Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Ambliopia tóxica

(Ambliopia nutricional)

Por

James Garrity

, MD,

  • Mayo Clinic College of Medicine

Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A ambliopia tóxica (ambliopia nutricional) é uma redução da acuidade visual, a qual se acredita ser decorrente de uma reação tóxica na porção orbitária (feixe papilomacular) do nervo óptico. Pode ser causada por inúmeros fatores tóxicos e nutricionais e provavelmente outras causas desconhecidas. O sintoma principal é a perda indolor da visão. O diagnóstico é feito por história e exame de campo visual. O tratamento inclui evitar agentes tóxicos suspeitos e melhorar a nutrição do paciente.

Etiologia

A ambliopia tóxica é, em geral, bilateral e simétrica e ocorre mais frequentemente em pacientes que fazem uso excessivo de álcool ou tabaco. Desnutrição e deficiência de vitaminas (p. ex., vitaminas B1 ou B12 ou folato) pode ser a causa, particularmente em alcoólatras. Casos verdadeiros de ambliopia por tabaco são raros. Chumbo, metanol, cloranfenicol, digoxina, etambutol e muitos outros produtos químicos também podem causar dano tóxico ao nervo óptico. A deficiência de proteínas e antioxidantes é descrita como um fator de risco. A ambliopia tóxica pode cursar com outros distúrbios nutricionais, como síndrome de Strachan (polineuropatia e dermatite orogenital).

Sinais e sintomas

Em pacientes com ambliopia tóxica, visão desfocada e ofuscamento tipicamente se desenvolvem em questão de dias ou semanas. No início, um pequeno escotoma central ou paracentral aumenta lentamente, geralmente envolvendo a mancha cega (escotoma centrocecal) e o ponto de fixação, interferindo progressivamente na visão. A cegueira total pode ocorrer nos casos relacionados à ingestão de metanol, mas outras causas nutricionais, na maioria das vezes, não resultam na perda significativa da visão. Anormalidades da retina não ocorrem com frequência, mas palidez temporal do disco óptico pode se desenvolver mais tarde.

Diagnóstico

  • Principalmente avaliação clínica

História de desnutrição ou exposição química ou tóxica combinada com escotoma bilateral típico no campo visual justifica o tratamento. Realizam-se testes laboratoriais para identificar intoxicação por chumbo, metanol, deficiências nutricionais ou outras toxinas suspeitas.

Prognóstico

Pacientes com visão diminuída podem melhorar se a causa for tratada ou removida rapidamente. Uma vez que o nervo óptico tenha atrofiado, a visão não pode mais ser recuperada.

Tratamento

  • Tratar a causa da ambliopia tóxica

  • Recursos para visão baixa

A causa da ambliopia tóxica do paciente é tratada. Exposição a substâncias tóxicas deve ser interrompida imediatamente. Álcool, fármacos e outras substâncias químicas potencialmente causadoras devem ser evitados. A quelação é indicada na intoxicação por chumbo. Utiliza-se diálise, fomepizol, etanol ou uma combinação para intoxicação por metanol. O tratamento com vitamina B por via oral ou parenteral e/ou folato antes que a perda da visão se torne grave pode reverter a situação nos casos em que desnutrição é a possível causa.

Aparelhos para visão subnormal (p. ex., lupas, dispositivos de impressão grande, relógios falantes) podem ser úteis.

O papel dos antioxidantes ainda não está totalmente elucidado. Seu uso pode ser justificável em bases teóricas; contudo, não há comprovação de eficácia, e o grupo de risco que deveria receber o tratamento não foi bem estabelecido.

Pontos-chave

  • Ambliopia tóxica é acuidade visual reduzida causada mais frequentemente por fármacos ou toxinas ou deficiências nutricionais, especialmente em alcoólatras.

  • A perda de visão é geralmente gradual e parcial.

  • O diagnóstico é essencialmente clínico (p. ex., escotoma bilateral, história sugestiva).

  • Tratar a causa (p. ex., interromper a exposição a um fármaco ou toxina, melhorar a nutrição).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS