Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Demência associada ao HIV

Por

Juebin Huang

, MD, PhD, Memory Impairment and Neurodegenerative Dementia (MIND) Center, University of Mississippi Medical Center

Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A demência associada ao HIV é uma degeneração cognitiva crônica decorrente de infecção encefálica por HIV ou microrganismos oportunistas.

Demência é a degeneração crônica, global e geralmente irreversível da cognição. A demência associada ao HIV (complexo aids-demência) pode ocorrer nas fases tardias da infecção por HIV. Ao contrário de quase todas as outras formas de demência, esse tipo tende a ocorrer em pessoas mais jovens.

Demência não deve ser confundida com delirium, embora haja comprometimento da cognição em ambos. Os seguintes ajudam a distingui-los:

  • Demência afeta principalmente a memória, costuma ser causada por alterações anatômicas no encéfalo, tem início mais lento e, em geral, é irreversível.

  • O delirium afeta principalmente a atenção, costuma ser causado por enfermidade aguda ou toxicidade por fármacos (às vezes com risco de morte) e, em geral, é reversível.

Outras características específicas também ajudam a distinguir esses 2 distúrbios ( Diferenças entre delírio e demência*).

A demência puramente associada ao HIV é causada por dano neuronal pelo vírus HIV. Contudo, em pacientes com infecção pelo HIV a demência pode resultar de outras doenças, algumas das quais podem ser tratáveis. Essas doenças incluem outras infecções, como infecção secundária por vírus JC que causa leucoencefalopatia multifocal progressiva e linfoma do SNC. Outras infecções oportunistas (p. ex., meningite criptocócica, outras meningites fúngicas, algumas infecções bacterianas, meningite por TB, infecções virais, toxoplasmose) também podem contribuir.

Na demência pura associada ao HIV ocorrem alterações patológicas subcorticais resultantes da infiltração de células microgliais ou macrófagos infectados na substância cinzenta profunda (gânglios basais, tálamo) e na substância branca.

A prevalência de demência associada ao HIV na fase tardia da infecção por HIV varia de 7 a 27%, mas 30 a 40% podem apresentar formas moderadas. A incidência é inversamente proporcional à contagem de células CD4.

Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas podem ser similares aos de outras demências. Manifestações precoces incluem

  • Pensamento e expressão lentos

  • Dificuldade de concentração

  • Apatia

A compreensão é preservada, e há poucas manifestações de depressão. Os movimentos são lentos; pode ocorrer ataxia e fraqueza.

Sinais neurológicos anormais podem incluir

  • Paraparesia

  • Espaticidade nos membros inferiores

  • Ataxia

  • Respostas extensoras plantares

Às vezes, ocorre mania ou psicose.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • Medição da contagem de CD4 e carga viral do HIV

  • Avaliação imediata, incluindo RM e geralmente punção lombar, quando a degeneração é aguda

Deve-se suspeitar de demência associada ao HIV em pacientes com

  • Sintomas de demência

  • Infecção por HIV conhecida, sintomas ou fatores de risco sugerindo infecção por HIV

Se pacientes sabidamente infectados pelo HIV têm sintomas sugerindo demência, confirma-se o diagnóstico da demência geral com base nos critérios habituais, incluindo:

  • Sintomas cognitivos ou comportamentais (neuropsiquiátricos) interferem na capacidade de funcionar no trabalho ou fazer atividades diárias habituais.

  • Esses sintomas representam uma queda em relação aos níveis anteriores de funcionamento.

  • Esses sintomas não são explicados por delirium ou transtorno psiquiátrico.

A avaliação da função cognitiva envolve fazer a anamnese do paciente e com alguém que conhece o paciente, além do exame do estado mental ao leito ou, se o teste ao leito for inconclusivo, testes neuropsicológicos formais.

Se pacientes com sintomas de demência não tiverem diagnóstico de infecção pelo HIV mas apresentam fatores de risco da infecção pelo HIV eles são testados para HIV.

Em pacientes com infecção pelo HIV ou suspeita de demência associada ao HIV a contagem de CD4 e carga viral do HIV são medidas. Em pacientes com HIV suspeito ou confirmado e demência, esses valores ajudam a determinar a probabilidade de demência associada ao HIV (e linfoma do sistema nervoso central e outras infecções do sistema nervoso central associadas ao VIH) que contribuem para a demência. Em pacientes com infecção pelo HIV mas que não têm demência, esses valores ajudam a determinar a probabilidade de desenvolvimento de demência associada ao HIV.

Se os pacientes têm demência e infecção pelo HIV outros processos podem causar ou contribuir para o agravamento dos sintomas de demência. Assim, a causa do declínio cognitivo, particularmente súbito e grave—seja por causa de infecção por HIV ou outras infecções—deve ser identificada o mais rapidamente possível.

RM, com e sem contraste, deve ser feita para identificar outras causas da demência, e se a RM não identificar nenhum contraindicação para punção lombar, ela também deve ser feita.

Os achados na fase tardia de demência associada ao HIV podem incluir hiperintensidades difusas de massa branca sem impregnação por meio de contraste, atrofia cerebral e expansão ventricular.

Prognóstico

Os pacientes HIV-positivos com demência não tratada têm prognóstico mais desfavorável (expectativa média de vida de 6 meses) que os pacientes sem demência.

Tratamento

  • Terapia antirretroviral

O tratamento primário da demência associada ao HIV é terapia antirretroviral, que aumenta a contagem de células CD4 e melhora a função cognitiva.

As medidas de suporte são similares às de outras demências. Por exemplo, o ambiente deve ser iluminado, alegre e familiar, e deve ser projetado para reforçar a orientação (p. ex., colocar grandes relógios e calendários no ambiente). Medidas para garantir a segurança do paciente (p. ex., sistemas de monitoramento de sinal para os pacientes que perambulam) devem ser implementadas.

Os sintomas são tratados como necessário.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Vídeo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso neural
Modelo 3D
Impulso neural

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS