Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Doença gastrointestinal funcional

Por

Stephanie M. Moleski

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo mar 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Em geral, nenhuma anormalidade fisiológica ou estrutural objetivamente mensurável para queixas GI é encontrada, mesmo depois de investigação extensa. Esses pacientes são rotulados como portadores de doença funcional, que representa 30 a 50% dos casos encaminhados ao gastroenterologista. Doenças funcionais podem se manifestar com sintomas GI superior e/ou inferior. (Ver também Síndrome do intestino irritável.)

Distúrbios GI funcionais são distúrbios da interação cérebro-intestino. Algumas evidências sugerem que esses pacientes apresentam hipersensibilidade visceral, um distúrbio da nocicepção em que o desconforto é referido secundariamente a sensações (p. ex., distensão luminal, peristaltismo) de que outras pessoas não se queixam. Distúrbios funcionais são classificados pelos sintomas relacionados a uma combinação de não apenas hipersensibilidade visceral, mas também distúrbio de motilidade, microbiota alterada, função da mucosa e do sistema imunitário e processamento do sistema nervoso central (1).

Em alguns pacientes, condições psicológicas como ansiedade (com ou sem aerofagia), doença de conversão, somatização ou transtorno de ansiedade estão associadas a sintomas GI. Teorias psicológicas sustentam que alguns sintomas funcionais podem atender certas necessidades psicológicas. Por exemplo, alguns pacientes com doenças crônicas apresentam benefício secundário de estarem enfermos. Para tais pacientes, o sucesso do tratamento de determinados sintomas pode levar ao aparecimento de outros.

Muitos médicos que encaminham os pacientes ao gastroenterologista encontram queixas gastrointestinais funcionais difíceis de entender e tratar; essa incerteza pode causar frustração e determinadas atitudes de reprovação. Uma interação eficaz entre médico e paciente reduz o comportamento de procura de atendimentos de saúde pelo paciente. Os médicos devem reconhecer os sintomas do paciente e mostrar empatia. Os médicos devem evitar solicitar exames repetidos ou várias tentativas com diferentes fármacos para pacientes insistentes com reclamações inexplicáveis, porque isso pode promover ansiedade e comportamento de busca de tratamentos de saúde (2). Quando os sintomas não sugerirem doença séria, o médico deve aguardar em vez de se envolver em outro diagnóstico ou plano terapêutico. Com o tempo, novos dados podem conduzir a avaliação e tratamento. Queixas funcionais estão algumas vezes presentes em pacientes com doenças fisiológicas (p. ex., úlcera péptica, esofagite); esses sintomas podem não desaparecer mesmo quando uma doença orgânica é abordada. Em alguns pacientes, exames (p. ex., TC) podem identificar anormalidades incidentais que não estão relacionadas com os sintomas.

Referências gerais

  • 1. Drossman DA: Functional gastrointestinal disorders: History, pathophysiology, clinical features, and Rome IV. Gastroenterology 150:1262–1279, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2016.02.032.

  • 2. Drossman DA: 2012 David Sun Lecture: Helping your patient by helping yourself: How to improve the patient-physician relationship by optimizing communication skills. Am J Gastroenterol 108:521–528, 2013. doi: 10.1038/ajg.2013.56.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer uma anuscopia
Vídeo
Como fazer uma anuscopia
Modelos 3D
Visualizar tudo
Trato GI
Modelo 3D
Trato GI

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS