Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Massa escrotal indolor

Por

Anuja P. Shah

, MD, David Geffen School of Medicine at UCLA

Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A presença de massa escrotal indolor geralmente é observada pelo paciente, mas pode ser um achado incidental no exame de rotina.

Dor escrotal e massas escrotais dolorosas ou edema podem ser causados por torção testicular, torção de apêndice testicular, epididimite, orquiepididimite, abscesso escrotal, trauma, hérnia inguinal estrangulada, orquite e gangrena de Fournier.

Etiologia

Há várias causas (ver tabela Algumas causas de massa escrotal indolor) de uma massa escrotal indolor, mas as mais comuns são:

  • Hidrocele

  • Hérnia inguinal não encarcerada

  • Varicocele (presente em até 20% dos homens adultos)

Causas menos comuns incluem espermatocele, hematocele, sobrecarga de líquidos e, ocasionalmente, câncer de testículo. O câncer de testículo é a causa mais preocupante de massa escrotal indolor. Apesar de raro em comparação com as outras condições listadas, é o câncer sólido mais comum em homens < 40 anos; como responde bem ao tratamento, é importante o diagnóstico precoce.

Tabela
icon

Algumas causas de massa escrotal indolor

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica

Hidrocele (comunicante) geralmente em pacientes com hérnias inguinais

Edema cístico

Aumento do tamanho quando em pé ou há aumento da pressão intra-abdominal

Geralmente congênita

Transilumina

Avaliação clínica

Ultrassonografia se o diagnóstico for incerto

Hidrocele (não comunicante)

Edema cístico

Não altera o tamanho nas mudanças de posição ou aplicação de pressão intra-abdominal

Geralmente, anormalidade escrotal simultânea (p. ex., tumor, epididimite)

Transilumina

Avaliação clínica

Geralmente ultrassonografia

Espermatocele

Massa cística no polo superior do testículo, adjacente ao epidídimo

Transilumina

Avaliação clínica

Ultrassonografia se o diagnóstico for incerto

Hérnia inguinal

Aumento do tamanho quando em pé ou há aumento da pressão intra-abdominal

Pode desaparecer ao se deitar ou ser redutível ou compressível

Possivelmente ruidos hidroaéreos

Ausência de estruturas do cordão espermático normal sobre a massa

Possivelmente palpável no canal inguinal

Avaliação clínica

Varicocele

Palpável quando em pé (salientada com Valsalva), sensação de saco de vermes

Geralmente do lado esquerdo

Possivelmente dor e sensação de plenitude em posição ortostática

Possível atrofia testicular

Avaliação clínica

Hematocele

Edema doloroso

Fatores de risco (p. ex., trauma, cirurgia, alteração da coagulação ou uso de anticoagulantes)

Geralmente ultrassonografia

Sobrecarga de líquidos

Aumento bilateral difuso do escroto

Frequentemente edema depressível nos membros inferiores

Geralmente com causa evidente (p. ex., insuficiência cardíaca, ascite)

Transilumina

Avaliação clínica

Ultrassonografia se o diagnóstico for incerto

Linfedema (p. ex., por filariose, congênito, idiopático, após irradiação pélvica ou câncer [p. ex., próstata, vesicular, testicular)

Edema difuso da bolsa escrotal

Geralmente não compressível

Avaliação clínica

Exames de imagem (TC/ultrassonografia) se o diagnóstico não estiver claro

Massa ligada ou parte do testículo

Sólida ou não transilumina

Possivelmente indolor, com dor leve ou aguda devido à hemorragia

Ultrassonografia da bolsa escrotal

Alfafetoproteína

Gonadotrofina coriônica beta-humana

Desidrogenase láctica

TC de abdome

Avaliação

História

História da doença atual deve verificar a duração dos sintomas, o efeito da posição supina e o aumento da pressão intra-abdominal, bem como a presença e as características dos sintomas associados, como, por exemplo, dor.

Revisão dos sistemas deve-se buscar sinais e sintomas que sugiram as possíveis causas, como dor abdominal, anorexia ou vômitos (hérnia inguinal com estrangulação intermitente); dispneia e edema nos membros inferiores (insuficiência cardíaca direita); distensão abdominal (ascite); diminuição da libido, feminilização e infertilidade (atrofia testicular com varicocele bilateral).

A história clínica deve identificar doenças existentes que podem causar massas (p. ex., insuficiência cardíaca direita, ascite causando linfedema); doenças escrotais conhecidas (p. ex., tumor testicular ou epididimite que causa hidrocele); história de cirurgia pélvica e hérnia inguinal.

Exame físico

O exame físico abrange a avaliação das doenças sistêmicas que possam causar edema (p. ex., insuficiência cardíaca, ascite) e exame detalhado da região inguinal e dos órgãos genitais.

O exame inguinal e dos genitais deve ser realizado com o paciente em pé e deitado. A área inguinal é inspecionada e palpada, particularmente quanto à presença de massas reduzíveis. Os testículos, epidídimos e cordões espermáticos devem ser palpados; a presença de espessamento, massas e dor à palpação deve ser verificada. A palpação cuidadosa geralmente pode localizar uma massa pequena em uma dessas estruturas. Massas não redutíveis devem ser transiluminadas para auxiliar a determinar se são císticas ou sólidas.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Massa não redutível que altera as estruturas normais do cordão espermático

  • Massa que faz parte do testículo ou está ligada a ele e não se transilumina

Interpretação dos achados

Massa não redutível que altera as estruturas normais do cordão espermático sugere hérnia inguinal encarcerada. Se a massa faz parte ou está ligada ao testículo e não se transilumina, deve-se pensar na possibilidade de câncer testicular.

Outras características clínicas podem fornecer pistas importantes (ver tabela Algumas causas de massa escrotal indolor). Por exemplo, uma massa que transilumina provavelmente é cística (p. ex., hidrocele, espermatocele). Massa que desaparece ou reduz de tamanho no momento em que o paciente se deita pode sugerir varicocele, hérnia inguinal ou hidrocele comunicante. A presença de hidrocele pode dificultar o exame de outras massas escrotais. Raramente, uma varicocele persiste quando o paciente se deita ou está presente no lado direito; qualquer um dos achados sugere obstrução da veia cava inferior.

Exames

A avaliação clínica pode ser diagnóstica (p. ex., varicocele, linfedema, hérnia inguinal); se não, são realizados exames complementares. A ultrassonografia é realizada quando

  • O diagnóstico é incerto

  • Geralmente, na presença de hidrocele (para diagnosticar lesões escrotais que possam estar causando a hidrocele)

  • A massa não se transilumina

Se a ultrassonografia confirmar massa testicular sólida, são necessários mais exames para detectar câncer do testículo (ver Câncer testicular: diagnóstico), incluindo:

  • Nível de gonadotrofina coriônica beta-humana (hCG)

  • Nível de alfafetoproteína

  • Nível de desidrogenase láctica

  • TC de abdome

Tratamento

O tratamento é direcionado para a causa. Nem todas as massas requerem tratamento. Se houver suspeita de hérnia inguinal, pode-se tentar a redução (ver Hérnias da parede abdominal).

Pontos-chave

  • Massa não redutível que altera as estruturas normais do cordão espermático sugere hérnia inguinal encarcerada.

  • Massa sólida que não transilumina necessita de avaliação obrigatória para câncer de testículo.

  • A causa da hidrocele deve ser determinada.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS