Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Problemas relacionados a fármacos em idosos

Por

J. Mark Ruscin

, PharmD, FCCP, BCPS, Southern Illinois University Edwardsville School of Pharmacy;


Sunny A. Linnebur

, PharmD, BCPS, BCGP, University of Colorado Anschutz Medical Campus

Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Problemas relacionados a fármacos são comuns em idosos e incluem ineficácia, efeitos adversos, superdosagem, subdosagem e interações medicamentosas dos fármacos. (Ver também Visão geral do tratamento farmacológico em idosos.)

Fármacos pode ser ineficazes em idosos porque os médicos subprescrevem (p. ex., por causa da maior preocupação com os efeitos adversos) ou porque a adesão é baixa (p. ex., devido a limitações financeiras ou cognitivas).

Os efeitos adversos são indesejáveis, desconfortáveis ou perigosos. Os exemplos comuns são: excessiva sedação, confusão, alucinação, queda e sangramento. Os efeitos adversos dos fármacos ocorrem a uma taxa de cerca 50 eventos a cada 1.000 pessoas por ano em indivíduos deambulatórios com 65 anos. A taxa de hospitalização em decorrência dos efeitos adversos dos fármacos é 4 vezes maior em pacientes idosos (por cerca 17%), quando comparados aos jovens (4%). E 66% dessas internações em pacientes idosos ocorrem por causa de 4 fármacos ou classes de fármaco — varfarina, insulina, antiplaquetários orais e hipoglicemiantes orais.

Razões dos problemas relacionados a fármacos

Os efeitos adversos podem ocorrer em qualquer paciente, mas certas características do idoso os tornam mais suscetíveis. Por exemplo, o idoso frequentemente usa muitos fármacos e tem alterações relacionadas à idade tanto na farmacodinâmica como na farmacocinética; ambas aumentam o risco de efeitos adversos.

Em qualquer idade, os efeitos adversos dos fármacos podem ocorrer quando os fármacos são prescritos e usados de maneira apropriada; p. ex., reações alérgicas recentes não são previsíveis ou evitáveis. No entanto, considera-se que os efeitos adversos em idosos são preveníveis em pelo menos 25% dos casos. É comum que certas classes de fármacos estejam envolvidas: antipsicóticos, varfarina, agentes antiplaquetários, fármacos hipoglicemiantes, insulina, antidepressivos e sedativos hipnóticos.

Em idosos, diversas das razões comumente relacionadas com os efeitos adversos de fármacos, ineficácia ou ambos são preveníveis (ver tabela Causas preveníveis dos problemas relacionados com fármacos). Várias dessas razões envolvem comunicação inadequada com o paciente ou entre os profissionais da área de saúde (particularmente nas transições de cuidados à saúde). Pode-se evitar muitos problemas relacionados com fármacos se fosse dada mais atenção à reconciliação medicamentosa quando os pacientes são internados ou recebem alta hospitalar ou em outras transições de cuidados (transferência da casa de repouso para um hospital ou da casa de repouso especializada para casa) (1-3).

Tabela
icon

Causas evitáveis de problemas relacionados ao fármaco

Categoria

Definição

Interações medicamentosas

Uso de determinado fármaco que resulta em interação fármaco-fármaco, fármaco-alimento, fármaco-suplemento ou fármaco-doença, provocando efeitos adversos ou diminuição da eficácia.

Monitoramento inadequado

Problema médico está sendo tratado com o fármaco correto, mas o paciente não é monitorado quanto a complicações e/ou eficácia.

Seleção medicamentosa inadequada

Determinado problema médico que requer terapia medicamentosa está sendo tratado com dosagem abaixo de ideal.

Tratamento inapropriado

O paciente está tomando determinado fármaco sem nenhuma razão médica válida.

Falta de adesão do paciente

O fármaco correto para um problema clínico é prescrito, mas o paciente não o toma como indicado.

Superdosagem

O problema está sendo tratado com uma grande dosagem do fármaco correto.

Comunicação insatisfatória

Fármacos são inadequadamente dosados, duplicados, mantidos ou suspensos quando há uma transição inadequada entre profissionais e/ou instituições.

Subprescrição

O problema está sendo tratado com uma pequena dosagem do fármaco correto.

Problema médico não tratado

O problema requer terapia com fármacos, mas nenhum fármaco está sendo usado para tratar esse problema.

Interações entre fármacos e doença

Um determinado fármaco administrado para tratar certa doença pode exacerbar outra doença independentemente da idade do paciente, mas tais interações devem ser especialmente consideradas nos idosos. A distinção, muitas vezes sutil, entre os efeitos adversos dos fármacos e os da doença é difícil (ver tabela Interações fármaco-doença preocupantes em idosos) e pode levar a uma cascata de prescrições.

Uma cascata de prescrição ocorre quando o efeito adverso de determinado fármaco é interpretado de maneira equivocada como um sintoma ou sinal de um novo distúrbio e se prescreve um novo fármaco para seu tratamento. O novo e desnecessário fármaco pode causar efeitos adversos adicionais, que podem ainda ser novamente interpretados de maneira equivocada como outro distúrbio e tratado desnecessariamente, e assim por diante.

Vários medicamentos têm efeitos adversos que lembram os sintomas de doenças comuns em idosos ou alterações causadas pelo envelhecimento. Seguem alguns exemplos:

  • Os antipsicóticos podem causar sintomas similares aos da doença de Parkinson. Em idosos, pode-se diagnosticar esses sintomas como doença de Parkinson e tratá-los com dopaminérgicos, possivelmente levando a efeitos adversos dos fármacos antiparkinsonianos (p. ex., hipotensão ortostática, delirium, alucinações, náuseas).

  • Pode-se prescrever inibidores da colinesterase (p. ex., donepezila, rivastigmina, galantamina) para pacientes com demência. Esses fármacos podem causar diarreia ou incontinência urinária de urgência ou frequência. Os pacientes podem então receber prescrição de fármacos anticolinérgicos (p. ex., oxibutinina) para tratar os novos sintomas. Assim, um fármaco desnecessário é acrescentado, aumentando o risco de efeitos adversos do fármaco e interações medicamentosas. A melhor estratégia é a diminuição da dose do inibidor de colinesterase ou a consideração de um tratamento diferente para demência (p. ex., memantina) com um mecanismo diferente de ação

Para os pacientes idosos, os profissionais que prescrevem fármacos devem considerar a possibilidade de um novo sintoma ou sinal decorrer da terapia medicamentosa.

Tabela
icon

Interações fármaco-doença preocupantes em idosos (com base nos critérios de Beers da American Geriatrics Society atualizados em 2015)

Doença

Fármacos

Possíveis efeitos adversos

Cardiovascular

Insuficiência cardíaca

Cilostazol, inibidores da COX-2, dronedarona (insuficiência cardíaca grave ou recém-descompensada), bloqueadores de canais de cálcio não di-hidropiridínicos* (diltiazem, verapamil), AINEs, tiazolidinedionas (pioglitazona, rosiglitazona)

Pode promover retenção de líquidos e exacerbar a insuficiência cardíaca

Síncope

Inibidores da acetilcolinesterase, clorpromazina, alfa-bloqueadores periféricos (doxazosina, prazosina, terazosina) TCAs terciários, tioridazina, olanzapina

Maior risco de hipotensão ortostática ou bradicardia

SNC

Convulsões crônicas ou epilepsia

Bupropiona, clorpromazina, clozapina, maprotilina, olanzapina, tioridazina, tiotixeno, tramadol

Diminuição do limiar de convulsões

Possivelmente aceitável em pacientes com convulsões bem controladas nos quais agentes alternativos não foram eficazes

Delirium

Anticolinérgicos, antipsicóticos, benzodiazepínicos, clorpromazina, corticosteroides†, bloqueadores do receptor H2 (cimetidina, famotidina, nizatidina, ranitidina), meperidina, hipnóticos sedativos

Agravamento do delirium em idosos com alto risco de delirium

Os antipsicóticos aumentam o risco de acidente vascular encefálico e óbito em pacientes com demência e deve-se evitá-los devido aos problemas comportamentais do delirium, a menos que as opções não farmacológicas (p. ex., intervenções comportamentais) tenham falhado ou não sejam possíveis, e o paciente ameace causar danos substanciais a si mesmo ou a outros

Demência e comprometimento cognitivo

Anticolinérgicos, antipsicóticos (uso regular e conforme necessário), benzodiazepínicos, bloqueadores dos receptores H2, hipnóticos agonistas dos receptores não benzodiazepínicos (eszopiclona, zolpidem, zaleplona)

Efeitos adversos no sistema nervoso central

Os antipsicóticos aumentam o risco de acidente vascular encefálico e óbito em pacientes com demência e deve-se evitá-los devido aos problemas comportamentais do ♦delirium♦, a menos que as opções não farmacológicas (p. ex., intervenções comportamentais) tenham falhado ou não sejam possíveis, e o paciente ameace causar danos substanciais a si mesmo ou a outros

História de quedas ou fraturas

Anticonvulsivantes, antipsicóticos, benzodiazepínicos, hipnóticos não benzodiazepínicos (eszopiclone, zaleplona, zolpidem), opioides, TCAS, ISRSs

Ataxia, função psicomotora comprometida, síncope e quedas adicionais

Benzodiazepínicos de ação mais curta não são mais seguros do que os de ação prolongada

(Pode ser utilizado se não houver alternativas mais seguras)

Evitar anticonvulsivantes, exceto para distúrbios convulsivos

Evitar opioides, exceto no tratamento da dor decorrente de fraturas recentes ou artroplastias

Insônia

Descongestionantes orais (pseudoefedrina, fenilefrina), estimulantes (anfetamina, armodafinila, metilfenidato, modafinila), teobrominas (teofilina, cafeína)

Efeitos estimulantes no sistema nervoso central

Doença de Parkinson

Antieméticos (metoclopramida, proclorperazina, prometazina), antipsicóticos (excepto para aripiprazole, quetiapina e clozapina)

Antagonistas dos receptores de dopamina com potencial para agravar os sintomas parkinsonianos (menos prováveis com quetiapina, aripiprazole e clozapina)

GI

História de úlceras gástricas ou duodenais

Aspirina (> 325 mg/dia), AINEs não Cox-2 seletivos

Exacerba as úlceras existentes ou causa novas úlceras

Evitar a menos que outras alternativas não sejam eficazes e os pacientes conseguem tomar um fármaco gastroprotetor (p. ex., um inibidor da bomba de prótons ou misoprostol)

Rins e trato urinário

Doença renal crônica (estádios IV ou menos: depuração de creatinina < 30 mL/min)

AINEs (não-COX e COX-seletivos, orais e parentéricos)

Maior risco de lesão renal aguda e maior declínio da função renal

Incontinência urinária (todos os tipos) em mulheres

Estrogênio, oral e transdérmico (exceto estrogênio intravaginal), bloqueadores alfa-1 periféricos (doxazosina, prazosina, terazosina)

Agravamento da incontinência

Sintomas no trato urinário inferior, hiperplasia prostática benigna

Fármacos com fortes efeitos anticolinérgicos (exceto antimuscarínicos para incontinência urinária)

Pode diminuir o fluxo urinário e causar retenção urinária em homens

Estresse ou incontinência urinária mista

Alfabloqueadores (doxazosina, prazosina, terazosina)

Agravamento da incontinência em mulheres

*Evitar somente em pacientes que têm insuficiência cardíaca congestiva com fração de ejeção reduzida.

† Exclui as modalidades inaláveis e tópicas. Corticosteroides orais e parenterais podem ser necessários para doenças como exacerbações da DPOC, mas deve-se prescrevê-los na menor dose eficaz e pelo menor tempo possível.

COX-2 = ciclo-oxigenase-2; ISRSs = inibidores seletivos de recaptação da serotonina; ADTs = antidepressivos tricíclicos.

Adaptado de The American Geriatrics Society 2015 Beers Criteria Update Expert Panel: American Geriatrics Society updated Beers Criteria for potentially inappropriate medication use in older adults. Journal of the American Geriatrics Society 63(11):2227-46, 2015. doi: 10.1111/jgs.13702.

Interações medicamentosas

Os idosos são vulneráveis às interações medicamentosa porque geralmente fazem uso de muitos fármacos. Com frequência, eles também fazem uso de ervas medicinais e outros suplementos dietéticose podem não relatar isso aos seus provedores de cuidados de saúde. As ervas medicinais podem interagir com os fármacos prescritos e provocar efeitos adversos. Por exemplo, o extrato de ginkgo biloba tomado com varfarina pode aumentar o risco de sangramento; a erva-de-são-joão tomada com inibidores seletivos da recaptação da serotonina pode aumentar o risco de síndrome serotoninérgica. Portanto, os médicos devem questionar os pacientes especificamente sobre os suplementos alimentares, inclusive as ervas medicinais e suplementos vitamínicos.

As interações medicamentosas no idoso diferenciam-se daquelas para a população geral. No entanto, a indução do metabolismo do fármaco citocromo P-450 (CPY450) por certos fármacos (p. ex., fenitoína, carbamazepina, rifampicina) pode estar diminuída no idoso; portanto, a alteração (aumento) no metabolismo do fármaco pode ser menos pronunciada no idoso. Muitos outros fármacos inibem o metabolismo do CYP450 e, assim, aumentam o risco de toxicidade medicamentosa que depende dessa via para a eliminação. Como os idosos costumam utilizar um grande número de fármacos, eles têm maior risco de interações múltiplas do CYP450 difíceis de prever. Além disso, o uso concomitante de ≥ 1 fármaco com efeitos adversos similares pode aumentar o risco ou a gravidade dos efeitos adversos.

Monitoramento inadequado

O monitoramento do uso do fármaco envolve

  • Documentar a indicação para um novo fármaco

  • Manter uma lista atualizada de fármacos usados para o paciente nos registros médicos

  • Monitorar o resultado dos objetivos terapêuticos e outras respostas aos novos fármacos

  • Monitorar as necessidades de exames laboratoriais para a eficácia ou efeitos adversos

  • Revisar periodicamente os fármacos para necessidades de uso contínuo

Tais medidas são especialmente importantes para os pacientes idosos. A falta de monitoramento eficaz, especialmente após a prescrição de novos fármacos aumenta o de risco de efeitos adversos e a ineficácia do fármaco. Critérios para facilitar o monitoramento têm sido desenvolvidos pelo consenso do Health Care Financing Administration como parte dos critérios de revisão do uso de fármacos. O foco dos critérios foi estabelecido na dosagem ou duração inadequada da terapia, duplicação de terapia e possível interação medicamentosa.

Seleção medicamentosa inadequada

Um fármaco é considerado inadequado quando o potencial de dano é maior que o de benefício. O uso inadequado de um fármaco pode envolver

  • Escolha de fármaco, dose, frequência de dose ou duração da terapia inadequados

  • Duplicação da terapia

  • A não consideração das interações medicamentosas e das indicações corretas para o uso do fármaco

  • Fármacos apropriados que são mantidos erroneamente em uso contínuo, depois da resolução da condição aguda (isso pode acontecer quando o paciente é transferido de um local de cuidados de saúde para outro)

Algumas classes de fármacos são de especial preocupação em idosos. Alguns são tão problemáticos que devem ser evitados em qualquer circunstância nos idosos; outros devem ser evitados apenas em determinadas situações, e outros podem ser usados, mas com muito cuidado. Os critérios de Beers da American Geriatrics Society (ver Fármacos potencialmente inapropriados em idosos) listam os fármacos potencialmente inapropriados para idosos de acordo com a classe farmacológica; outras listas similares estão disponíveis (4). Uma lista de fármacos alternativos com referências corroborativas também está disponível (5). Os médicos devem considerar os benefícios e riscos do tratamento para cada paciente. Os critérios não se aplicam a pacientes em fase terminal, quando as decisões em relação a tratamentos farmacológicos são muito diferentes.

Apesar dos critérios de Beers da American Geriatrics Society e de outros critérios, fármacos inadequados ainda são prescritos para idosos; em geral, cerca de 20% dos idosos residentes na comunidade receberam pelo menos um fármaco inadequado. Em tais pacientes, o risco de efeitos adversos é elevado. Em pacientes institucionalizados, o uso inadequado também aumenta o risco de hospitalização e morte. Em um estudo com pacientes hospitalizados, 27,5% receberam um fármaco inadequado.

Alguns fármacos inadequados são de venda livre; assim, os médicos devem questionar especificamente o paciente sobre os problemas potenciais que tais fármacos podem causar.

Fármacos são frequentemente prescritos para idosos (em geral, analgésicos, bloqueadores de H2, hipnóticos ou laxantes) para sintomas leves (incluindo os efeitos adversos de outros fármacos) que poderiam ser mais bem tratados com tratamentos não farmacológicos (p. ex., exercícios, fisioterapia, massagem, alterações na dieta) reduzindo a dose do fármaco que causa os efeitos adversos. Iniciar fármacos adicionais geralmente é inadequado; os benefícios podem ser pequenos, além de aumentar os custos, e o novo fármaco pode provocar intoxicação.

A resolução do problema do uso inadequado no idoso requer mais do que evitar uma pequena lista de fármacos e a observação das categorias de fármacos preocupantes. Deve-se também avaliar regularmente o tratamento farmacológico como um todo para determinar a necessidade de se continuar um determinado fármaco, bem como o potencial benefício em relação aos danos.

Falta de adesão do paciente

A eficácia do fármaco geralmente é comprometida pela não adesão do paciente idoso ambulatorial. A adesão é afetada por muitos fatores, mas não pela idade por si só. Mais da metade dos idosos não usa os fármacos indicados, geralmente usam menos que o prescrito (subadesão). As causas são similares às dos pacientes jovens. Além disso, os seguintes motivos também contribuem:

  • Limitações físicas e financeiras que podem dificultar a compra do fármaco

  • Problemas cognitivos, que podem dificultar o uso dos fármacos de acordo com as instruções

  • Uso de múltiplos fármacos

  • Uso de fármacos que devem ser tomados várias vezes ao dia ou de maneira específica

  • Não compreensão do objetivo do fármaco (benefícios) ou como reconhecer e administrar os efeitos adversos (riscos)

Um regime com doses muito frequentes ou muito infrequentes, múltiplos fármacos, ou ambos, pode ser muito complicado para os pacientes darem continuidade. Os médicos devem avaliar o entendimento e as habilidades de saúde dos pacientes para aderir a um regime de fármacos (p. ex., destreza, força da mão, cognição, visão) e tentar acomodar suas limitações—, p. ex., providenciando ou recomendando recipientes de fácil acesso, rótulos de fármacos e instruções em letras grandes, recipientes equipados com alarmes de lembrete, recipientes preenchidos com base nas necessidades diárias dos fármacos, chamadas telefônicas de lembrete ou assistência à medicação. Os farmacêuticos e enfermeiros podem auxiliar com ensino e revisão das instruções prescritas ao paciente idoso em cada consulta. É possível a um farmacêutico identificar um problema a observando se os pacientes obtêm renovações de receitas dentro do cronograma ou se uma prescrição parece ilógica ou incorreta. Muitas farmácias são capazes de monitorar os padrões de renovação da receita e entrar em contato com os pacientes e/ou médicos se as prescrições não estiverem sendo renovadas em intervalos apropriados.

Superdosagem

A dosagem excessiva de um fármaco apropriado pode ser prescrita ao paciente idoso, se o médico não considerar as alterações relacionadas à idade que afetam a farmacocinética e a farmacodinâmica. Por exemplo, doses de fármacos eliminados por via renal devem ser ajustadas em pacientes com insuficiência renal.

Em geral, embora os requisitos para doses variem consideravelmente de uma pessoa para outra, os fármacos devem ser iniciado na dose mais baixa em idosos. Normalmente indicam-se doses iniciais de cerca de um terço à metade da dose normal para adultos quando um fármaco tem baixo índice terapêutico ou quando outra doença pode exacerbar-se por causa desse fármaco, especialmente quando os pacientes são frágeis. A dose é aumentada, quando tolerada, até o efeito desejado. O paciente deve ser avaliado com relação aos efeitos adversos e os níveis do fármaco devem ser monitorados sempre que possível.

A superdosagem também pode ocorrer quando as interações medicamentosa aumentam a quantidade de fármaco disponível ou diferentes profissionais prescrevem determinado fármaco e não sabem que o outro prescreveu o mesmo fármaco ou algum similar (duplicação terapêutica).

Comunicação insatisfatória

A comunicação insatisfatória da informação médica nos pontos de transição (de uma instituição de cuidados de saúde para outra) causa mais de 50% de todos os erros relacionados a fármacos e até 20% dos efeitos adversos dos fármacos no hospital. O regime dos fármacos que foram iniciados e necessitam somente ser usados no hospital (p. ex., sedativos hipnóticos, laxantes, inibidores da bomba de prótons) podem ser desnecessariamente continuados por outro médico que está relutante em se comunicar com o médico anterior, quando o paciente recebe alta do hospital. Por outro lado, na admissão a uma unidade de saúde, a falta de comunicação pode resultar em omissão não intencional da manutenção necessária de determinado fármaco. A reconciliação medicamentosa se refere a um processo formal de revisão de todos os medicamentos receitados em cada transição de atendimento e pode ajudar a eliminar erros e omissões.

Subprescrição

Fármacos apropriados podem ser subprescritos — i. e., não ser usados para a máxima eficácia. A subprescrição pode aumentar a morbidade e mortalidade, além de diminuir a qualidade de vida. Os médicos devem usar doses adequadas dos fármacos e, quando indicado, regimes de múltiplos fármacos.

Os fármacos que frequentemente são subprescritos no idoso incluem aqueles usados no tratamento da depressão, doença de Alzheimer, dores (p. ex., opioides), insuficiência cardíaca, pós-infarto do miocárdio (betabloqueadores), FA (varfarina), hipertensão, glaucoma e incontinência. Além disso, as vacinas nem sempre são administradas da maneira recomendada.

  • Opioides: Os médicos geralmente relutam em prescrever opioides para pacientes idosos com câncer ou outros tipos de dores crônicas, tipicamente pelos efeitos adversos dos fármacos (p. ex., sedação, constipação intestinal, delirium) e desenvolvimento de dependência. Por outro lado, geralmente as doses são inadequadas quando os opioides são prescritos. A subprescrição dos opioides pode significar que alguns pacientes idosos têm dor e desconforto; é mais provável que idosos relatem o controle inadequado da dor do que os adultos jovens.

  • Betabloqueadores: Nos pacientes com história de infarto do miocárdio e/ou insuficiência cardíaca, mesmo em idosos com elevado risco de complicações (p. ex., aqueles com doença pulmonar ou diabetes), esses fármacos diminuem as taxas de mortalidade e internações.

  • Anti-hipertensivos: existem diretrizes disponíveis para tratamento de hipertensão no idoso e o tratamento parece ser benéfico (diminuição do risco de acidente vascular encefálico e de eventos cardiovasculares importantes). No entanto, os estudos indicam que geralmente a hipertensão não é controlada em pacientes idosos.

  • Fármacos para a doença de Alzheimer: os inibidores da acetilcolinesterase e os antagonistas de NMDA têm apresentado benefícios aos indivíduos com doença de Alzheimer. A magnitude do benefício é modesta e variável, mas deve-se oferecer aos pacientes e aos familiares a oportunidade de uma decisão esclarecida sobre o uso.

  • Anticoagulantes: anticoagulantes (tanto a varfarina como os anticoagulantes diretos orais mais recentes) reduzem o risco de acidente vascular encefálico em pacientes com fibrilação atrial. Embora, em geral, haja um maior risco de sangramento com o uso de anticoagulantes, alguns idosos que podem se beneficiar desses fármacos não o recebem.

  • Vacinas: idosos têm maior risco de morbidade e mortalidade decorrentes de influenza, infecção pneumocócica e herpes zóster. As taxas de vacinação entre idosos ainda podem ser aprimoradas.

Os pacientes idosos com doenças crônicas, agudas ou não relacionadas podem ser subtratados (p. ex., a hipercolesterolemia pode não ser tratada em pacientes com enfisema). Os médicos podem recusar esses tratamentos por estarem preocupados com o aumento do risco de efeitos adversos ou com o tempo necessário para haver benefício com o tratamento. Os médicos podem pensar que o tratamento do problema primário representa o objetivo principal de todos os pacientes ou que estes não tolerem fármacos adicionais. Os pacientes devem participar ativamente da tomada de decisões em relação ao tratamento farmacológico para que os médicos possam entender as prioridades e preocupações dos pacientes.

Referências

Prevenção

Antes de iniciar um novo fármaco

Os médicos devem considerar os seguintes itens, antes de iniciar um novo fármaco, para diminuir o risco dos efeitos adversos do fármaco no idoso:

  • Considerar um tratamento sem medicação

  • Discutir os objetivos do tratamento com o paciente

  • Documentar a indicação de cada novo fármaco (para evitar o uso de fármacos desnecessários)

  • Considerar as alterações relacionadas à idade na farmacocinética ou farmacodinâmica e o efeito nas necessidades de dosagem

  • Escolher a alternativa mais segura possível (p. ex., artrite não inflamatória, paracetamol em vez de AINE)

  • Checar o potencial de interação fármaco-doença e interação medicamentosa

  • Começar com uma dosagem pequena

  • Usar a menor quantidade de fármacos necessários

  • Observar as doenças coexistentes e a probabilidade de contribuírem para os efeitos adversos do fármaco

  • Explicar o uso e os efeitos adversos de cada fármaco

  • Dar instruções claras ao pacientes sobre como fazer o uso do fármaco (incluindo os genéricos e os de marcas, mencionar o nome de cada fármaco, suas indicações, bem como dar a explicação das fórmulas que contêm mais de um fármaco) e por quanto tempo o fármaco provavelmente será necessário.

  • Antecipar a confusão devido aos sons de nomes semelhantes de fármacos e ressaltar denominações que podem ser confusas (p. ex., Glucophage® e Glucovance®)

Após iniciar um fármaco

Itens que devem ser considerados ao iniciar a usar um fármaco:

  • Assumir que um novo sintoma está relacionado com o fármaco até prova em contrário (para prevenir uma cascata de prescrição).

  • Monitorar os sinais dos efeitos adversos dos fármacos, incluindo a medida dos níveis de fármacos e realizar outros exames laboratoriais, quando necessário.

  • Documentar a resposta à terapia e aumentar as doses, quando necessário, para alcançar o efeito desejado.

  • Reavaliar regularmente a necessidade de manter a terapia medicamentosa e suspender os fármacos que não são mais necessários.

Continuidade

Devem ser considerados os seguintes itens:

Reconciliação medicamentosa é o processo que ajuda a assegurar a transferência das informações referentes ao regime medicamentoso em qualquer ponto de transição do sistema de cuidados de saúde. O processo inclui identificação e listagem de todos os fármacos que o paciente usa (nome, dose, frequência, rotina) e compara a lista resultante com o receituário médico em determinado ponto da transição. A reconciliação medicamentosa deve ocorrer a cada fase de transferência (admissão, transferência e alta).

Programas de ordenação médica informatizada podem alertar os médicos sobre potenciais problemas (p. ex., alergia, necessidade de reduzir a dosagem em pacientes com função renal reduzida e interações medicamentosas). Esses programas também permitem o monitoramento dos efeitos adversos dos fármacos em determinados pacientes.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS