Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Mansonelose

Por

Richard D. Pearson

, MD, University of Virginia School of Medicine

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Mansonelose refere-se a doenças causadas por Mansonella perstans, M. ozzardi, e M. streptocerca. A transmissão ocorre por picadas de mosquitos ou borrachudos. As infecções geralmente são assintomáticas, mas podem ocorrer sintomas. Confirma-se o diagnóstico de M. perstans e M. ozzardi pela identificação de microfilárias em esfregaços de sangue; nenhuma das espécies apresenta periodicidade significativa, de modo que o sangue pode ser coletado a qualquer momento. O diagnóstico de M. streptocerca baseia-se na identificação de microfilárias em fragmentos de pele ou biópsias cutâneas. O tratamento depende da espécie de Mansonella infectante.

Mansonella perstans

Mansonella perstans é transmitida por picadas de mosquitos (Culicoides) na África subsaariana e nas Américas, do Panamá à Argentina. Estima-se que mais de 100 milhões de pessoas estejam infectadas em todo o mundo. Os vermes adultos residem nas cavidades pleural, pericárdica e peritoneal, bem como no retroperitônio e no mesentério. Microfilárias não embainhadas são encontradas na corrente sanguínea. Os mosquitos os adquirem quando sugam o sangue de um ser humano infectado.

A maioria das infecções é assintomática ou leve. A migração de vermes adultos pode causar edemas subcutâneos transitórios semelhantes aos do Loa loa (edemas de Calabar), inflamação do pericárdio ou da pleura, nódulos conjuntivais, danos na retina e inflamação periocular. Sintomas inespecíficos incluindo prurido, urticária, artralgias e mal-estar. Manifestações neuropsiquiátricas, meningoencefalite e hepatite foram atribuídas a M. perstans em raras ocasiões.

Faz-se o diagnóstico de M. perstans identificando as microfilárias não embainhadas em um esfregaço de sangue. Pode-se identificar as microfilárias no sangue tanto durante o dia como à noite. Uma eosinofilia está frequentemente presente.

M. perstans é relativamente resistente a medicamentos, como dietilcarbamazina, utilizados no tratamento de outras doenças filariais. Bactérias Wolbachia endossimbióticas estão presentes em M. perstans adultos em algumas áreas geográficas, mas não em todas. Quando Wolbachia estão presentes, o tratamento com doxiciclina pode ser curativo.

Mansonella ozzardi

Mansonella ozzardi é endêmica na América Central e do Sul e em algumas ilhas do Caribe. Os seres humanos são o principal reservatório da infecção. M. ozzardi é transmitida por picadas de mosquitos (Culicoides) e borrachudos (Simulium amazonicum). O ciclo de vida é semelhante ao do M. perstans, exceto que os vermes adultos residem no sistema linfático e também nas cavidades torácica e peritoneal. As microfilárias estão presentes tanto no sangue como na pele.  

A maioria dos indivíduos com infecção por M. ozzardi é assintomática, mas algumas apresentam exantema, linfadenopatia, artralgias, febre, cefaleia ou sintomas pulmonares. A ceratite induzida por microfilaremia do M. ozzardi foi relatada na região amazônica do Brasil.

Confirma-se o diagnóstico de M. ozzardi pela identificação de microfilárias em amostras de sangue ou pele. O sangue pode ser coletado a qualquer momento. Eosinofilia é comum. Testes sorológicos também podem ser úteis na identificação de infecção, mas não são específicos.

O tratamento é com ivermectina (200 mcg/kg VO). Antes do tratamento com ivermectina, deve-se avaliar nos pacientes co-infecção por Loa loa, outro parasita filário, se estiveram em regiões da África Central onde ambos os parasitas são transmitidos porque a ivermectina pode causar reações graves em pacientes coinfectados por infecções graves por Loa loa. Wolbachia endossimbióticos estão presentes no M. ozzardi, mas a eficácia da doxiciclina no tratamento não foi avaliada.

Mansonella streptocerca

M. streptocerca é transmitida nas florestas tropicais da África Ocidental e Central. Desconhece-se a prevalência do M. streptocerca. Primatas não humanos são às vezes infectados, mas não são os principais reservatórios da infecção. O ciclo de vida do M. streptocerca é semelhante ao do M. perstans, exceto que os vermes adultos residem na derme da parte superior do tronco e ombro. Microfilarias são encontradas na pele. A maioria das pessoas com M. streptocerca é assintomática. Pode-se observar espessamento da derme, máculas hipopigmentadas e linfadenopatia axilar ou inguinal bilateral. Ao contrário de O. volvulus, M. streptocerca adultos não formam nódulos subcutâneos.

Faz-se o diagnóstico de M. streptocerca pela identificação de microfilárias em fragmentos ou biópsias cutâneos. Eosinofilia é comum. A sorologia também pode ser útil na identificação de infecção filarial, mas não é específica.

Administra-se dietilcarbamazina (DEC) 6 mg/kg/dia por 12 dias para tratar M. streptocerca. DEC mata tanto microfilárias como vermes adultos. Entretanto, pode exacerbar os sintomas cutâneos e sistêmicos em razão da liberação de antígenos das microfilárias que estão morrendo. Não se deve administrar DEC a pacientes com O. volvulus ou infecções maciças por Loa loa devido ao potencial de efeitos adversos graves.

A ivermectina (150 mcg/kg em uma dose) pode reduzir as cargas microfilariais de M. streptocerca, mas seu impacto sobre o curso da infecção é incerto. Antes do tratamento com ivermectina, deve-se avaliar nos pacientes co-infecção por Loa loa, outro parasita filário, se estiveram em regiões da África Central onde ambos os parasitas são transmitidos porque a ivermectina pode causar reações graves em pacientes com coinfecção intensa por Loa loa. Não se sabe se M. streptocerca hospeda Wolbachia nem se a doxiciclina influencia no tratamento.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS