Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Aborto espontâneo

(aborto espontâneo; perda de gestação)

Por

Antonette T. Dulay

, MD, Main Line Health System

Revisado/Corrigido: out 2022 | modificado nov 2022
Visão Educação para o paciente
Recursos do assunto

Aborto espontâneo é a perda da gestação antes de 20 semanas de gestação. Ameaça de aborto é sangramento vaginal sem dilatação cervical antes de 20 semanas em uma gestação intrauterina viável confirmada. Realiza-se o diagnóstico por exame pélvico, mensuração da subunidade beta da gonadotropina coriônica humana e ultrassonografia. O tratamento normalmente é observação expectante de ameaças de aborto e, se o aborto espontâneo ocorreu ou parece inevitável, observação ou esvaziamento uterino.

O aborto espontâneo, por definição, é a morte do feto. Cerca de 20 a 30% das mulheres, com gestação confirmada, sangram durante as primeiras 20 semanas de gestação; metade delas aborta espontaneamente. Assim, a incidência do aborto espontâneo é de aproximadamente 20% das gestações confirmadas. A incidência em todas as gestações provavelmente é maior, pois alguns abortos precoces são confundidos com menstruação tardia.

A morte fetal e o parto prematuro são classificados como segue:

Pode-se classificar os abortos como (ver tabela Classificação do aborto Classificação do abortamento Classificação do abortamento ):

Tabela

Cerca de 10 a 15% das gestações confirmadas seguem com aborto espontâneo (1 Referência Abortamento espontâneo é a perda da gestação antes de 20 semanas de gestação. Ameaça de abortamento é sangramento vaginal sem dilatação cervical antes de 20 semanas em uma gestação intrauterina... leia mais ). Até 25% de todas as gestações terminam em aborto espontâneo durante as primeiras 12 semanas de gestação. A incidência em todas as gestações provavelmente é maior, pois alguns abortos precoces são confundidos com menstruação tardia.

Referência

Etiologia do aborto espontâneo

O aborto espontâneo no início da gestação costuma ser causado por anomalias cromossômicas Visão geral das anomalias cromossômicas As anomalias cromossômicas causam variadas disfunções. As que afetam os autossomos (os 22 pares de cromossomos que são iguais em homens e mulheres) são mais comuns do que as que afetam os cromossomos... leia mais . Anomalias do trato reprodutivo materno (p. ex., útero bicorno, miomas, aderências) também podem causar a perda fetal após 20 semanas de gestação. Abortos espontâneos isolados podem resultar de certas viroses — notavelmente, CMV, herpes-vírus, parvovírus e rubeola. Outras causas incluem anormalidades imunológicas e trauma importante. Mais frequentemente, a causa é desconhecida.

Os fatores de risco de aborto espontâneo incluem

Distúrbios subclínicos da tireoide, um útero retrovertido e traumas leves não são considerados causas de abortos espontâneos.

Sinais e sintomas do aborto espontâneo

Os sintomas do aborto espontâneo incluem dor pélvica do tipo cólica, sangramento uterino e, com o tempo, expulsão de restos ovulares. Aborto espontâneo tardio pode se iniciar com golfada de líquido em decorrência da ruptura das membranas. A hemorragia raramente é excessiva. A dilatação cervical indica que o aborto é inevitável.

Caso os produtos da concepção permaneçam no interior da cavidade uterina após o aborto espontâneo, o sangramento uterino pode ocorrer, normalmente, algumas vezes após um atraso de horas ou dias. Infecção também pode ocorrer, causando febre, dor e, algumas vezes, sepse (chamado aborto séptico Aborto séptico O abortamento séptico é uma infecção uterina grave durante, um pouco antes ou depois de um abortamento espontâneo ou induzido. Os abortamentos sépticos geralmente resultam do uso de técnicas... leia mais ).

Diagnóstico do aborto espontâneo

  • Normalmente, ultrassonografia e avaliação quantitativa da subunidade beta da gonadotropina coriônica humana (beta-hCG)

  • Exame pélvico

Diagnostica-se a gestação por meio do teste de beta-hCG na urina ou no sangue. Realiza-se ultrassonografia para confirmar a gestação intrauterina e verificar a atividade cardíaca fetal, que geralmente é detectável após 5,5 a 6 semanas de gestação. Entretanto, a idade gestacional costuma ser incerta e pode ser necessária ultrassonografia seriada. Se a atividade cardíaca estiver ausente e tiver sido detectada previamente na mesma gestação, diagnostica-se morte fetal. Por outro lado, os níveis seriais de beta-hCG que diminuem ao longo de ≤ 3 medições são consistentes com gestação falha.

Também realiza-se a avaliação para determinar o status no processo de aborto, como a seguir:

  • Ameaça de aborto: as pacientes têm sangramento uterino e é muito cedo para avaliar se o feto está vivo e viável e se o colo do útero está fechado. Potencialmente, a gestação pode continuar sem complicações.

  • Aborto inevitável: o colo do útero está dilatada. Se o colo do útero estiver dilatado, deve-se avaliar o volume de sangramento porque ele às vezes é significativo.

  • Aborto incompleto: os produtos da concepção são parcialmente expelidos.

  • Aborto completo: os produtos da concepção passaram e o colo do útero está fechado (ver tabela Sinais e sintomas característicos nos abortos espontâneos Sinais e sintomas característicos em abortos espontâneos Sinais e sintomas característicos em abortos espontâneos ).

Tabela

Suspeita-se de aborto oculto se o útero não aumentar de tamanho progressivamente, ou a quantidade de beta-hCG é baixa para a idade gestacional ou não dobra em 48 a 72 horas. O aborto oculto é confirmado se a ultrassonografia mostrar qualquer um dos seguintes:

  • Desaparecimento de atividade cardíaca embrionária, previamente detectada

  • Ausência dessa atividade quando o comprimento crânio-caudal fetal é > 7 mm

  • Ausência de um polo fetal (determinado por ultrassonografia transvaginal) quando a média do diâmetro do saco gestacional (média de diâmetros medidos em 3 planos ortogonais) é > 25 mm

Uma gestação anembrionária refere-se a um saco gestacional sem saco vitelino nem embrião, visto na ultrassonografia, em uma gestação não viável.

Tratamento do aborto espontâneo

  • Para ameaça de aborto, observação

  • Para abortos inevitáveis, incompletos ou perdidos, observação ou esvaziamento uterino cirúrgica ou clínica

  • Se a mãe é Rh-negativa, imunoglobulina Rho(D)

  • Algumas vezes, analgésicos

  • Suporte emocional

Na ameaça de aborto, a conduta é expectante, mas os profissionais de saúde podem avaliar periodicamente os sintomas da mulher ou fazer uma ultrassonografia. Nenhuma evidência sugere que o repouso diminui o risco de subsequente aborto completo.

Para abortos inevitáveis, incompletos ou ocultos, o tratamento é o esvaziamento uterino ou esperar pela passagem espontânea dos produtos da concepção. Para as pacientes tratadas de maneira expectante, realiza-se o esvaziamento uterino se ocorrer sangramento ou infecção excessivos ou se os produtos da concepção não passarem após cerca de 2 a 4 semanas.

Em < 12 semanas, pode-se fazer o esvaziamento uterino com curetagem por sucção Esvaziamento instrumental Nos Estados Unidos, cerca de metade das gestações são involuntárias. Cerca de 40% das gestações não planejadas terminam em abortamento induzido; cerca de 90% dos procedimentos são feitos durante... leia mais ou tratamento conservador. Para esvaziamento uterino clínico, administra-se misoprostol (800 mcg por via intravaginal); se não houver resposta à primeira dose, pode-se administrar uma dose adicional pelo menos 3 horas após a primeira dose e tipicamente dentro de 7 dias (1 Referência sobre o tratamento Abortamento espontâneo é a perda da gestação antes de 20 semanas de gestação. Ameaça de abortamento é sangramento vaginal sem dilatação cervical antes de 20 semanas em uma gestação intrauterina... leia mais ). Deve-se considerar uma dose de mifepristona (200 mg por via oral) 24 horas antes da administração de misoprostol, se disponível.

Normalmente, realiza-se o esvaziamento com dilatação e esvaziamento Esvaziamento instrumental em 12 a 23 semanas ou indução de medicação Aborto induzido Nos Estados Unidos, cerca de metade das gestações são involuntárias. Cerca de 40% das gestações não planejadas terminam em abortamento induzido; cerca de 90% dos procedimentos são feitos durante... leia mais em > 16 a 23 semanas (p. ex., com misoprostol ou mifepristona). Para a dilatação e esvaziamento, quanto mais posterior a idade gestacional, maior a probabilidade de sangramento placentário, perfuração uterina por ossos longos do feto e dificuldade de dilatar o colo do útero. Essas complicações são reduzidas pelo uso pré-operatório de dilatadores cervicais osmóticos (p. ex., laminaria) ou por indução clínica.

Se há suspeita de aborto completo, o esvaziamento uterino não é feita rotineiramente. O esvaziamento uterino pode ser realizado quando o sangramento ocorre e/ou se outros sinais indicam que os produtos da concepção podem estar retidos.

Após um aborto espontâneo, os pais podem sentir pesar ou culpa. Devem receber apoio emocional e, na maioria dos caso de abortos espontâneos, tranquilização no sentido de que seus atos não foram a causa. Aconselhamento formal ou grupos de apoio podem ser disponibilizados, se apropriado.

Referência sobre o tratamento

Pontos-chave

  • Aborto espontâneo é a perda de gestação antes de 20 semanas de gestação; provavelmente ocorre em até 20% das gestações.

  • O aborto espontâneo é muitas vezes causado por anormalidades cromossômicas ou anormalidades do trato reprodutivo materno (p. ex., útero bicorno, miomas), mas a etiologia de cada caso específico geralmente não é confirmada.

  • Confirmar o aborto espontâneo e determinar o estado da gestação com um exame de beta-hCG quantitativo, ultrassonografia e exame ginecológico; um colo do útero dilatado significa que o aborto é inevitável.

  • Tratar com conduta expectante (observar a passagem dos produtos da concepção), cirurgia ou esvaziamento uterino com medicação (com misoprostol ou, às vezes, mifepristona).

  • Muitas vezes, o esvaziamento uterino não é necessário para casos de risco de aborto ou abortos completos.

  • Fornecer apoio emocional aos pais.

Visão Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: VISUALIZAR A VERSÃO SAÚDE PARA A FAMÍLIA
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS