honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Lesões e inflamação nos lábios

Por

Bernard J. Hennessy

, DDS, Texas A&M University, College of Dentistry

Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A inflamação labial pode ser generalizada, ou localizada em uma ou mais feridas ou lesões. Embora possa haver algum edema, a principal manifestação é o desconforto. O edema labial com pouco ou sem desconforto é discutido em outra parte.

Lesões e tumorações labiais

Várias doenças infecciosas, malignas ou pré-malignas, podem causar tumorações e lesões labiais:

  • Queratose actínica: tumorações pré-carcinógenas ressecadas, descamativas, irregulares, pálido, enantemaosas ou de coloração variável. Essa doença pré-malignas comum é causada pela exposição crônica à luz ultravioleta. Os tratamentos são feitos com a redução da exposição ao sol (protetores solares e chapéus com abas largas) e ablação a laser.

  • Eritema multiforme (EM): várias bolhas que se rompem rapidamente deixando úlceras hemorrágicas crostosas na mucosa labial. Essa doença ulcerativa mucocutânea é uma reação imunitária geralmente desencadeada pelo vírus do herpes simples. O eritema multiforme tem grande variedade morfológica e muitas vezes causa mucosite oral dolorosa. As ulcerações labiais são tratadas com corticoides tópicos ou sistêmicos.

  • Sífilis primária (cancro): úlcera indolor com bordas duras. Os cancros orais costumam ser vistos nos lábios (lábios superiores mais comuns nos homens; lábios inferiores mais comuns nas mulheres). O tratamento de escolha da sífilis é penicilina.

  • Infecção pelo vírus do herpes simples: pequeno aglomerado de vesículas que se rompem formando úlceras no vermelhão do lábio; comumente chamadas de aftas ou feridas de febre. O tratamento é feito com aciclovir, creme de penciclovir ou creme de docosanol a 10% (sem prescrição médica).

  • Eritroplasia ou leucoplasia: manchas vermelhas ou brancas que podem estar associadas a displasia e a carcinoma de células escamosas

  • Carcinoma oral de células escamosas: pode se manifestar de maneira variável como nódulo ou placa hiperceratótica, úlcera com bordas duras ou como eritroplasia ou leucoplasia (particularmente nos casos em fase inicial que ainda não ulceraram). O tratamento depende do estágio clínico no momento do diagnóstico e inclui excisão cirúrgica ampla, radioterapia ou ambos.

  • Verruga vulgar (verruga comum): superfície áspera, tumor indolor. Essa doença benigna pode se espalhar por autoinoculação. Os tratamentos são feitos por meio de agentes tópicos (ácido salicílico, ácido láctico ou nitrogênio líquido) ou excisão cirúrgica.

Queilite (inflamação labial)

A queilite é inflamação aguda ou crônica dos lábios. Pode ser causada por infecção, exposição ao sol, fármacos ou substâncias irritantes, alergia ou doença subjacente. A inflamação acomete principalmente o vermelhão labial e a borda do vermelhão. Edema, com enantema e dor; outras alterações podem ser rachaduras, fissuras, erosões, crostas e descamação.

A queilite angular (estomatite angular) é a forma mais comum; inflamação, crostas, fissuras dolorosas, muitas vezes com maceração nos cantos da boca. As causas típicas são

  • Desgaste excessivo dos dentes ou próteses dentárias que não separam adequadamente as mandíbulas, criando dobras cutâneas nos cantos da boca nas quais há acúmulo de saliva

  • Candida spp (ou algumas vezes Staphylococcus aureus)

  • Deficiência de ferro, deficiência do complexo de vitamina B (sobretudo riboflavina e cobalamina)

O tratamento da queilite angular pode ser feito pela substituição das próteses dentárias ou a restauração do tamanho adequado dos dentes com próteses parciais, coroas ou implantes, o que ajuda a reduzir as dobras nos cantos da boca e com o uso de antifúngicos (p. ex., creme de clotrimazol) e antibióticos (p. ex., pomada de mupirocina), ou suplementação de ferro ou vitamina B, como necessário.

Outras causas da queilite são

  • Atrofia actínica: dano solar que causa atrofia e adelgaçamento da mucosa com erosões; predispõe a neoplasias

  • Queilite eczematosa: lábios enantematosos e ressecados (algumas vezes denominados lábios rachados) geralmente causados por contato com substâncias irritantes ou, algumas vezes, por alergênios ou como parte da dermatite atópica

Tipos raros de queilite são a queilite glandular, a queilite granulomatosa e a queilite plasmocitária. Crianças com a doença de Kawasaki podem apresentar lábios enantematosos, ressecados, edematosos e rachados, junto com língua de morango.

Em geral, o diagnóstico é feito pela anamense e exame clínico. A queilite actínica com sinais de progressão (induração, ulceração e/ou espessamento) deve ser biopsiada para descartar carcinoma.

O tratamento é feito com vaselina ou outros emolientes, bem como pela eliminação ou pelo tratamento das causas específicas. Na queilite actínica não maligna grave, pode-se considerar vermelhectomia (raspagem labial) ou ablação a laser com CO2. Pode-se minimizar o dano solar por meio da utilização de vestimentas protetoras como chapéus de aba larga e protetor labial contendo filtro solar tópico.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Feature.AlsoOfInterst.SocialMedia

PRINCIPAIS