Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Cuidadores da família para idosos

Por

Daniel B. Kaplan

, PhD, LICSW, Adelphi University School of Social Work;


Barbara J. Berkman

, DSW, PhD, Columbia University School of Social Work

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Os cuidadores da família têm um papel fundamental no retardo e possivelmente na prevenção da institucionalização de idosos enfermos crônicos. Embora vizinhos e amigos possam ajudar, cerca de 80% dos serviços de assistência domiciliar (física, emocional, social, econômica) são prestados pelos cuidadores da família. Quando o paciente está leve ou moderadamente debilitado, muitas vezes o cônjuge ou os filhos adultos prestam os cuidados, mas, quando ele está gravemente incapacitado, é mais provável que o cônjuge (geralmente a mulher) seja o cuidador. Cerca de 34 milhões de americanos, mais de 10% da população norte-americana. prestaram serviços como cuidadores não pagos para alguém com 50 anos de idade ou mais em 2015.

A quantidade e o tipo de cuidado prestado por membros da família dependem de recursos econômicos, estrutura familiar, qualidade dos relacionamentos e outras exigências de tempo e disposição dos familiares. Os cuidados prestados pela família vão desde a assistência mínima (p. ex., verificação periódica) até os cuidados elaborados em tempo integral. Em média, cuidados prestados por familiares a idosos consomem cerca de 24 horas por semana, e cerca de 20% da vezes mais de 40 horas por semana. Cuidadores de idosos relatam que 63% dos seus pacientes têm problemas físicos a longo prazo e 29% têm comprometimento cognitivo. Sabe-se que cuidar de idosos com transtornos neurocognitivos é particularmente intenso e fatigante e tem efeitos prejudiciais sobre os cuidadores.

Embora a sociedade tenda a ver os membros da família responsáveis por cuidados mútuos, os limites das obrigações conjugais e dos filhos variam entre culturas, famílias e entre cada um de seus membros. A disposição dos membros da família para prestar os cuidados pode ser reforçada por serviços de apoio (p. ex., assistência técnica na aprendizagem de novas habilidades, serviços de aconselhamento, serviços de saúde mental familiar) e serviços complementares (p. ex., cuidados pessoais [ajuda nos cuidados pessoais, alimentação e para vestir-se], assistência domiciliar, cuidados diários do adulto, programas de refeições). Os serviços complementares podem ser prestados em uma programação regular ou como cuidados de descanso por algumas horas ou dias. Alguns idosos com necessidades significativas de cuidados não têm familiares ou amigos disponíveis, dispostos ou capazes de prestar cuidados e vivem com necessidades não atendidas e, às vezes, em isolamento social.

Alterações demográficas e de valores sociais reduziram o número de familiares disponíveis para cuidar de parentes idosos com deficiência em decorrência de:

  • Aumento do tempo de vida: como resultado, a população de indivíduos muito idosos aumentou. Portanto, os filhos, que são os cuidadores em potencial provavelmente também são velhos.

  • Procriação tardia: combinada com o aumento da longevidade, este atraso criou uma geração sanduíche de cuidadores que cuidam simultaneamente dos filhos e dos pais.

  • Menor tamanho da família: uma quantidade reduzida de filhos ao longo das últimas décadas resultou em uma distribuição mais uniforme da população entre as faixas etárias em comparação com os séculos anteriores, resultando em uma taxa de dependência muito menor (atualmente cerca de 24 idosos dependentes para cada 100 adultos em idade ativa em comparação com cerca de 15 idosos dependentes para cada 100 trabalhadores em 1960).

  • A crescente mobilidade da sociedade americana e da taxa de divórcio: como resultado, as famílias são mais propensas a estar geograficamente separadas e os laços familiares são mais complexos. Mesmo assim, 80% das pessoas com 65 anos participam em mínima proporção (20 minutos) da vida das crianças.

  • Maior quantidade de mulheres no mercado de trabalho: antigamente, as mulheres podiam prestar a maior parte dos cuidados aos pais idosos por causa das expectativas dos papéis de gênero, mas as exigências profissionais diminuíram sua disponibilidade em participar destes cuidados.

  • Melhor tratamento de doenças crônicas: a quantidade de idosos dependentes e muito enfermos está aumentando.

Esses fatores predizem uma crescente demanda dos serviços de assistência domiciliar prestados por outro indivíduo que não é membro da família, amigo e vizinho.

Efeitos dos cuidados

Embora cuidar possa ser muito gratificante, isso também pode ter efeitos negativos. Os cuidadores da família podem experimentar um nível considerável de estresse (a chamada sobrecarga do cuidador) e problemas de saúde posteriores, isolamento, cansaço e frustração, o que às vezes leva ao sentimento de desamparo e exaustão (cuidador esgotado) ou ao abuso de idosos.

Os cuidados também podem se tornar um encargo financeiro. Os casais em que um parceiro cuida do outro tendem a ser desproporcionalmente pobres. Os filhos adultos ou seus cônjuges podem precisar reduzir as horas de trabalho ou pedir afastamento prolongado do trabalho. Embora políticas como o Family Medical Leave Act garantam mecanismos para contestar a interrupção ou o tratamento discriminatório associado a esse absentismo (inclusive entre casais do mesmo sexo), a perda de renda é uma realidade séria para muitos cuidadores. Novas políticas, como o Recognize, Assist, Include, Support, and Engage (RAISE) Family Caregivers Act de 2018, visam identificar as etapas que governos, comunidades, profissionais da saúde, empregadores e outros podem adotar para ajudar parentes e parceiros que prestam assistência a entes queridos.

Deve haver uma conexão entre os cuidadores e assistentes sociais para avaliar sua elegibilidade para receber treinamento, folgas, suporte financeiro e outros serviços disponibilizados aos cuidadores por meio de programas Medicaid-waiver destinados a idosos elegíveis para casas de repouso que optam por permanecer em casa.

Mais importante, os cuidadores muitas vezes obtêm apoio, informações ou estratégias úteis em relação ao cuidado de médicos, enfermeiros, assistentes sociais ou gestores de casos. Os cuidadores também podem tomar as seguintes medidas para se prepararem para cuidar e evitar o esgotamento:

  • Atender às suas próprias necessidades físicas, emocionais, de lazer, espirituais e financeiras

  • Quando necessário, pedir ajuda para os cuidados ou ajuda a outros membros da família e amigos

  • Pesquisar grupos externos que ofereçam apoio psicológico (p. ex., grupos de apoio) ou ajuda na prestação de cuidados (p. ex., aconselhamento, assistência domiciliar, cuidados diários do adulto, programas de refeições, cuidados temporários de descanso)

  • Se o ente querido é hostil ou difícil, não levar isso para o lado pessoal

Informações adicionais

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS