Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

pHmetria ambulatorial

Por

Jonathan Gotfried

, MD,

  • Assistant Professor of Medicine, Gastroenterology
  • Lewis Katz School of Medicine at Temple University

Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A pHmetria esofágica ambulatorial de 24 horas com ou sem impedância intraluminal é atualmente o teste mais comum para avaliar o refluxo gastroesofágico (1). Suas principais indicações são

  • Documentar o excesso de ácido ou refluxo não ácido

  • Correlacionar os sintomas com episódios de refluxo

  • Identificar candidatos para a cirurgia antirrefluxo

  • Avaliar a eficácia de tratamentos clínicos ou cirúrgicos.

Pode-se fazer o monitoramento ambulatorial do pH quando o paciente estiver fazendo ou não tratamento com inibidor da bomba de prótons (IBP). Quando o exame é realizado sem o tratamento, pode-se confirmar ou descartar o diagnóstico de doença do refluxo gastroesofágico. Se o monitoramento for realizado sem tratamento e não houver pH ácido no estômago, confirma-se o diagnóstico de acloridria. O monitoramento durante o tratamento pode determinar a adequação da supressão do ácido gástrico e a exposição ao ácido esofágico em pacientes encaminhados para fazer exames porque o tratamento com IBP falhou.

Os testes podem utilizar um cateter de monitoramento de refluxo contínuo transnasal ou um dispositivo de monitoramento de pH sem fio que é ligado por via endoscópica ao esôfago distal.

As complicações são muito raras. Os pacientes devem permanecer em jejum na noite anterior ao exame, mas podem comer normalmente depois que o dispositivo de monitoramento é colocado.

Referência geral

  • 1. Hobbs P, Gyawali CP: The role of esophageal pH-impedance testing in clinical practice. Curr Opin Gastroenterol 34(4):249–257, 2018. doi: 10.1097/MOG.0000000000000441.

Monitoramento de pH por meio de cateter

Um tubo delgado contendo um sensor de pH é posicionado 5 cm acima do esfíncter esofágico inferior. O paciente anota sintomas, refeições e períodos de sono por 24 horas. A exposição ácida esofágica é definida pela porcentagem de tempo total de registro em que o pH é < 4,0. Um valor > 4,3% é considerado anormal se o paciente não foi submetido a um inibidor de bomba de prótons, e um valor > 1,3% é anormal se o paciente foi submetido a um inibidor de bomba de prótons durante o teste. Sensores adicionais ao longo das regiões mais proximais da sonda de pH permitem identificar episódios de refluxo proximal.

Uma sonda de pH esofágico e gástrico de canal duplo tem dois sensores de pH separados ao longo do cateter; um dos sensores é inserido 5 cm acima do esfíncter esofágico inferior e o outro sensor é inserido no estômago. Os dois sensores permitem a medição simultânea do nível de pH no esôfago distal e estômago. Esse teste é mais útil para avaliar a eficácia e adequação dos fármacos inibidores de ácido.

Os dispositivos combinados mais recentes para monitoramento da impedância de pH também realizam teste de impedância intraluminal multicanal, que identifica o refluxo de qualquer teor gástrico no esôfago, independentemente do nível de pH. Além de refluxo ácido, esse teste detecta refluxo fracamente ácido (pH entre 4,0 e 7) e refluxo não ácido (pH > 7), que passariam despercebidos pela pHmetria convencional.

A correlação entre os sintomas relatados pelo paciente e eventos de refluxo pode ser avaliada por meio do índice de sintomas ou probabilidade de associação de sintomas. Um valor importante no índice de sintomas ou valor de probabilidade de associação de sintomas sugere que a correlação entre os sintomas e os eventos de refluxo não se deve ao acaso. O refluxo excessivo e a correlação significativa entre os sintomas de refluxo são preditores positivos de um desfecho favorável para uma cirurgia antirrefluxo.

Monitoramento sem fio de pH

A pHmetria esofágica ambulatorial também pode ser feita usando uma cápsula sem fio sensível ao pH que é ligada ao esôfago distal. O dispositivo é colocado por via endoscópica 5 cm acima do esfíncter esofágico inferior e monitora continuamente a exposição ácida esofágica (definida como pH < 4,0) por 48 horas. De modo semelhante ao teste com sonda, os pacientes registram os sintomas, as refeições e o sono durante o teste, e a correlação entre a exposição excessiva ao ácido e os sintomas de refluxo (índice de sintomas ou probabilidade de associação de sintomas). No entanto, como a cápsula é puramente um sensor de pH, apenas o refluxo ácido é detectado. A cápsula geralmente sai depois de uma semana da colocação e passa de maneira espontânea nas fezes. Como a cápsula transmite dados por conexão sem fio enquanto está anexada, ela não precisa ser recuperada.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS