Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Dracunculíase

(Doença do Verme da Guiné, Serpente Ígnea)

Por

Richard D. Pearson

, MD, University of Virginia School of Medicine

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Dracunculíase é uma infecção causada por Dracunculus medinensis. O paciente apresenta uma lesão cutânea dolorosa do tipo inflamatório, contendo um verme adulto, e artrite debilitante. O diagnóstico é por inspeção. O tratamento é a remoção lenta do verme adulto. A dracunculose está quase erradicada.

Em meados da década de 1980, 3,5 milhões de pessoas tinham dracunculose, mas até 2015, graças aos esforços internacionais para interromper a transmissão, apenas 22 casos foram notificados. Ocorreram em uma região restrita de países africanos—sul do Sudão, Chade, Mali e Etiópia.

O verme da Guiné é provavelmente o primeiro parasita humano a ser erradicado (1).

Referência

  • 1. Editorial: Guinea worm disease nears eradication. The Lancet Infectious Diseases 16 (2):131, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(16)00020-7.

Fisiopatologia

Seres humanos são infetados ao ingerirem água contendo microcrustáceos infectados (copépodes). As larvas são liberadas, penetram na parede do intestino e tornam-se vermes adultos em aproximadamente 1 ano.

Após o acasalamento, o macho morre e a fêmea grávida migra pelos tecidos subcutâneos, geralmente para extremidades baixas distais. A extremidade cefálica do verme produz uma pápula endurecida que eventualmente evolui para vesícula e úlcera. Em contato com água (p. ex., quando uma pessoa tenta aliviar o desconforto intenso submergindo o membro afetado), uma alça uterina do verme sofre prolapso na pele e libera larvas móveis. Vermes que não conseguem alcançar a pele morrem, desintegrando-se, ou tornam-se calcificados. As larvas são ingeridas por copépodes.

Na maioria das áreas endêmicas, a transmissão é sazonal e cada episódio infeccioso dura aproximadamente 1 ano.

Sinais e sintomas

Dracunculíase costuma ser assintomática no primeiro ano. Os sintomas tipicamente aparecem quando o verme irrompe através da pele. Sintomas locais incluem prurido intenso e dor em queimação no local da lesão de pele. Urticária, eritema, dispneia, vômitos e pruridos são considerados reações alérgicas a antígenos do verme. Se o verme é quebrado durante a expulsão ou a extração, ocorre uma reação inflamatória intensa, causando dor incapacitante. Os sintomas regridem e a úlcera cicatriza quando o verme adulto é expelido. Em aproximadamente 50% dos casos, infecções bacterianas secundárias ocorrem ao longo do trajeto do verme emergente.

A fase crônica da infecção está associada com inflamação e dor nas articulações e outros sinais de artrite. Sequelas incluem ancilose fibrosa de articulações e contração dos tendões.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico da dracunculíase é óbvio depois que o verme adulto, branco e filamentoso aparece na úlcera cutânea. Vermes calcificados podem ser localizados com exame radiográfico (foram encontrados em múmias egípcias).

Não há testes sorológicos disponíveis.

Tratamento

  • Remoção manual

O tratamento da dracunculíase consiste na remoção lenta do verme adulto (que pode ter até 80 cm de comprimento), durante dias a semanas, enrolando-o em uma haste. Remoção cirúrgica com anestesia local é uma opção, mas raramente está disponível em áreas endêmicas.

Não há fármacos anti-helmínticos eficazes para essa doença; o efeito benéfico do metronidazol (250 mg VO 3 vezes ao dia, durante 10 dias) é mais resultante de sua atividade anti-inflamatória com propriedades antibacterianas.

Prevenção

A proteção contra dracunculíase dá-se pela filtração da água, passando-a por um tecido de malha fina, por cloração ou fervura. As pessoas infectadas devem ser instruídas a não entrar em fontes de água potável para evitar contaminá-las.

Pontos-chave

  • O verme da Guiné quase foi erradicado.

  • Quando uma pessoa infectada submerge a extremidade afetada na água para aliviar o intenso desconforto causado pela erupção do verme feminino através da pele, as larvas são liberadas e ingeridas pelos microcrustáceos; seres humanos são infectados quando ingerem água contaminada com os microcrustáceos.

  • Se o verme é partido durante a expulsão ou extração, ocorre uma reação inflamatória intensa, causando dor incapacitante.

  • O diagnóstico baseia-se na observação de um verme adulto, branco e filamentoso na úlcera cutânea.

  • Tratar a dracunculíase removendo lentamente o verme adulto ao longo de dias ou semanas enrolando-o sobre um bastão ou, às vezes, removendo-o cirurgicamente.

  • A proteção contra dracunculíase dá-se pela filtração da água, passando-a por um tecido de malha fina, por cloração ou fervura.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS