetes.

ADA = American Diabetes Association; HbA1c= Hb glicosilada; NPH = protamina neutra Hagedorn.

Tabela
icon

Tratamento do diabetes melito tipo 2* durante a gestação

Prazo

Medidas

Antes da concepção

A hiperglicemia é controlada.

O risco é menor se os níveis de Hb A1c forem 6,5% na concepção.

Encoraja-se perda ponderal se o IMC estiver acima de 27 kg/m2.

A dieta deve ser pobre em gorduras, relativamente alta em carboidratos complexos e rica em fibras.

Estimula-se o exercício.

Pré-natal

Para mulheres com sobrepeso, a dieta e a ingestão calórica são individualizadas e monitoradas para evitar ganho acima de cerca de 6,8–11,3 kg ou, se forem obesas, mais de cerca de 5–9,1 kg.

Recomendam-se caminhadas moderadas após as refeições.

As pacientes devem ser instruídas a realizar monitoramento glicêmico em casa.

A glicemia de 2 horas pós-café da manhã é checada semanalmente nas consultas, se possível.

Deve-se verificar os níveis de HbA1c a cada trimestre.

Exame pré-natal feito semanalmente a partir da 32ª semana até o parto (ou mais cedo, se indicado) com:

  • Cardiotocografia (semanal)

  • Perfis biofísicos (semanais)

  • Contagem de movimentos fetais (diária)

A quantidade e o tipo de insulina devem ser individualizados. Para mulheres obesas, insulina de curta ação é tomada antes de cada refeição. Para pacientes não obesas, dois terços da dose total (60% NPH e 40% regular) são administrados pela manhã; à tarde, é administrado um terço da dose (50% NPH e 50% regular). Ou, as mulheres podem tomar insulina de ação prolongada 1 ou 2 vezes por dia e insulina aspártica imediatamente antes do café da manhã, almoço e jantar.

Durante o trabalho de parto e o parto

Tratamento do diabetes melito tipo 1 durante a gestação (ver tabela Tratamento do diabetes melito tipo 1 durante a gestação).

*As diretrizes são apenas sugeridas; as variações individuais precisam de ajustes apropriados.

Os valores normais podem variar de acordo com os métodos laboratoriais utilizados.

IMC = índice de massa corporal; HbA1c = Hb glicosilada; NPH = protamina neutra Hagedorn.

Tabela
icon

Tratamento do diabetes gestacional durante a gestação

Prazo

Medidas

Antes da concepção

Pacientes que tiveram diabetes gestacional em gestações anteriores devem tentar alcançar peso normal e se dedicar a exercícios moderados.

A dieta deve ser pobre em gorduras, relativamente alta em carboidratos complexos e rica em fibras.

Deve-se verificar os níveis de glicemia e HbA1c em jejum.

Pré-natal

A dieta e a ingestão calórica são individualizadas e monitoradas para evitar ganho de peso acima de 6,8–11,3Kg (> 15–25 lb) ou, se forem obesas, acima de cerca de 5–9,1 kg (> 11–20 lb).

Recomendam-se caminhadas moderadas após as refeições.

Exame pré-natal feito semanalmente a partir da 32ª semana até o parto (ou mais cedo, se indicado) com:

  • Cardiotocografia (semanal)

  • Perfis biofísicos (semanais)

  • Contagem de movimentos fetais (diária)

A terapia com insulina é reservada para hiperglicemia persistente (glicemia plasmática de jejum > 95 mg/dL ou 2 horas pós-prandial > 120 mg/dL), apesar da tentativa de dieta por 2 semanas.

A quantidade e o tipo de insulina devem ser individualizados. Para mulheres obesas, insulina de curta ação é tomada antes de cada refeição. Para pacientes não obesas, dois terços da dose total (60% NPH e 40% regular) são administrados pela manhã; à tarde, é administrado um terço da dose (50% NPH e 50% regular). Ou, as mulheres podem tomar insulina de ação prolongada 1 ou 2 vezes por dia e insulina aspártica imediatamente antes do café da manhã, almoço e jantar.

Durante o trabalho de parto e o parto

O parto vaginal a termo é possível, caso a paciente tenha confirmação da idade gestacional e bom controle do diabetes.

Amniocentese costuma não ser necessária.

A cesariana deve ser reservada para indicações obstétricas ou macrossomia fetal (> 4.500 g), o que aumenta o risco de distocia de ombros

O parto deve ocorrer na 39ª semana.

HbA1c = Hb glicosilada; NPH = protamina neutra Hagedorn.

Insulina é o fármaco de escolha, pois não atravessa a placenta e provê controle glicêmico melhor e mais previsível; utiliza-se para os diabetes tipo 1 ou 2. A insulina humana é utilizada, se possível, pois minimiza a formação de anticorpos. Esses anticorpos da insulina atravessam a placenta, mas seu efeito sobre o feto é desconhecido. Em algumas mulheres com diabetes tipo 1 de longa data, a hipoglicemia não ocasiona a liberação dos hormônios contrarreguladores (catecolaminas, glucagon, cortisol e hormônio de crescimento); assim, elevadas concentrações de insulinas podem causar coma hipoglicêmico sem sintomas premonitórios. Todas as gestantes com diabetes tipo 1 devem ter seus kits de glucagon e serem instruídas (bem como seus familiares) a administrarem glucagon, caso ocorra hipoglicemia grave (indicada por inconsciência, confusão ou níveis de glicose sanguínea < 40 mg/dL [< 2,2 mmol/L]).

Dicas e conselhos

  • Todas as gestantes com diabetes tipo 1 devem ter seus kits de glucagon e serem instruídas (bem como seus familiares) a administrar glucagon, caso ocorra hipoglicemia grave.

Fármacos hipoglicemiantes orais (p. ex., gliburida) são cada vez mais utilizadas para controlar o diabetes na gestação, pela facilidade de administração (pílulas comparadas a injeções), terem baixo custo e ser dose única diária. Diversos estudos têm demonstrado a segurança de gliburida na gestação e que provê controle equivalente ao da insulina em mulheres com diabetes gestacional. Para mulheres com diabetes tipo 2 diagnosticado antes da gestação, dados relacionados à utilização de medicação oral são escassos; a insulina é geralmente preferida. As mulheres que usaram hipoglicemiantes orais na gestação podem continuar com a medicação no pós-parto, enquanto estiverem amamentando, mas as crianças devem ser monitoradas quanto à presença de sinais de hipoglicemia.

Tratamento das complicações

Embora a retinopatia, a nefropatia e a neuropatia leves relacionadas ao diabetes não contraindiquem a gestação, essas condições necessitam de aconselhamento pré-concepção e manejo rigoroso antes e durante a gestação.

A retinopatia necessita de avaliação oftalmológica a cada trimestre. Caso se perceba retinopatia proliferativa na primeira visita pré-natal, deve-se utilizar fotocoagulação o mais rápido possível, com vistas a evitar a degeneração progressiva.

A nefropatia, em particular nas mulheres com transplante renal anterior, predispõe à hipertensão induzida pela gestação. O risco de parto prematuro é maior se a função renal da paciente estiver prejudicada ou o transplante renal tenha ocorrido recentemente. O prognóstico é melhor se o parto ocorrer 2 anos após o transplante renal.

Malformações congênitas dos principais órgãos pelos níveis elevados de HbA1c na concepção e durante as primeiras 8 semanas da gestação. Se o nível é 8,5% durante o 1º trimestre, o risco de malformações congênitas é significativamente maior e realizam-se ultrassonografia e ecocardiografia fetal durante o 2º trimestre para verificá-las (1). Se a paciente com diabetes tipo 2 recebe hipoglicemiantes orais no 1º trimestre, o risco fetal de malformações congênitas é desconhecido (ver Fármacos com efeitos adversos durante a gestação).

Trabalho de parto e parto

Algumas precauções devem ser tomadas para se assegurar um resultado satisfatório.

O momento do parto depende do bem-estar fetal. As mulheres são orientadas a contar o número de movimentos fetais em um período de 60 min (por dia) e relatar imediatamente ao obstetra qualquer diminuição súbita. O Exame pré-natal começa na 32ª semana; é feito mais cedo se as mulheres têm hipertensão grave, doença renal ou suspeita-se de restrição do crescimento fetal. A amniocentese, com o intuito de avaliar a maturidade pulmonar fetal pode ser necessária geralmente para mulheres com:

  • Complicações obstétricas em gestações anteriores

  • Cuidados pré-natais inadequados

  • Idade gestacional incerta

  • Controle glicêmico pobre

  • Baixa adesão à terapia

O tipo de parto é usualmente espontâneo vaginal a termo. O risco de natimortos e distocia de ombro aumenta perto do parto. Assim, se o trabalho de parto não iniciar espontaneamente na 39ª semana, a indução costuma ser necessária; além disso, o parto pode ser induzido entre 37ª e 39ª semanas sem amniocentese se a adesão à terapia é baixa ou se a glicose no sangue está mal controlada. O trabalho de parto disfuncional, a desproporção cefalopélvica e o risco de distocia de ombro podem tornar necessária a cesariana.

Durante o trabalho de parto e o parto, o nível glicêmico é mais bem controlado pelo emprego de infusão contínua de insulina em baixas doses. Se a indução for planejada, no dia anterior a mulher se alimenta com sua dieta usual e toma a dose habitual de insulina. Na manhã da indução do trabalho de parto, suspendem-se o café da manhã e a insulina, mede-se a glicemia basal em jejum e inicia-se a infusão em bomba IV de dextrose a 5% em soro fisiológico a 0,45% a 125 mL/h. A taxa de infusão de insulina inicial é determinada pelos níveis de glicemia capilar. A dose de insulina é determinada como a seguir:

  • Dose inicial de insulina: 0 para um nível de glicemia capilar < 80 mg/dL (< 4,4 mmol/L) ou de 0,5 UI/h para níveis de 80 a 100 mg/dL (4,4 a 5,5 mmol/L)

  • A partir de então: a dose de insulina é aumentada de 0,5 UI/h para cada 40 mg/dL (2,2 mmol/L) de elevação nos níveis de glicose acima de 100 mg/dL até 2,5 UI/h para níveis > 220 mg/dL (> 12,2 mmol/L)

  • A cada hora do trabalho de parto: Os níveis de glicose são mensurados e a dose de insulina é ajustada para mantê-los a 70 a 120 mg/dL (3,8 a 6,6 mmol/L)

  • Caso os níveis de glicose estejam muito elevados: Doses adicionais em bolo podem ser necessárias.

Para o trabalho de parto espontâneo, o procedimento é o mesmo, exceto se a insulina de ação intermediária tiver sido ministrada nas 12 horas anteriores, caso em que a dose de insulina deve ser diminuída. Para pacientes com infecção, febre ou outras complicações e para mulheres obesas com diabetes tipo 2 que necessitem de > 100 UI de insulina/dia antes da gestação, aumenta-se a dose de insulina.

Pós-parto

Após o parto, a perda da placenta, que sintetiza grandes quantidades de hormônios antagonistas da ação da insulina por toda a gestação, reduz imediatamente as quantidades necessárias de insulina. Assim, as pacientes portadoras de diabetes gestacional e muitas daquelas com diabetes tipo 2 podem não necessitar de insulina no pós-parto. Para as mulheres com diabetes tipo 1, as exigências de insulina caem de forma drástica, mas então aumentam gradualmente após 72 horas.

Durante as primeiras 6 semanas pós-parto, a meta é acertar os níveis glicêmicos. Estes são checados antes das refeições e ao deitar. A amamentação não é contraindicada, mas pode ocasionar hipoglicemia neonatal em decorrência do uso de hipoglicemiantes orais. As pacientes que tiveram diabetes gestacional devem ser submetidas a teste oral de tolerância à glicose de 2 horas com 75 g de glicose, 6 a 12 semanas após o parto, para determinar se o diabetes resolveu.

Referência sobre o tratamento

  • 1. Miller E, Hare JW, Cloherty JP, et al: Elevated maternal hemaglogin A1c in early pregnancy and major congenital anomalies in infants of diabetic mothers. N Engl J Med 304 (22):1331–1334, 1981. doi: 10.1056/NEJM198105283042204.

Pontos-chave

  • Diabetes na gestação aumenta o risco de macrossomia fetal, distocia do ombro, pré-eclâmpsia, parto cirúrgico, natimorto, abortamento espontâneo, natimortos e, se o diabetes gestacional ou preexistente está mal controlado durante a organogênese, malformações congênitas e abortamento espontâneo.

  • Examinar todas as gestantes diabetes gestacional utilizando um teste de tolerância à glicose oral.

  • Se disponível, envolver uma equipe de profissionais em diabetes, e procurar manter os níveis de glicemia em jejum abaixo de 95 mg/dL (< 5,3 mmol/L) e os níveis em 2 horas pós-prandiais em ≤ 120 mg/dL (≤ 6,6 mmol/L).

  • Começar os testes antenatais na 32ª semana e o parto na 39ª semana.

  • Ajustar a dose de insulina imediatamente após a dequitação da placenta.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer versão cefálica externa
Vídeo
Como fazer versão cefálica externa
Modelos 3D
Visualizar tudo
Parto vaginal
Modelo 3D
Parto vaginal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS