Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Infecções por Acinetobacter

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University;


Maria T. Perez

, MD, Wellington Regional Medical Center, West Palm Beach

Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Acinetobacter sp são organismos Gram-negativos que podem causar infecções supurativas em qualquer sistema de órgãos; essas bactérias são frequentemente oportunistas em pacientes hospitalizados.

Acinetobacter são bacilos ou cocobacilos aeróbios Gram-negativos que pertencem à família Moraxellaceae. Eles são onipresentes e podem sobreviver em superfícies secas por até um mês e comumente a pele dos profissionais de saúde é o meio de transmissão, aumentando a probabilidade de pacientes serem colonizados e equipamentos médicos serem contaminados. Existem muitas espécies de Acinetobactere todas podem causar doenças nos seres humanos, mas a A. baumannii (AB) é responsável por cerca de 80% das infecções.

Doenças causadas por Acinetobacter

As manifestações mais comuns da doença por Acinetobacter são

  • Infecções respiratórias

As infecções por AB normalmente ocorrem em pacientes gravemente enfermos e hospitalizados. Infecções adquiridas na comunidade (principalmente pneumonia) são mais comuns em climas tropicais. A letalidade associada à infecção por AB é de 19% a 54%.

Acinetobacter coloniza facilmente locais traqueostomizados; causa bronquiolite e traqueobronquite adquiridas na comunidade em crianças sadias e traqueobronquite em adultos imunocomprometidos. Pneumonias por Acinetobacter, adquiridas em hospitais, são multilobares e com frequência complicadas. Bacteremia secundária e choque séptico estão associados a um prognóstico reservado.

Acinetobacter sp. também podem causar infecção de feridas e infecções supurativas (p. ex., abscessos) em qualquer órgão, como pulmão, trato urinário, pele e tecidos moles; pode ocorrer bacteremia.

Raramente pode causar meningite (em especial após procedimentos neurocirúrgicos), celulite ou flebite com cateter venoso, infecções oculares, endocardite de valvas nativas ou protéticas, osteomielite, artrite séptica ou abscessos pancreáticos e hepáticos.

O significado dos Acinetobacter isolados de amostras clínicas, como as secreções respiratórias de pacientes entubados ou feridas abertas é difícil de determinação porque com grande frequência representam colonização.

Fatores de risco

Fatores de risco de infecção por Acinetobacter dependem do tipo de infecção (nosocomial, adquirida na comunidade ou multirresistente — ver tabela Fatores de risco para a infecção por Acinetobacter).

Tabela
icon

Fatores de risco de infecção por Acinetobacter

Tipo de infecção

Fatores de risco

Adquirida no hospital

Colonização fecal por Acinetobacter

Permanência em unidade de terapia intensiva

Dispositivos internos

Duração da permanência no hospital

Infecção prévia

Cirurgia

Tratamento com antibióticos de largo espectro

Ferimentos

Adquirida na comunidade

Doença pulmonar crônica

Residir em um país tropical em desenvolvimento

Multirresistente

Exposição a pacientes colonizados ou infectados

Procedimentos invasivos

Ventilação mecânica, em particular se for prolongada

Hospitalização prolongada (em particular na unidade de terapia intensiva)

Receber hemoderivados

Uso de antibióticos de largo espectro (p. ex., cefalosporinas de 3ª geração, carbapenéns, fluoroquinolonas)

Resistência a fármacos

Recentemente, surgiu AB multirresistente (MDR, do inglês MultiDrug Resistant), particularmente em pacientes imunodeprimidos nas UTIs (unidade de terapia intensiva), pacientes com doenças subjacentes graves e pacientes tratados com antibióticos de amplo espectro após um procedimento invasivo. Difundido nas unidade de terapia intensiva, é atribuído a profissinais de cuidado de saúde infectados, equipamentos contaminados e soluções de nutrição parenteral contaminados. Além disso, o número de infecções por AB multirresistente aumentou entre os militares que se feriram e foram tratados no Iraque, Kuwait e Afeganistão.

Tratamento

  • Tipicamente, terapia empírica com vários fármacos para infecções graves

Em pacientes com celulite ou flebite localizada e associada a corpos estranhos (p. ex., cateter intravenoso IV] ou suturas), a remoção do corpo estranho e cuidados locais geralmente são suficientes. A traqueobronquite após entubação endotraqueal pode se resolver somente com toalete pulmonar. Pacientes com infecções mais abrangentes devem ser tratados com antibióticos e desbridamento, se necessário.

O AB possui uma grande resistência intrínseca a diversos antimicrobianos. MDR-AB são definidos como cepas que são resistentes a 3 classes de antimicrobianos e algumas cepas são resistentes a todos. Antes que resultados do testes de sensibilidade estejam disponíveis, as possíveis opções iniciais são carbapeném (p. ex., meropeném, imipeném, doripeném), colistina ou uma fluoroquinolona junto com um aminoglicosídeo, rifampina, ou ambos. Sulbactam (um inibidor de beta-lactamase) possui uma atividade bactericida intrínseca contra muitas cepas de Acinetobacter multirresistentes. Tigeciclina, um antibiótico glicilciclina, também é eficaz; entretanto, foram relatadas atividade limítrofe e emergência de resistência durante a terapia. A minociclina tem atividade in vitro.

Infecções leves a moderadas podem responder à monoterapia. Uma infecção de ferida traumática pode ser tratada com minociclina.

Tratam-se as infecções graves por AB com terapia combinada — tipicamente, carbapenêmicos (imipeném ou meropeném) ou ampicilina/sulbactam junto com um aminoglicosídeo; quando a resistência aos fármacos é extrema, tigeciclina ou a combinação de colistina e minociclina podem ser as únicas opções disponíveis.

Para prevenir o contágio, profissionais da saúde devem tomar precauções (lavar as mãos, precauções de barreira), bem como cuidado e limpeza apropriada do ventilador para pacientes colonizados ou infectados por AB multirresistente.

Pontos-chave

  • A. baumannii (AB) responde por cerca de 80% das infecções por Acinetobacter e tende a ocorrer em pacientes graves e hospitalizados.

  • O local mais comum de infecção é o sistema respiratório, mas o Acinetobacter sp também pode causar infecção supurativa em qualquer órgão.

  • AB multirresistente tornou-se um problema; usar o tratamento polifarmacológico escolhido com base nos testes de sensibilidade.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS