Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Radiografia e outros estudos contrastados de imagem do trato gastrointestinal

Por

Jonathan Gotfried

, MD,

  • Lewis Katz School of Medicine at Temple University
  • Penn State University

Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Estudos radiográficos contrastados do abdome

Estudos radiológicos contrastados permitem a análise de todo o trato digestório da faringe ao reto e são muito úteis para detecção de massas e anormalidades estruturais (p. ex., tumores e estenoses). Os exames com contraste único consistem no preenchimento do lúmen com material radiopaco, delineando sua estrutura. Estudos melhores e mais detalhados se obtêm com exames com duplo contraste, em que uma pequena quantidade de bário de densidade elevada recobre a superfície mucosa e um gás distende o órgão e potencializa o contraste. No enema baritado com duplo contraste, o gás é injetado pelo examinador; em outros estudos, o gás intrínseco do trato digestório é adequado. Em todos os casos, o paciente deve se virar para o que o gás e o bário se distribuam de modo uniforme. A fluoroscopia é capaz de monitorar a progressão do contraste. Pode-se realizar vídeos quanto imagens simples para a documentação, mas o vídeo é particularmente útil para a investigação de distúrbios motores (p. ex., espasmo cricofaríngeo, acalasia).

A principal contraindicação a estudos radiológicos contrastados é

  • Suspeita de perfuração

Perfuração é uma contraindicação porque o bário livre é altamente irritante para o mediastino e peritônio; o contraste solúvel em água é menos irritante e pode ser usado se a perfuração for possível. Pacientes idosos podem ter dificuldade para mudar de posição para que o bário e o gás intraluminal sejam corretamente distribuídos.

Pacientes submetidos a exames radiológicos do trato digestório superior devem manter jejum depois da meia-noite. Pacientes submetidos a enema opaco devem receber dieta líquida clara no dia anterior ao exame, laxante à base de fosfato de sódio à tarde e usar supositório de bisacodil na noite anterior. Outros esquemas laxativos também são eficazes.

As complicações das radiografias abdominais com contraste são raras. Pode ocorrer perfuração se o enema opaco for realizado em pacientes com megacolo tóxico. A impactação por bário pode ser evitada pela ingestão de líquidos após o exame e, às vezes, pelo uso de laxantes.

Enema baritado

O enema opaco pode ser realizado com contraste simples ou com duplo contraste. Enemas opacos simples são usados quando há suspeita de obstrução intestinal, diverticulite, fístulas e megacolo. Exame com duplo contraste são os preferidos para a detecção de tumores.

Enteróclise

A enteróclise (enema do intestino delgado) possibilita uma melhor avaliação do intestino delgado, mas depende de entubação do duodeno com um cateter flexível com balão em sua extremidade. Injeta-se uma suspensão à base de bário, seguida de solução de metilcelulose, o que funciona como o agente de duplo contraste que possibilita a melhor visualização da mucosa do intestino delgado.

Alimento no intestino delgado

O trânsito do delgado é realizado por fluoroscopia e possibilita uma análise mais detalhada do intestino delgado. Imediatamente antes do exame, o paciente recebe metoclopramida 20 mg VO para acelerar o trânsito do material de contraste.

Exame do trato gastrintestinal alto

O exame do trato digestório superior é mais bem realizado por estudo bifásico, começando com exame de duplo contraste do esôfago, estômago e duodeno, seguido de estudo contrastado simples com bário de baixa densidade. O glucagon, 0,5 mg, IV pode facilitar o exame pela hipotonia gástrica produzida.

TC do abdome

A TC usando contraste oral e intravenoso possibilita uma excelente visualização do intestino delgado e do colo, bem como de outras estruturas intra-abdominais.

Colonografia por TC

A colonografia por TC (colonoscopia virtual) gera imagens do cólon em 2D e 3D usando TC com multidetecção e uma combinação de contraste oral e distensão gasosa do colo. Visualizar imagens 3D em alta resolução simula um pouco a aparência da endoscopia óptica, por isso o nome. A colonografia por TC ideal exige a limpeza cuidadosa e distensão do cólon. Fezes residuais provocam problemas semelhantes aos encontrados com o enema baritado, pois simulam pólipos ou massas. As imagens tridimensionais endoluminais são úteis para confirmar a presença de uma lesão e para melhorar a confiabilidade do diagnóstico.

Enterografia por TC

A enterografia por TC fornece a visualização ideal da mucosa do intestino delgado; é feita preferencialmente utilizando a TCMD. Os pacientes recebem um grande volume (1.350 mL) de sulfato de bário a 0,1% antes do exame. Para certas indicações (p. ex., sangramento gastrintestinal obscuro, tumores do intestino delgado, isquemia crônica), realiza-se um estudo TCMD bifásico com contraste.

A enterografia e a colonografia por TC substituíram amplamente os convencionais exames de seriografia do intestino delgado, a esofagografia e o enema baritado.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS